A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture

BMW Art Cars: quando os carros viram obras de arte de verdade – Parte 2

No post anterior falamos sobre a origem dos Art Cars, contamos a história do BMW M1 pintado por Andy Warhol e citamos a transição de Art-Cars de pista para obras estáticas de museu ao longo dos anos 80. Mas o que veio depois disso?

artcars (8)

Para o início da década de 90, a BMW continuou convidando artistas para pintar carros, transformando-os efetivamente em telas sobre rodas. O primeiro carro, logo em 1990, foi um Série 7 E32 — mais precisamente um 730i, dotado de um seis-em-linha de três litros e 188 cv.

artcars (9)

O artista das Ilhas Canárias Cesar Manrique foi o criador da pintura com cores vibrantes e pinceladas largas e livres. Seu objetivo era “combinar as noções de velocidade e aerodinâmica com o conceito da estética” — provavelmente referindo-se ao visual da geração E32 do Série 7: elegante, porém capaz de sugerir velocidade.

artcars (11)

No ano seguinte a BMW deu à pintora sul-africana Esther Mahlangu. Ela mesclou a arte tradicional de seu país às formas alemãs de um BMW Série 5 E34. “Minha arte evoluiu da tradição tribal de decorarmos nossas casas”, ela conta. Mahlangu tornou-se a primeira mulher a figurar na lista de convidados para criar Art Cars, e o 525i decorado com padrões africanos e cores vivas — até mesmo nas rodas — foi o primeiro feito por um artista do continente africano.

artcars (10)

Alguns artistas, contudo, preferiam uma abordagem menos abstrata e humana e produziam algo de conceito mais próximo da máquina que lhe servia de tela.

BMW Z1 e 850CSi

artcars (3)

O BMW Z1 é um raro e inovador roadster que, embora dividisse a plataforma com o Série 3 E30, tinha o design muito mais futurista (e as famosas portas que deslizavam para dentro das soleiras). Ainda em 1991, o Z1 foi o carro dado ao alemão A.R. Penck. Para ele, O Z1 por si só já era uma obra de arte, pois refletia “a criatividade e a fantasia de um engenheiro” e eram uma representação perfeita do termo “Art Car” em todos os sentidos.

artcars (5)

Ele decidiu, então trabalhar com o contraste e sobrepor o design altamente técnico do Z1 com hieróglifos primitivos, quase rupestres — mas que, ao mesmo tempo, eram uma escrita codificada desenvolvida pelo próprio pintor.

artcars (17)

Por outro lado, quatro anos depois, o artista britânico David Hockney viu-se diante de um BMW 850CSi — o grand tourer com motor V12 lançado em 1989 (depois ele recebeu um motor V8) que trazia algumas inovações técnicas impressionantes para a época — e decidiu-se por pintar o lado de fora do carro como se fosse o interior, ou ao menos o que ele entendia como o interior do carro.

artcars (18)

Formas aparentemente abstratas revelam uma maneira totalmente diferente de enxergar os componentes mecânicos e estruturais de um carro e até mesmo seus ocupantes.

 

A arte de volta às pistas

artcars (13)

Voltando alguns anos no tempo, vemos um sinal de que a BMW podeira voltar a colocar seus Art Cars para competir. Foi em 1992, quando o artista italiano Sandro Chia decorou um protótipo do BMW Série 3 com motor de quatro cilindros, 2,5 litros e 370 cv. Chia, que grafitava carros nas ruas quando era adolescente, retratou na pintura colorida os rostos “das pessoas que olham os carros”.

artcars (14) artcars (12)

“O automóvel é um objeto desejado na sociedade. Todos os olhos estão sobre ele. As pessoas olham os carros de pert. Este carro reflete o olhar delas”. Profundo.

artcars (6)

Mas tudo fica mais veloz, barulhento e direto quatro anos depois, em 1999. O Art Car foi nada menos do que um dos três V12 LMR que correram em Le Mans naquele ano — um dos três que apareceram nos primeiros treinos de classificação. A decoração ficou a cargo da artista conceitual americana Jenny Holzer, que estampou frases de impacto como “Proteja-me do que eu quero” (Protect me from what I want) e “Você é tão complexo que não reage ao perigo” (You are so complex you don’t respond to danger).

artcars (20)

O Art Car não participou da corrida — apenas dos treinos de classificação — mas os outros dois sim. Um deles abandonou a prova nas horas finais, mas o outro venceu — e ficou na frente de Toyota (uma das favoritas com o GT-One), Audi, Nissan e Mercedes-Benz (que nem terminou a corrida com seus CLR).

O carro seguinte demorou para aparecer — só em 2007. E ele também foi usado para correr, mas de uma forma um tanto diferente: o objetivo da BMW com o conceito H2R era conquistar recordes de velocidade para carros com motor a hidrogênio.

Para isso, ele tinha um V12 de seis litros baseado no motor a gasolina do sedã 760i que, com comando duplo VANOS nos cabeçotes, produzia 290 cv. Era o suficiente para garantir a velocidade máxima de 301,95 km/h.

artcars (2)

Depois que o carro cumpriu seu papel, o artista dinamarques Olafur Eliasson e sua equipe removeram a carroceria de compósito do carro e colocaram em seu lugar uma intrincada estrutura feita de barras de metal brilhantes. Depois, tudo foi coberto com camadas de gelo, criadas com água pulverizada ao longo de dias. O Art Car ficou exposto em uma sala com temperatura controlada entre 2007 e 2008.

Dois anos depois, uma pausa nas corridas — o Art Car da vez foi um BMW Z4. E, na verdade, o carro foi o “pincel” usado para pintar com cores primárias (vermelho, amarelo e azul) uma tela do tamanho de um campo de futebol. Os pneus ficaram coloridos e os respingos acabaram colorindo também a carroceria.

artcars (19)

“Para mim, o uso de um pincel não-tradicional como um carro de alto desempenho (no caso, o BMW  Z4, que havia acabado de ganhar uma nova geração) é uma ótima maneira de investigar a relação entre emoção, tecnologia e criatividade industrial”, comentou o sul-africano Robin Rhode que, com sua equipe, executou o projeto em 12 horas.

O mais recente Art Car encerra — por ora — um ciclo que começou com um carro de corrida usando outro carro de corrida. Trata-se do BMW M3 E92 GT2 — bólido de competição que correu em várias provas de longa duração em 2010, incluindo as 24 Horas de Le Mans em 2010.

artcars (16)

Na corrida daquele ano, um dos carros foi o escolhido para ser o Art Car de nº 17. A arte ficou a cargo do artista americano Jeff Koons, que se inspirou na velocidade, nas cores e nas explosões do automobilismo para criar uma arte gráfica de linhas retas coloridas sobre um fundo preto — como os rastros de luz em uma corrida noturna. Faz sentido, porque o maior espetáculo de uma corrida de longa duração como Le Mans acontece à noite.

Koons trabalhou intensivamente em conjunto com a equipe de aerodinâmica da BMW Motorsport a fim de garantir que o carro estivesse pronto a tempo para a corrida, utilizando-se dos recursos da equipe para implementar sua arte em perfeita harmonia com os elementos funcionais do carro. A apresentação do carro finalizado aconteceu durante um evento fechado, com 300 convidados.

Esta playlist traz todo um mini-documentário, em cinco partes de um minuto cada, documentando o processo de criação do M3 GT2 Art Car

O carro, de nº 79 participou da edição de 2010 da corrida em La Sarthe ao lado de outro M3 GT2 — o de nº 78. Enquanto este chegou ao fim da corrida na 19ª posição depois de 320 voltas, o Art Car não terminou a corrida, sucumbindo a uma falha no sistema de alimentação. Como obra de arte, porém, ele é sem dúvida um dos Art Cars mais bonitos em quatro décadas de história.

artcars (15)

 

 

Não leu a primeira parte dessa história? Então clique aqui

Matérias relacionadas

Estas fotos dos circuitos da Fórmula 1 foram feitas do espaço por um astronauta

Dalmo Hernandes

Touro no porão: a história do cara que construiu um Lamborghini Countach dentro de casa

Eduardo Rodrigues

Stefan Bellof: os 30 anos da morte de uma das maiores promessas da Fórmula 1

Leonardo Contesini