A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Achados meio perdidos

Este Fiat Uno S 1.3 com placa preta está à venda

Nossa imagem de carro antigo geralmente envolve carros com linhas clássicas, frisos cromados e para-choques de metal. Mas o carro antigo já tem outra cara – o Fiat Uno, por exemplo, que até 2013 ainda era fabricado, já pode receber a placa preta há alguns anos. E é um Fiat Uno com placa preta nosso Achado meio Perdido de hoje.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, download de materiais exclusivos, participação em sorteios e no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), além de veiculação de até 7 carros no FlatOuters e até 3 anúncios no site GT40, bem como descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$20,00 / mês

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura na medida para quem quer acessar livremente todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de veiculação de até 3 carros no FlatOuters e um anúncio no site GT402.

De R$14,90

por R$9,90 / mês

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

O Fiat Uno foi lançado no Brasil em 1984, um ano depois de sua estreia na Europa. E ele foi muito mais longevo por aqui – sua fabricação na Itália perdurou até 1995 e, depois disto, a versão fabricada em Betim (MG) chegou a ser exportada para lá durante mais alguns anos.

Mesmo que nosso Uno fosse diferente do italiano, com suspensão traseira independente por feixes de molas semi-elípticas em vez do eixo de torção (uma herança do Fiat 147), ele ainda preservava as qualidades que faziam do Uno um excelente carro pequeno – espaço interno adequado, baixo peso e economia de combustível. E ele também era uma boa base para um esportivo – que o digam os fãs dos Uno R e do Uno Turbo.

Era como popular, porém, que o Uno brilhava. Na ocasião do lançamento, seu design e suas características técnicas faziam dele o carro compacto mais moderno à venda no Brasil. Com o passar dos anos, a modernidade deu lugar ao excelente custo-benefício e a uma reputação de pau-para-toda-obra que manteve a popularidade do Uno em alta até o fim de seus dias.

O exemplar anunciado no GT40, pertencente a Ricardo, de São Paulo (SP), é um exemplar da primeira fase, com a desejada frente alta, fabricado em 1988. É um Uno S, versão básica do Uno antes do lançamento do Mille, que só chegou em 1990.

O Uno S estava disponível tanto com o motor Fiasa 1.0 (1.048 cm³, na verdade) de 52 cv quanto com o 1.3 (1.297 cm³) de 58 cv ou 60 cv, dependendo do combustível – gasolina ou álcool, respectivamente. O câmbio era manual de cinco marchas, e o conjunto não fazia milagres: o zero a 100 km/h era cumprido na casa dos 16 segundos, enquanto a velocidade máxima não passava dos 150 km/h. Para um hatchback compacto de entrada, porém, era mais que suficiente, e o bastante para percursos rodoviários em velocidade de cruzeiro, sem excessos.

O Uno de Ricardo é movido a gasolina e, de acordo com ele, tem cerca de 106.000 km registrados no hodômetro – um número razoável considerando a idade do carro. Atualmente, o Uno só é utilizado para frequentar encontros de carros antigos e também para passear aos fins de semana – seus dias de uso intenso já estão em um passado mais distante. Isto posto, Ricardo faz questão de mantê-lo sempre com a manutenção em dia, e sempre enche o tanque com gasolina de boa qualidade.

Por fora e por dentro, o Fiat promove uma agradável viagem ao passado. A pintura original Bege Coríntio está em ótimas condições, tal como faróis, lanternas, emblemas, borrachões e até mesmo as calotinhas das rodas de aço estampado, item raro de se encontrar hoje em dia. O interior está no mesmo nível, com os revestimentos originais com ótimo aspecto e todos os itens de acabamento em seus devidos lugares. O carro possui toca-fitas Alpine de época, funcionando perfeitamente, e equipamentos opcionais raros na versão S – limpador traseiro e desembaçador, além de porta-objetos nas portas. A única concessão à modernidade, aliás, fica oculta sob eles: um par de alto-falantes JBL novos, instalados no local original.

O carro acompanha o certificado de originalidade foi emitido pelo Automóvel Clube do Brasil ainda em setembro 2018, ano em que seu Uno completou 30 anos de fabricação. Considerando tudo isto e a atual situação dos colecionáveis brasileiros, o preço pedido não está ruim – ao contrário: nos parece uma boa chance de adquirir um colecionável a um valor acessível.

Se você ficou interessado, pode clicar aqui para acessar o anúncio e pegar os contatos do proprietário.


“Achados Meio Perdidos” é o quadro do FlatOut! no qual selecionamos e comentamos anúncios do GT40.com.br de carros interessantes ao público gearhead, como veículos antigos, preparados, exclusivos e excêntricos. Não se trata de publieditorial. Não nos responsabilizamos pelas informações publicadas nos anúncios nem pelas negociações decorrentes – todos os detalhes devem ser apurados atenciosamente com o anunciante!

Matérias relacionadas

Quer um hot hatch dos anos 90? Este Kadett GSi impecável e muito bem cuidado está à venda

Dalmo Hernandes

Fiat 124 Sport Spider à venda: um clássico italiano a céu aberto na sua garagem

Dalmo Hernandes

Este raro Volkswagen Santana GLSi duas-portas com câmbio automático está à venda

Dalmo Hernandes