FlatOut!
Image default
Car Culture

Como Jeremy Clarkson, Richard Hammond e James May ajudaram a formar a atual geração de entusiastas


Em 2002 eu parei de assistir à TV. Ficamos sem grana, cortamos a TV a cabo e, sem nada interessante na TV aberta, acabei perdendo o hábito. Na época eu me interessava mais por guitarras e baixos e amplificadores valvulados. Então, quando estava entediado, eu ficava tocando, ou ligava o computador para procurar tablaturas ou trocar ideias sobre equipamento.

Apesar das guitarras dominarem meu tempo livre, nunca deixei de curtir os carros — eu só me interessei menos por eles naquela época. Eu havia assistido a “60 Segundos” e, como todo moleque de 18 anos fiquei loucão pela Eleanor. Entre downloads de músicas e conversas sobre captadores Filtertron, válvulas 6L6 e tentativas de decifrar o esquema elétrico do meu amplificador velho, eu dava uma olhada nos carros antigos em classificados online, fazendo planos ingênuos para o futuro.

Essa rotina semi-offline começou a mudar três ou quatro anos mais tarde. A conexão com a internet era mais rápida e uma novidade me “reconectou” à televisão: o YouTube. De repente era possível assistir aos vídeos da internet sem precisar de downloads demorados. Um clique, alguns segundos de espera e o vídeo estava lá, carregado por completo na sua tela.

No começo o conteúdo era escasso, havia pouca coisa realmente relevante. Mas aos poucos os usuários começaram a fazer uploads de documentários, programas antigos, atrações estrangeiras e novidades interessantes como este vídeo:

Fiquei louco com o texto e com a fotografia. Como assim, uma avaliação gravada na chuva? Com essas cores? Abusando do carro e falando todas aquelas coisas? Ao final do vídeo fiquei curioso para ver mais desse cara. Achei um vídeo chamado “Killing a Toyota Hilux”, que era dividido em duas ou três partes. Aquilo realmente me fisgou. Um programa de TV que colocou uma picape no topo de um prédio prestes a ser implodido só para ver se ela resiste à queda!? Quem são esses loucos desse tal Top Gear?

Comecei a procurar mais vídeos (que ainda não eram tantos) e fui gostando cada vez mais do que via.  Descobri o site Final Gear — de onde vinham os clipes postados no YouTube — e baixei os episódios para assisti-los inteiros, mesmo com a dificuldade de entender as gírias, os contextos regionais e aquelas aceleradas que eles dão no meio das frases. Depois de cinco anos, voltei a assistir à televisão (ainda que pela internet) por causa de Top Gear.

 

E agora, algo completamente diferente

Originalmente lançado em 1977, Top Gear tinha o formato tradicional de “revista televisiva”, com quadros curtos e dinâmicos, duração de apenas 30 minutos e deu projeção nacional a jornalistas como Tiff Needell, Quentin Willson, Vicki Butler-Henderson, Andy Wilman, James May e Jeremy Clarkson.

Na virada dos anos 1990 para os anos 2000, contudo, os apresentadores mais carismáticos deixaram o programa e a audiência caiu à metade, passando de seis milhões de espectadores para “apenas” três milhões. No fim, Top Gear acabou cancelado em outubro de 2001.

https://www.youtube.com/watch?v=popp6YI7zvs

Com o cancelamento de Top Gear, Tiff Needel, Quentin Willson e Vicki Butler-Henderson foram contratados pelo Channel 4 para um novo programa no mesmo formato de revista televisiva, porém com uma abordagem mais moderna. Diante da manobra do canal rival, a BBC decidiu retomar seu velho programa.

Foi quando Jeremy Clarkson e seu amigo de longa data Andy Wilman voltaram à cena com uma proposta completamente diferente do que já havia sido feito até então. Em vez de se concentrar em avaliações e notícias e recauchutar o formato do antigo programa, Wilman e Clarkson propuseram ir além, apresentando desafios de carros, corridas especiais, voltas cronometradas de supercarros e de convidados famosos e qualquer outra ideia que viesse à cabeça, com uma liberdade editorial que somente um canal independente como a BBC poderia proporcionar. Além disso, ele seria apresentado por três pessoas ao mesmo tempo.

A primeira temporada estreou em 20 de outubro 2002. Wilman ficou atrás das câmeras conduzindo a produção do novo programa. Clarkson liderou a apresentação em estúdio, onde era acompanhado por Richard Hammond, um ex-radialista que havia migrado para a TV como apresentador do canal por assinatura Men and Motors; e Jason Dawe, colunista de automóveis do jornal Sunday Times, que foi chamado para substituir James May, que era a primeira opção para a vaga, mas recusou o convite inicial.

Para as voltas cronometradas, Wilman e Clarkson procuraram um piloto profissional que tivesse desenvoltura em frente às câmeras. Como nenhum dos candidatos agradou a dupla, eles decidiram criar um personagem mudo que acabou interpretado por Perry McCarthey e deu origem ao Stig.

O primeiro episódio ainda tinha muito do formato antigo, porém com mais liberdade e mais espontaneidade, além de elementos cômicos, como o hábito de destruir trailers sem motivo. O estúdio ainda era vazio, a iluminação era um tanto sombria e ainda havia muita informação jornalística com apenas algumas doses de humor. Mas deu certo: o primeiro episódio foi visto por 2,4 milhões de pessoas. O segundo atraiu mais 1,2 milhão e chegou a uma audiência de 3,6 milhões de espectadores somente no Reino Unido.

O programa pegou ritmo ao longo daquela primeira temporada, mantendo uma média de 3,4 milhões de espectadores até o último episódio. Os desafios foram tímidos, mas as entrevistas e os convidados tentando pilotar um carro popular eram divertidas, e as avaliações de Hammond e Clarkson se destacavam. Só Jason Dawe que parecia um pouco deslocado, talvez por ter uma personalidade diversa dos outros dois.

Com o sucesso da primeira temporada, James May reconsiderou o convite e disse que gostaria de entrar no programa. Inicialmente Top Gear ficaria com quatro apresentadores, mas no fim das contas, Dawe deixou o elenco e assim formou-se o trio que consagrou Top Gear. O jeitão geek e o humor ácido de May equilibraram a personalidade efusiva e hiperbólica de Clarkson e o sarcasmo sacana de Hammond. À medida em que os novos episódios eram produzidos, Top Gear ganhava mais a cara de seus apresentadores e se afastava da fórmula anacrônica do antigo programa.

https://www.youtube.com/watch?v=TEvLEsosMds

Foi nesta segunda temporada que o trio começou a ousar no humor, apresentando segmentos que, mais tarde se tornariam virais, como o crash test com um piloto de verdade ao volante de um Renault Mégane, e a avaliação do Touareg V10 TDI, no qual Clarkson reboca uma árvore de 20 metros. Curiosamente a audiência foi sutilmente menor que a da primeira temporada: a média de espectadores foi de “apenas” 3,1 milhões.

Na terceira temporada o piloto Perry McCarthy revelou que era o Stig e acabou deixando o programa, sendo substituído por Ben Collins. A mudança de pilotos foi marcada pela troca da cor do macacão e capacete: em vez do traje preto, o novo Stig usava macacão, sapatilhas e capacete branco. Os desafios ainda alternavam entre o nonsense e o jornalismo irreverente até o quinto episódio. Foi quando eles tentaram verificar a crença de que a Toyota Hilux é indestrutível e foram às ruas tentar fazer o impossível para destruí-la. Foi o primeiro grande sucesso do novo Top Gear, que pela primeira vez atingiu a marca de cinco milhões de espectadores.

Nas temporadas seguintes Top Gear se manteve com audiência média variando entre 3,5 e 4 milhões de espectadores. Na quarta temporada, de 2004, eles fizeram a primeira corrida entre um carro e outros meios de transporte, na sexta temporada, já em 2005, eles inventaram o futebol com carros e colocaram suas próprias mães para avaliar carros de mamãe, na sétima temporada eles fizeram o desafio dos supercarros italianos dos anos 1970 e na oitava temporada, em 2006, fizeram mais um jogo de futebol, além do desafio dos carros anfíbios, no qual tentariam cruzar um reservatório de 3,5 km com carros convertidos por eles mesmos.

Após a oitava temporada, na virada de 2006 para 2007, os primeiros sucessos do Top Gear foram parar no recém-lançado YouTube. O site havia acabado de instituir o limite de 10 minutos para os novos vídeos, e esta era justamente a duração de cada bloco do programa na BBC. Foi um timing perfeito.

Embalado pelos downloads piratas do site  Final Gear e pelo boom do YouTube, Top Gear se tornou um fenômeno global. Aqui a história se encontra com o terceiro parágrafo deste post. Com os vídeos publicados naquela nova e promissora plataforma de vídeos online, o programa ganhou projeção mundial e cativou uma audiência jamais vista em um programa sobre carros. A nona temporada — a primeira pós-YouTube — teve uma média de 7,45 milhões de espectadores.

Não poderia ser diferente: logo no segundo episódio eles colocaram James May ao volante do Bugatti Veyron na reta de Ehra-Lessien para descobrir a velocidade máxima do carro. Depois o trio foi aos EUA logo após o furacão Katrina para uma road trip épica a bordo de uma Dodge Ram, de um Cadillac Brougham e de um Camaro Z28 — todos caindo aos pedaços, claro. Na segunda metade da temporada eles ainda fizeram um desafio de tratores, no qual produziram biodiesel, e no episódio final vimos o desafio das limousines baseadas em carros comuns.

Como se não bastasse, eles ainda aprontaram o Especial Polar, uma expedição organizada em parceria com a Toyota para levá-los de carro ao Polo Norte magnético. A expedição foi apresentada em forma de corrida, com Clarkson e May a bordo de uma Toyota Hilux modificada para encarar o oceano de neve e gelo, e Hammond percorrendo o roteiro em um trenó puxado por cachorros. Apesar de terem declarado a chegada ao Polo Norte magnético, eles encerraram a expedição a cerca de 500 km do ponto exato devido às condições severas do roteiro.

A partir desta temporada, Top Gear passou a ousar cada vez mais em seus desafios e viagens, a surpreender os espectadores a cada temporada e a envolver mesmo os não-entusiastas na cultura automobilística. A audiência se manteve na casa dos 6 milhões de espectadores por episódio — somente no Reino Unido — e Top Gear se tornou o programa de TV realista mais popular do planeta, sendo exibido em 214 países e/ou territórios em todo o mundo, atingindo cerca de 350 milhões de pessoas.

Além disso, o programa se tornou a atração mais lucrativa da história da BBC, com receita de mais de 150 milhões de libras esterlinas somente com o licenciamento da marca. Estamos falando de quase R$ 800 milhões — o que explica a capacidade de execução de todas aquelas ideias insanas para desafios e corridas.

Mas aí começaram as polêmicas causadas irreverência dos apresentadores. Pessoas, instituições e até países se sentiram ofendidos por declarações ditas durante os programas — a maioria vinda de Clarkson. Para piorar a situação do apresentador, naquele ano ele ainda perdeu a mãe, achou que tinha um câncer e se divorciou da mãe de seus filhos. Estressado, acabou agredindo gratuitamente um colega de trabalho, o produtor Oisin Tymon, e acabou justamente demitido da BBC.

 

A Grande Viagem

Com a demissão de Clarkson, James May, Andy Wilman e Richard Hammond terminaram os episódios restantes da 22ª temporada e pediram demissão da BBC. Juntos, eles criaram um novo programa e o venderam ao Prime Video, o serviço de streaming de séries e filmes da Amazon.

Apesar da equipe entrosada, The Grand Tour precisou de tempo para embalar e acertar a fórmula — algo que só aconteceu nesta terceira temporada, encerrada na última quinta-feira. As principais atrações continuaram sendo as viagens e desafios, sempre intercaladas por sequências em estúdio que remetiam ao  Top Gear. O novo programa jamais foi ruim ou entediante, mas já estava claro que seu fim se aproximava.

Então na quinta-feira, o trio fez um anúncio emocionado para o público, dizendo que o formato havia chegado ao fim e que a próxima temporada de The Grand Tour será “diferente” — provavelmente composta apenas por especiais de viagem e desafios, sem avaliações, convidados, sequências de estúdio e público na tenda. A julgar pelo anúncio emocionado, tudo indica que eles terão mais uma temporada e depois vão curtir uma merecida aposentadoria.

 

O fim de uma era

O fim de The Grand Tour (ou do trio Clarkson, Hammond e May) — seja ele na próxima temporada ou daqui a dois anos —, ainda mais nestes tempos incertos para os automóveis, representa o fim de uma era. Não apenas porque uma nova temporada do trio era uma certeza que, aos poucos deixa de existir, mas também porque ao longo de 17 anos Top Gear e Grand Tour criaram um novo padrão de entretenimento com carros e sobre carros.

Embora tenham surgido na virada para a “web 2.0”, quando o mundo começou a consumir conteúdo nas redes sociais, boa parte deste conteúdo era composto por quadros do Top Gear publicados “extra-oficialmente” no YouTube.

E é fácil entender porque eles se tornaram ícones: com irreverência, um pouco de filosofia, e  uma legítima paixão por carros, eles conseguiram cativar aqueles que já se interessavam por carros e motores, ao mesmo tempo em que eram divertidos para quem só queria passar o tempo assistindo à TV. Pela primeira vez foi possível assistir a um programa de carros com sua mãe, sua namorada, seu pai que só curte futebol.

E foi com essa versatilidade e carisma que Clarkson, Hammond e May influenciaram toda uma geração de entusiastas. Se a função dos meios de comunicação é transmitir cultura, eles cumpriram essa missão com um sucesso que talvez nem eles pudessem imaginar quando tudo começou — o que ficou evidente no anúncio emotivo que foi ao ar na semana passada. Foi como se dissessem: “Fizemos a nossa parte. Agora é com vocês”.

Fiquem tranquilos, caras. Estaremos prontos para o nosso stint quando vocês encostarem nos boxes.

ESTE Gol GTS 1.8
PODE SER SEU!

Clique aqui e veja como