FlatOut!
Image default
Car Culture

É realmente possível fazer um wheelie ao arrancar na rua?


Detesto ser o desmancha-prazeres, o frente-fria, o chato que acaba com a graça das coisas, mas já chegou a hora de vocês saberem que algumas das mais famosas cenas de perseguição e corrida dos cinemas usam truques de edição e artimanhas de dublês para parecerem fazer o impossível. Decepcionado? Desculpe… mas eu tinha que contar.

Uma das cenas mais famosas da história do cinema, a corrida final de “Velozes e Furiosos” é um exemplo disso. Quando o semáforo abre e a dupla de anti-heróis acelera seus carros, o Dodge Charger de Dom Toretto se torna o primeiro carro da história a fazer um burnout e um wheelie ao mesmo tempo. Se você tem a mínima noção de física ou conhece um pouco o funcionamento de um automóvel, sabe que isso é impossível, pois o burnout acontece quando há o destracionamento da roda, e o wheelie (ou empinamento) acontece quando há tanta aderência que o torque da roda levanta a dianteira do carro por alavancagem.

Logo, se há burnout, não há torque aplicado à dianteira por alavancagem. Se há empinamento, não pode haver destracionamento. Além disso, o Charger de Toretto roda uns bons metros destracionando e com a dianteira para o alto, o que é outra inverossimilhança da cena. Afinal, estamos falando de um Charger com motor big block, supercharger e rodas Torq Thrust de 15 polegadas — tudo isso ao redor do eixo dianteiro, o que faz com que a distribuição de massa do Charger seja maior na dianteira. E isso inviabiliza um wheelie tão longo.

Os segredos do Dodge Charger de Dom Toretto no primeiro “Velozes e Furiosos”

E se você ainda quiser acreditar (eu sei como é o coração de fã…), os dois estavam em uma rua qualquer de Los Angeles, sobre asfalto comum, possivelmente com poeira e pedriscos. Onde um Dodge Charger com um big block e um blower daquele tamanho encontra aderência suficiente para um wheelie em um lugar daquele?

Aliás, você já viu um carro fazer um wheelie na rua? Na pista de arrancada é relativamente simples: você só precisa de VHT, pneus de arrancada com uma enorme área de contato e capazes de acumular uma enormidade de energia potencial elástica. E claro, muito torque.

É por isso, prezados leitores, que a cena final de “Velozes e Furiosos” usou assistência mecânica e efeitos visuais para fazer com que o Dodge Charger fizesse o impossível. O carro tinha uma wheelie bar hidráulica, que empinou a dianteira e o manteve empinado, enquanto a fumaça do “burnout” foi adicionada digitalmente. Pois é. Tudo fake, acredita?

É evidente que estou sendo irônico aqui. Mas há um elemento nessa história toda que é, no mínimo, plausível: um wheelie em vias públicas. Quer uma prova? Veja este vídeo:

Sim, é uma corrida ilegal em uma via expressa. Mas não pense na parte da moralidade e sim na questão técnica. Você notou algo nessa via expressa? Reparou que há uma mancha preta onde o Corvette estava?

Pois este é o segredo — e não se trata de uma camada insana de VHT como nas drag strips. VHT, caso você não conheça, é uma resina sintética usada para aumentar a aderência dos pneus nas pistas de arrancada e também como selante para as superfícies de corrida por ser repelente de água.

Esta mancha é formada por um pouco de VHT misturado a metanol para secagem mais rápida — e rapidez é algo crucial para quem está fazendo algo ilegal nas ruas —, posteriormente inflamado para se espalhar de forma rápida e homogênea.

Mas isso é só parte da história – a parte mais óbvia. A outra, ainda mais evidente, é o carro: você precisa de pneus largos de arrancada, para aumentar a área de contato com a superfície. E é justamente a superfície em que a corrida está acontecendo que faz toda a diferença: uma pista de concreto.

Isso, porque o wheelie depende mais da superfície do que do carro em si, considerando que estamos falando de carros feitos para arrancada. Toda arrancada — seja de uma bicicleta ou de um Boeing 747 — ocasiona transferência de carga para a traseira devido à inércia. Isso, por si, faz a dianteira de um carro ficar mais leve durante uma arrancada ou sob aceleração. Você só precisa de força suficiente para tirar a dianteira do chão.

Para entender o efeito, basta segurar uma caneta por uma ponta e balançar a outra ponta, mais distante, movendo os dedos. Seus dedos são o torque da roda, o corpo da caneta é o chassi do carro. Se as rodas traseiras do carro fossem rígidas e fixas no chão e não houvesse suspensão, qualquer aplicação de torque nas rodas poderia levantar minimamente a dianteira. Como elas não são, parte deste torque é usado para comprimir a suspensão, dobrar os pneus e o que sobrar move a roda. Se ela estiver livre, ela irá girar e carregar consigo o que estiver preso a ela — nesse caso, o carro.

A dica já está no parágrafo acima: se a roda fosse fixa no solo, qualquer aplicação de torque poderia levantar a dianteira. Se elas fossem fixas. Logo, para fazer um wheelie você precisa… aumentar ao máximo a aderência entre os pneus e o piso — ou seja: torná-la o mais próximo de algo fixo.

O segredo de se fazer um wheelie, portanto, (além do carro, claro), está no tipo de superfície em que o carro irá arrancar. Quanto mais áspera, maior será a aderência entre a roda e o piso. Isso faz com que o asfalto pareça uma superfície ideal para a tarefa, mas há um detalhe no asfalto que o torna inadequado para isso: ele usa como base derivados de petróleo, que podem amolecer sob calor extremo — o que acontece quando se faz burnouts consecutivos. Nesse caso, o asfalto amolecido começa a desprender os agregados e começa a se esfarelar. Além disso, sua aspereza é resultante das pontas dos agregados e pedriscos usados em sua composição. Pense nele como um tapete com grãos de areia: a estrutura é firme, a areia está presa à trama do tapete e a superfície é áspera, mas a área de contato é reduzida devido à irregularidade da trama e as partículas que podem se desprender afetam a aderência. O pneu com VHT sobre o asfalto é uma tira de fita adesiva colada sobre esse tapete sujo. Vai colar?

Já o concreto, apesar de ter esses agregados, é feito com pó de cimento, que tem um processo de endurecimento por reação química e não apenas por temperatura como os derivados do petróleo. Por isso, ele é aplicado na forma líquida e tem sua superfície trabalhada de acordo com a finalidade, mas ao secar, se torna mais estável. Para aplicação rodoviária, ele é texturizado para otimizar o atrito com os pneus, que é o fundamento da aderência mecânica. Além disso, por ser menos poroso e menos permeável que o asfalto, ele retêm mais borracha, o que ajuda na aderência.

É por isso que as corridas ilegais são, normalmente, praticadas em trechos de concreto. Como a superfície já é adequada, basta aplicar a mistura de VHT diluída por etanol para se ter uma simulação de drag strip nas ruas. Os corredores fazem burnouts para aquecer os pneus e a superfície preparada. O burnout é feito sobre uma pequena poça da mistura de VHT e etanol, aplicada no momento em que o carro alinha para a corrida.

Outros elementos necessários para se levantar a dianteira em uma arrancada de rua é a calibragem dos pneus traseiros com baixa pressão — o pessoal da Hot Rod Magazine recomenda usar 14 psi — e redução da carga dos amortecedores para que haja menor resistência à compressão da suspensão e, consequentemente, a energia da transferência de carga seja usada para alavancar a dianteira.

Com isso, a Agência FlatOut de Verificação de Fatos e Mitos responde: o wheelie de Toretto é plausível? Sim, porém não como aconteceu. Especialmente por que o Supra já estaria longe enquanto o Charger perde tempo fazendo fumaça e empinando o nariz. Ele não é um carro de 10 segundos?

 


Esta matéria é uma amostra do nosso conteúdo exclusivo, que foi publicada aberta como um presente, para você provar um pouco do que produzimos diariamente para os nossos assinantes e FlatOuters.

Se você gostou da leitura, escolha seu plano e torne-se um assinante! Além das matérias exclusivas, você também tem acesso ao grupo secreto (plano FlatOuter), descontos com empresas parceiras para detailing, compras de peças e acessórios, acesso exclusivo aos eventos para FlatOuters, além de vantagens nos sorteios do GoodGuys.

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: 30% OFF na loja durante a 2ª temporada do Goodguys, acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, participação no nosso grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!). Exponha ou anuncie até sete carros no GT40 e ainda ganhe descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$ 26,90 / mês

ou

Ganhe R$ 53,80 de
desconto no plano anual
(pague só 10 dos 12 meses)

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura básico. 15% OFF na loja durante a 2ª temporada do Goodguys, acesse todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de poder expor ou anunciar até três carros no GT402.

R$ 14,90 / mês

ou

Ganhe R$ 29,80 de
desconto no plano anual
(pague só 10 dos 12 meses)

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

ESTE Gol GTS 1.8
PODE SER SEU!

Clique aqui e veja como