A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture

Bugatti e a arte de fazer um emblema

De todas as peças que compõem um carro, o emblema talvez seja uma das mais marcantes. Afinal, a identidade de qualquer automóvel passa pelo emblema. Porém, mais que uma forma de identificar determinado carro como sendo desta ou daquela marca – que o digam Volkswagen Apollo e Ford Verona, não? – os emblemas também são parte importante do legado de uma fabricante. É por isso que, quando decidem modificá-lo, as empresas fazem questão de explicar exatamente o que muda, o quanto muda, e o significado de cada mudança.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, download de materiais exclusivos, participação em sorteios e no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), além de veiculação de até 7 carros no FlatOuters e até 3 anúncios no site GT40, bem como descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$20,00 / mês

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura na medida para quem quer acessar livremente todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de veiculação de até 3 carros no FlatOuters e um anúncio no site GT402.

De R$14,90

por R$9,90 / mês

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

Por outro lado, alguns emblemas estão tão fortemente ligados à imagem de uma fabricante que se tornam imunes a mudanças – na verdade, as fabricantes fazem questão de preservá-los exatamente iguais por décadas a fio. Você imagina, por exemplo, a Rolls-Royce modificando seu clássico emblema “RR” e abrindo mão do Spirit of Ecstasy? Ou a Porsche abrindo mão de seu escudo artesanal?

Da mesma forma, a Bugatti também não modifica seu emblema desde que, bem, começou a fazer carros. Foi o próprio Ettore Bugatti quem cunhou o oval vermelho que representa a fabricante, apelidado “Macaron”, e o colocou no primeiro carro que fez como fabricante – o Bugatti Type 13, de 1909. Já faz 110 anos, e o Macaron é praticamente idêntico até hoje.

 

De acordo com a própria Bugatti, a ideia era que o emblema fosse instantaneamente reconhecível e dispensasse a necessidade de um ornamento de capô, pois Ettore Bugatti os achava extravagantes demais – o que é no mínimo irônico, considerando que os Bugatti já eram, por natureza, extravagantes. A exceção era o Bugatti Type 41 Royale, que tinha um elevante na tampa do radiador. Pelo tamanho do carro, era um mascote apropriado…

Ettore Bugatti e o Type 41 Royale em 1926

Assim, Ettore escolheu de propósito uma forma simples e plana. O que não significa, porém, falta de atenção aos detalhes.

Cada oval era obtido cortando-se um cilindro de prata de 45 mm de diâmetro a um ângulo de 30°, decorado com letras brancas, a inicial “EB” em preto no topo, e 60 pontos vermelhos sobre uma borda branca. Para Bugatti, o vermelho significava força e paixão; o branco, elegância e nobreza; e o preto, excelência e coragem. Já os pontos vermelhos, pelo que diz uma versão da história, representavam pérolas – elemento muito comum na estética Art Nouveau da época, e um exemplo de durabilidade e resistência na natureza.

Ettore Bugatti realizou apenas mudanças pequenas no emblema da fabricante em vida – ele morreu em 1947, e sua morte também marcou o fim da encarnação original da empresa, já que o filho Jean Bugatti havia morrido em 1939 e não havia um sucessor. Três anos depois, em 1950, a Bugatti lançou um último modelo – o Type 73, que teve só cinco unidades produzidas – antes de entrar em estado vegetativo. Em 1963, a Bugatti pela Hispano-Suiza, que estava interessada na divisão de motores aeronáuticos.

Foi só na década de 1990, adquirida pelo empresário Romano Artioli, que a Bugatti retornou à fabricação de carros com o épico EB110 – o supercarro com motor V12 quadriturbo que plantou a semente do Veyron, embora a empreitada não tenha sido muito produtiva. E, obviamente, o EB110 ostentava o Macaron da Bugatti logo acima de sua grade em forma de ferradura.

A compra pela Volkswagen e o lançamento do Veyron em 2005 marcaram o retorno definitivo da Bugatti como marca de prestígio – não precisamos nos estender no tamanho do impacto que o Veyron, com seu motor de dezesseis cilindros, oito litros e 1.001 cv, causou no mundo dos superesportivos. E, com ele, veio uma nova versão do Macaron, feita com ainda mais atenção aos detalhes.

Produzido pela alemã Poellach desde 2005, o emblema da Bugatti segue especificações bastante rígidas – de acordo com a fabricante, a empresa com sede na Baviera é a únicaque consegue fazer o Macaron com o efeito 3D exigido pela Bugatti. “O novo emblema ficou ser maior que antes, e também trouxe uma profundidade visual nova e muito mais acentuada”, explica Thomas Demel, o CEO da Poellath. “As letras e os pontos nas bordas ficam em um plano e são esmaltados, assim como o fundo que fica quase 2 mm mais baixo. Isto cria um efeito tridimensional genuíno”.

Cada emblema do Bugatti Chiron pesa exatamente 159 gramas, incluindo a prata, a tinta e o esmalte – e cada um deles é fruto do trabalho de 20 pessoas, que cuidam de um emblema de cada vez por cerca de dez horas, espalhadas ao longo de vários dias. A base de prata com graduação 970 é estapmada várias vezes em um processo com vários estágios, sujeitada a pressão de até 1.100 toneladas. Com isto, as letras “BUGATTI” ficam em alto relevo, com exatamente 2,1 mm de altura. Segundo a fabricante, a estamparia produz contornos muito mais precisos e com qualidade muito maior que a usinagem ou a moldagem a quente, desde que se use as ferramentas corretas.

O próprio esmalte é um material sintético e não-tóxico, feito com vidro em pó e outros materias inorgânicos – em contraste com as resinas mais antigas, que geralmente traziam chumbo e outros metais pesados em sua composição. O vidro em pó é derretido a temperaturas de 750°C a 900°C e despejado sobre a placa de prata.

Quando começa a esfriar e atinge 600°C, o esmalte começa a solidificar e se funde de forma permanente com a base, que se contrai e forma – quase incidentalmente – a superfície convexa do emblema, o que aumenta ainda mais o efeito tridimensional.

Ao final da secagem, o que se tem é uma camada de aproximadamente 0,5 mm de esmalte, que então é lixada manualmente várias vezes para obter o aspecto brilhante e transparente do emblema – e com uma sensibilidade que máquinas não são capazes de obter (ao menos ainda não). No final, ficam alguns poros que são simplesmente impossíveis de remover, mas segundo a Bugatti é isto que torna cada emblema uma peça única, como uma impressão digital.

Matérias relacionadas

A Tatra de Hans Ledwinka, e a real origem do Volkswagen

Marco Antônio Oliveira

Você vai babar nos detalhes desta miniatura artesanal de um Hemi ‘Cuda

Dalmo Hernandes

Quase por acaso: a história do lendário Corkscrew, a curva mais famosa de Laguna Seca

Dalmo Hernandes