A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture

A fabulosa coleção de carros de George Harrison

Discussões sobre qual é “o melhor Beatle” nunca vão deixar de acontecer – até porque é difícil mensurar a importância da contribuição de cada um dos quatro membros ao “todo” do que eram os Beatles. Agora, no que diz respeito aos carros, George Harrison provavelmente tinha a coleção mais interessante e diversificada. Até porque o autor de “While My Guitar Gently Weeps” era o mais gearhead da banda.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, download de materiais exclusivos, participação em sorteios e no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), além de veiculação de até 7 carros no FlatOuters e até 3 anúncios no site GT40, bem como descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$20,00 / mês

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

 

Plano de assinatura na medida para quem quer acessar livremente todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de veiculação de até 3 carros no FlatOuters e um anúncio no site GT402.

De R$14,90

por R$9,90 / mês

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

Nascido em 25 de fevereiro de 1943, Harrison sempre foi fã de automobilismo. Ele assistiu sua primeira corrida aos 12 anos de idade – o Grande Prêmio da Grã-Bretanha de 1955, no circuito de Aintree – e a paixão pelos carros o acompanhou até os últimos dias de sua vida.

Na verdade, o gosto de George Harrison por carros era provavelmente o mais refinado entre os Beatles – uma bela seleção de ícones da indústria automobilística britânica, acompanhados por alguns outros automóveis emblemáticos de fabricantes espalhadas pelo mundo.

Harrison entrou para os Beatles em 1959, quando a banda ainda se chamava The Quarrymen. Ele se juntou a Paul McCartney e John Lennon como guitarrista principal. Do Fab Four ele foi o terceiro a entrar para a banda, que só passou a se chamar The Beatles em janeiro de 1962. Meses depois, Ringo Starr tornou-se o novo baterista, substituindo Pete Best. Àquela altura os Beatles já eram uma banda bem conhecida, e não levaria muito tempo até que seu primeiro álbum de estúdio, Please Please Me, lançado em 1963, desse origem aos primeiros singles a chegar ao topo das paradas.

Uma turnê se seguiu em 1964, bem como o álbum A Hard Day’s Night – e os Beatles ficaram gigantes. Harrison aproveitou para comprar seu primeiro carro extravagante no ano seguinte: um Aston Martin DB5 branco que logo recebeu a companhia de um Jaguar E-Type.

O Aston Martin foi leiloado em 2011, quando um colecionador de itens dos Beatles (cuja identidade não foi revelada) o arrematou por £ 350.000 – o equivalente a mais de R$ 2,5 milhões.

Pouco depois do Aston e do Jag, ainda em 1965, veio o terceiro ícone britânico – um Austin Mini Cooper S. Na verdade, o empresário dos Beatles, Brian Epstein, foi quem conseguiu um acordo com o vendedor de carros Terry Doran (que supostamente é o “man of the motor trade” mencionado na letra de “She’s Leaving Home”) para comprar quatro exemplares do Mini, um para cada membro da banda, a preço de custo. O carro de Harrison logo recebeu lanternas de Fusca na traseira (montadas na horizontal) e um par de faróis auxiliares curiosamente instalados no capô.

Este é o mesmo carro que, em 1967 – na fase “hippie” dos Beatles – recebeu uma pintura psicodélica inspirada nos Tantras Sutras, escrituras sagradas que fazem parte do hinduísmo. Lennon tinha um Rolls-Royce com a mesma pegada.

Este carro tem uma história curiosa: depois de aparecer no filme Magical Mystery Tour, lançado em 1967, o Mini foi dado de presente a Eric Clapton – que, como os fãs de rock clássico sabem, escreveu a música “Layla” com inspiração em Pattie Boyd, na época esposa de Harrison. Em 1977, George e Pattie se divorciaram, e ela casou-se com Clapton dois anos depois, em 1979.

Tudo fica ainda mais curioso se lembrarmos que o Derek and the Dominos, a banda de Eric Clapton, foi formada durante as gravações de All Things Must Pass, de 1970, que foi o terceiro álbum solo de George Harrison (e o primeiro após o fim dos Beatles). Ao menos Clapton devolveu o Mini a Harrison, porque o ex-Beatle arrependeu-se – com razão! – de ter lhe dado o carro de presente.

Mas voltando aos carros: ainda em 1965, comprou sua primeira Ferrari – uma 275 GTB verde. Da marca italiana ele ainda teve uma 365 GTC azul, adquirida em 1969, e um Dino amarela que comprou de segunda mão.

 

Em 1967, Harrison tentou comprar um Rolls-Royce Phantom V, mas como a fila de espera era muito longa ele decidiu encomendar um Mercedes-Benz 600 – Paul McCartney, quando viu o carro pela primeira vez, ficou tão impressionado que decidiu ter um também. Mas aquele foi só o primeiro Mercedes de Harrison: em 1970, ele comprou um cupê 250CE e um 300 SEL 6.3; e em 1971 ele decidiu comprar a limousine 600 Pullman branca de John Lennon, que mudou-se para os EUA em setembro daquele ano para morar com Yoko Ono.

 

Ao longo dos anos 1970 Harrison decidiu focar-se em sua carreira solo – dedicando-se à música, ele não teve tempo de comprar muitos carros. Mas ele frequentava corridas de Fórmula 1 sempre que podia. Ele ficou amigo de vários pilotos, e eles sempre perguntavam se um dia ele iria escrever uma música sobre as corridas. Aceitando o desafio, Harrison compôs “Faster”, canção lançada em seu oitavo álbum de estúdio, George Harrison, de fevereiro 1979. A música era umahomenagem aos ídolos Jackie Stewart e Ronnie Peterson, e os lucros do single foram revertidos para pesquisas contra o câncer – em 1978, o piloto sueco Gunnar Nilsson havia morrido por conta da doença.

Repare no chauffeur de Harrison no clipe: sim, Sir Jackie Stewart em pessoa!

Na década de 1980, abalado pelo assassinato de John Lennon e preocupado com a possibilidade de ser a próxima vítima, Harrison reduziu suas aparições públicas e fechou-se em sua casa – e também evitou ao máximo fazer novas adições a sua garagem. Ainda assim, ele adquiriu quatro Porsche naquela década: dois 911 Turbo (um 1975 dourado e um 1978 roxo), um 924 Carrera GT e um 928 Turbo S.

Outro carro comprado por Harrison na década de 1980 foi um Mercedes-Benz 500 SEL AMG. O carro era equipado com um V8 de cinco litros e 276 cv, e ficou com Harrison por 16 anos antes de ser passado para Ray Cooper, percussionista e amigo do ex-Beatle, no ano 2000. Depois de trocar de mãos algumas vezes e passar por uma restauração em 2013, o Mercedes-Benz foi leiloado em 2018 e arrematado por £ 43.000 –uma quantia surpreendentemente baixa para um carro com seu histórico.

As últimas grandes aquisições automobilísticas de George Harrison foram dois projetos de Gordon Murray. O primeiro foi o Light Car Company Rocket, esportivo de apenas 380 kg com motor Yamaha do quam a empresa de Murray produziu apenas 55 unidades – e Harrison, que conheceu Murray através da Fórmula 1, recebeu um dos primeiros exemplares em 1992.

Dois anos depois, em 1994, Harrison foi um dos compradores do lendário McLaren F1 – o esportivo mais radical que ele teve. Entregue ao guitarrista em 1995, o carro escondia sob a pintura roxa diversos símbolos da religião hindu, e também letras de músicas escritas por George Harrison.

O McLaren F1 foi o último carro que George Harrison comprou publicamente. No fim da década de 1990, ele foi diagnosticado com um câncer na garganta e tratado com radioterapia. Após uma aparente recuperação, o câncer retornou – e, apesar do tratamento continuado, Harrison não resistiu: ele morreu em 29 de novembro de 2001, aos 58 anos de idade.

Matérias relacionadas

Os freios do Camaro Z/28 são tão fortes que as rodas deslizavam dentro dos pneus

Dalmo Hernandes

16 cilindros, dez litros, 600 cv e peças de Fusca: conheça o Isdera Autobahnkurier 116i

Dalmo Hernandes

Isto é um Mazda RX-7 com quatro rotores, turbo, 1.200 cv e tração integral, e seus argumentos são inválidos

Dalmo Hernandes