A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Achados meio perdidos

Charme de motor traseiro: este Fiat 600 1969 está à venda

Desconsiderando o onipresente Volkswagen Fusca, carros antigos de motor traseiro são apreciados pelos entusiastas por seu exotismo. E, no caso dos carros italianos, há uma boa dose de charme – aquilo que os ingleses chamam de flair – a se considerar.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, download de materiais exclusivos, participação em sorteios e no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), além de veiculação de até 7 carros no FlatOuters e até 3 anúncios no site GT40, bem como descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$20,00 / mês

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura na medida para quem quer acessar livremente todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de veiculação de até 3 carros no FlatOuters e um anúncio no site GT402.

De R$14,90

por R$9,90 / mês

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

Entre os Fiat clássicos, certamente o pequeno Nuova 500, vendido entre 1957 e 1975, é o que mais recebe atenção. Pudera: criado para uma Itália ainda calejada pela Segunda Guerra Mundial, ele cumpria o importante papel de fornecer transporte básico para famílias – e ainda esbanjava simpatia ao fazê-lo, com suas proporções “fofas”, faróis redondos, e um pequeno e extremamente simples (porém muito robusto) motor de dois cilindros arrefecido a ar.

Com isto, o irmão mais velho do 500 acaba ficando meio de lado – o Fiat 600, modelo um pouco maior, um pouco mais potente, um pouco mais caro, e equipado com um quatro-cilindros de arrefecimento líquido. Entretanto, se o que você quer é um italiano clássico, raro no Brasil e igualmente exótico (talvez até mais), nosso Achado meio Perdido de hoje pode ser uma opção interessante: um Fiat 600 1969, anunciado no GT40.

O Fiat 600 foi o primeiro modelo da marca a contar com construção monobloco e motor traseiro. Ele foi lançado em 1955 com o mesmo propósito que o Nuova 500 teria dois anos depois – e, na verdade, foi o 600 quem estabeleceu o template para o 500 em estética e construção. Seu motor, porém, era maior e mais complexo – o quatro-cilindros Tipo 100, com comando no bloco e deslocamento inicial de 633 cm³, mais tarde aumentando para 767 cm³ e 843 cm³.

Ao longo dos anos, sua plataforma foi usada em outros modelos icônicos da Fiat, como a 600 Multipla – uma espécie de “Kombi” do 600, que trocava sua porção central por uma “cara-chata” e colocava os ocupantes da frente sobre o eixo dianteiro; e à famílai 850, que consistia em sedã, cupê e roadster, sempre com duas portas.

O Fiat 600, aliás, também foi um dos primeiros carros que a Fiat produziu fora da Itália. Na Espanha, por exemplo, ele foi fabricado sob licença pela SEAT a partir de 1957, e foi tão popular que acabou se tornando um dos símbolos do “Milagre Espanhol”, marcando a recuperação do país após a Guerra Civil Espanhola. Já na Iugoslávia, onde era fabricado pela Zastava (também sob licença) com motor de 850 cm³, ele era conhecido como Fića (pronuncia-se “fitcha”), e tornou-se um dos carros populares mais bem sucedidos daquele país.

O Fiat 600 também foi fabricado na Argentina pela Sevel, que ficou conhecida por fornecer os motores 1.5 e 1.6 usados em alguns modelos brasileiros, como o Uno. Por lá, ele durou entre 1960 e 1982 e recebeu as mesmas atualizações mecânicas do 600 italiano. É de lá que vem o Fiat 600 anunciado no GT40, ao que tudo indica – o que denuncia é a pequena “grade” na dianteira, que na verdade era apenas uma peça decorativa, pois a tomada de ar para o radiador é posicionada abaixo do vigia traseiro.

O carro, de acordo com o anunciante, está muito bem conservado e estruturalmente íntegro. Pintura e revestimentos internos trazem boa apresentação, e os itens de acabamento são originais – faróis, lanternas, emblemas, volante e comandos para o motorista. Houve alguma customização, como os faróis auxiliares com lente amarela, a insígnia da Abarth no painel e nas colunas “C”, a pintura vermelha das rodas e a instalação de um bagageiro externo na traseira.

 

Esta unidade em especial é equipada com o motor de 767 cm³, capaz de entregar 36 cv, e é acoplado a uma transmissão manual de quatro marchas. A suspensão é independente nas quatro rodas, com amortecedores telescópicos na dianteira e feixe de molas semi-elípticas transversal na traseira (este, um arranjo semelhante ao que se vê no Fiat Uno brasileiro).

O carro tem placa preta certificada, com a numeração correspondente ao ano do carro. Seu grande atrativo é o preço, abaixo da média para um colecionável do período – talvez pelo fato de, no Brasil, ser um Fiat antigo meio “lado B”. O que, de todo modo, pode ser um plus para alguns colecionadores.

Se você ficou interessado, pode clicar aqui para acessar o anúncio e entrar em contato com o vendedor.


“Achados Meio Perdidos” é o quadro do FlatOut! no qual selecionamos e comentamos anúncios do GT40.com.br de carros interessantes ao público gearhead, como veículos antigos, preparados, exclusivos e excêntricos. Não se trata de publieditorial. Não nos responsabilizamos pelas informações publicadas nos anúncios nem pelas negociações decorrentes – todos os detalhes devem ser apurados atenciosamente com o anunciante!

Matérias relacionadas

Quer um V8 brasileiro? Este Dodge Dart 1979 está à venda

Dalmo Hernandes

Este Chevette 1986 de segundo dono está muito novo e original – e está à venda

Dalmo Hernandes

Quanto vale um Civic VTi 1993 com 43 mil km rodados?

Dalmo Hernandes