A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Zero a 300

Elefantré, Enduro, Dakar e SXT: a história das motos Agrale

Dizem que os momentos de crise são as maiores fontes de oportunidade para empreender e até revolucionar. Pense em quantos produtos revolucionários surgiram no cenário pós-apocalíptico da Europa ao final da Segunda Guerra mundial ou em tempos difíceis.

Foi mais ou menos o que aconteceu no período em que as importações foram proibidas no Brasil. Bem, não era exatamente uma crise, e o cenário não era dos mais realistas — afinal, a proibição era artificial, instituída por uma canetada — mas foi o que resultou em uma das linhas de motos mais admiradas pelos motociclistas brasileiros: as Agrale SXT, Enduro, Dakar e Elefantré.

A história da Agrale começou em Sapucaia do Sul/RS, duas décadas antes do surgimento de suas primeiras motos. Foi em 14 de dezembro de 1962 que a marca, então batizada como Agrisa, começou a montar sob licença os tratores e cultivadores da marca alemã Bungartz. Apesar de ter iniciado suas atividades nos primeiros anos da industrialização automotiva nacional, a Agrisa não conseguiu se estabelecer no mercado, entrou em processo de falência e acabou comprada por um industriário chamado Francisco Stédile, que a transferiu para Caxias do Sul/RS e mudou o nome para Agrale Tratores e Motores SA. Já nesta nova fase, a Agrale desenvolveu um trator compacto com motor monocilíndrico e depois mais dois modelos com motores diesel de dois cilindros e, mais tarde, fez seu primeiro caminhão, o TX 1100.

tx1100-agrale1_620x467

As motos deram as caras em 1983, quando as opções se limitavam aos modelos da Honda e da Yamaha, uma vez que eram as únicas fabricantes instaladas por aqui e as importações estavam proibidas. Para entrar nesse mercado, em vez de desenvolver uma moto do zero e torcer para dar certo — como praticamente todas as fabricantes nacionais da época, que não chegavam a 3% das vendas —, a Agrale procurou uma parceira que licenciasse seus projetos para produção local.

Eles encontraram esta parceria na recém-fundada Cagiva. Na época a fabricante italiana tinha apenas cinco anos de mercado, mas já produzia mais de 40.000 motos por ano e fornecia motores V-twin para a Ducati. Melhor ainda: os projetos licenciados pela Agrale eram novos em folha, e tinham sido lançados naquele mesmo 1983 pela Cagiva na Europa. Não tinha como dar errado.

 

13151485_878355182275799_4386239250806836090_n

Assim em 1984 a Agrale lançou suas duas primeiras motos: a SXT 16.5 e a Elefant 16.5, baseadas nos modelos Aletta Rossa e na Elefant da Cagiva, respectivamente. As motos eram de uso misto, dividiam o mesmo motor dois-tempos de 125 cm³ com arrefecimento líquido, e diferenciavam-se apenas por detalhes como o tanque de combustível, que tinha 11 litros na SXT e 16,1 litros na Elefant. Os números nos nomes significavam a potência das motos: 16,5 cv.

775730029676178

Suas concorrentes eram a Honda XLX 250R e a Yamaha DT 180 — a primeira com 25 cv, porém um projeto mais antiquado e a segunda com 16,6 cv, produzidos por um dois-tempos de 176,4 cm³ arrefecido a ar. Com um motor mais moderno, freio a disco dianteiro e suspensão moderna, ela até acompanhava a dupla já estabelecida em termos de desempenho, mas ainda faltava confiabilidade mecânica para brigar em igualdade com as japonesas e o torque baixo do motor 125 não convenceu muitos compradores.

A solução foi aumentar a cilindrada para 190 cm³ na linha 1985, o que deu origem à SXT 27.5, à Elefant 27.5 e ao novo modelo Dakar 30.0. Com o novo motor, elas se tornaram as motos de uso misto mais potentes do mercado e, com o torque aumentado de 1,7 mkgf para 2,6 mkgf, as novas Agrale acabaram muito mais ágeis que suas antecessoras. Para convencer o público na hora de assinar o cheque, a Agrale ainda passou a oferecer suspensão com curso maior, pedais retráteis, apoios de pés com garras para melhor firmação e até um indicador digital de marchas no painel.

Agrale Sxt 27.5 30.0 (2)

As vendas melhoraram, elas ganharam mais espaço e fizeram a concorrência se mexer para conter o crescimento da Agrale. Em 1987 a Honda lançou a XLX 350R, que passou a contar com os mesmos 30 cv, porém era mais confiável. Para resolver seu antigo problema de confiabilidade a Agrale revisou os pistões e bielas, o radiador, a vedação da bomba d’água, a válvula termostática e o filtro de ar do motor 190. Junto com as novidades, veio um novo modelo feito especialmente para as trilhas: a SXT 27.5 Explorer.

275e-91-1g

Tudo o que não era necessário nas competições de motocross era removido: farol, chave de ignição, coberturas de corrente/pinhão, bomba de óleo dois-tempos, apoios para os pés dos passageiros, conta-giros, termômetro da água do motor e piscas. Por outro lado, ela ganhava pneus com cravos da Pirelli (Garacross), skidplate, transmissão mais curta e rodas, saída de escape e guidão de alumínio. Ainda no primeiro ano a Agrale precisou mudar o nome da moto, pois Explorer é uma marca da Yamaha usada em sua divisão náutica, e ela acabou rebatizada como SXT 27.5 E.

Agrale Sxt 27.5 30.0

Com o novo modelo e as mudanças mecânicas, a Agrale finalmente conquistou uma boa fatia do mercado, vendendo cerca de 7.000 unidades da SXT 27.5 E, mais 7.000 da Dakar 30.0 e outros 7.000 da Elefant 27.5. A SXT 27.5 convencional era a líder de vendas da marca, com o dobro das vendas. A produção cresceu tanto que a Agrale se sentiu segura para embarcar no programa de benefícios fiscais do governo federal e construir uma nova fábrica na Zona Franca de Manaus.

Como dizem por aí, uma coisa é chegar ao topo. Manter-se lá é algo completamente diferente. E ainda que o topo da Agrale tenha sido apenas uma larga fatia do mercado brasileiro de motos, ela logo tratou de se mexer para manter a posição conquistada. Em 1989 veio a primeira moto produzida na nova fábrica de Manaus/AM: a Elefantre.

elefantre-300-2g

Não, não é um erro de digitação de Elefante. O nome mistura as palavras Elefant e tre (“três” em italiano), pois esta era a terceira evolução da Elefant. O motor era o mesmo 190 de 30 cv da Dakar, porém agora com partida elétrica opcional. O visual, contudo, era completamente renovado com um novo banco que envolvia o tanque para proporcionar mais conforto, o freio dianteiro foi aperfeiçoado para lidar melhor com o uso contínuo e a suspensão dianteira passou a usar o eixo à frente do garfo. A Elefantre também ganhava uma alma de alumínio no para-lama dianteiro e um novo quadro de instrumentos fornecido pela italiana CEV. Por sua qualidade de construção e de rodagem, além da confiabilidade mecânica a Elefantre 30.0 é considerada pelos fãs a melhor moto da Agrale. Tanto que foi produzida sem grandes modificações até 1997.

sst-135-1g

Com a nova fábrica a Agrale também pôde expandir sua linha na ponta inferior. Naquele mesmo 1989 foi lançada a SST 13.5, equipada com um motor 125 arrefecido a ar, mais simples e barato. O corte de custos também removeu o conta-giros, o retrovisor direito e o freio a disco dianteiro. A suspensão traseira passou a usar mola dupla no braço oscilante.

Agrale 13.5

Apesar de ter uma linha bastante completa e abrangente — e, acima de tudo, competitiva — o mesmo governo que beneficiou a Agrale de um lado, criou uma situação complicada em outro: durante o caos econômico do fim dos anos 1980, alguns preços eram controlados pelo Conselho Interministerial de Preços (CIP). Entre os bens e insumos controlados pelo CIP, estavam as motos com motor de até 150 cm³, e os índices usados pelo governo estavam defasados, o que fez as SXT 16.5 e a Elefant 16.5 (ambas com motor 125 cm³) ficarem com um preço mais baixo que o da SST 13.5, que já era uma moto de custo inferior adequada à realidade dos preços controlados.

P1010244

Foto: FBMMotos.blogspot.com

Diante disso, a Agrale se viu forçada a tirar de linha as duas motos de 16,5 cv e substituí-las por um novo modelo em outubro de 1989, a Elefantre 16.5. Era exatamente a mesma moto que a Elefantre 30.0, porém com o motor 125 no lugar do 190, sem partida elétrica, e com uma pintura própria, para diferenciá-la da irmã maior e mais cara. Como o visual era parecido, mesmo com metade da potência a Elefantre 16.5 se tornou o modelo mais vendido da Agrale.

As próximas novidades só viriam em 1992. A Elefantre 16.5 ganhou partida elétrica e um banco mais baixo, enquanto sua irmã mais potente, a 30.0, trocou a roda traseira de 18 polegadas por outra de 17 polegadas, trava do guidão integrada à ignição e amortecedor traseiro com reservatório externo. O nome das duas também mudou, ganhando um acento no último “e” para deixar claro que seu nome não era Elefante escrito errado — passando a se chamar Elefantré.

1994-1996-SXT-27.5-EX

A outra novidade foi um novo modelo de trilha, que se juntou à 27.5 E. Batizada simplesmente de 27.5 EX Enduro ela se destacava pela combinação moderna, que hoje é a cara de 1992, e tinha amortecedor pressurizado e freio a disco na traseira, reservatório de expansão da água do radiador e lubrificação da articulação da suspensão traseira.

Logo no ano seguinte o plano de incentivos do governo no qual a Agrale entrou em 1988 permitiu montar motos sem imposto de importação. Diante disso, além das motos nacionais a Agrale passou a montar modelos da Cagiva (Super City 125 E750 e W16) e da Husqvarna (WRE 125, WR 250 e WR 360), bem como os ciclomotores de 50 cm³ da Garelli e seu próprio modelo, o Tchau. Nesse mesmo 1993 a Dakar saía de linha.

Fotos: FBMMotos.blogspot.com

As demais motos foram produzidas até 1997. Com os modelos importados ganhando cada vez mais espaço e novas fábricas se instalando no Brasil, a Agrale buscou atuar em um segmento inferior, formando uma nova parceria com a chinesa Hartford para montar no Brasil a pequena Legion 125, que basicamente era uma Suzuki Intruder simplificada pelos chineses com um motor Honda fabricado sob licença, além dos scooters City, Tchau, Dakar e Force. Nenhuma delas deu certo, a parceria foi encerrada e a Agrale desativou sua fábrica de motos.

Matérias relacionadas

Esta é a Ferrari 330 GT Series I do próprio Enzo Ferrari – e ela está à venda

Dalmo Hernandes

Este Escort Mk1 é a prova de que qualquer carro fica melhor com um V8 “Hayabusa”

Dalmo Hernandes

Golpe do boleto falso de IPVA em SP, Nissan Kicks será produzido no Brasil, estepe temporário poderá ser proibido, as primeiras fotos do novo Mercedes Classe E e mais!

Leonardo Contesini