A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture

Cutaways: desvendando os segredos mecânicos dos clássicos das ruas e pistas

Quando criança eu não tinha muitos carrinhos. Não que meus pais não pudessem comprá-los para mim; o problema é que eu desmontava os brinquedos para descobrir como ele eram por dentro e, é claro, que eu não conseguia montá-los de novo. Já adulto aprendi a desmontar muitas partes do meu carro de verdade, mas algumas eu não arrisco mexer. O que não significa que eu não sabia como elas são por dentro. Afinal, sempre podemos recorrer à arte quase extinta dos cutaways, ou "vista em corte". São aqueles desenhos bacanas que revelam as entranhas de máquinas, construções e objetos que você não pode simplesmente cortar ao meio como uma maçã. O nome cutaway (que expressa o sentido de acesso por corte) vem da técnica de simular o corte de um pedaço do objeto na ilustração. Os cutaways surgiram no início do século XV, durante o período renascentista, mas se popularizaram pelo livro "De Re Metallica", um tratado sobre mineração e metalurgia escrito e ilustrado em 1556 por Georgius Ag

Matérias relacionadas

Passage du Gois, a estrada que é engolida pelo mar todos os dias

Dalmo Hernandes

Cimarron: quando a GM tentou transformar o Monza em um Cadillac… e não conseguiu

Dalmo Hernandes

Como é feita a numeração das rodovias federais do Brasil – e o que os números significam?

Leonardo Contesini