A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Achados meio perdidos

Este raro Chevrolet Chevette S/R tem placa preta e está à venda

O mercado automotivo brasileiro sempre foi peculiar. Além do óbvio período em que as importações foram proibidas, de 1976 a 1990, sempre tivemos carros ligeiramente diferentes do resto do mundo, mesmo quando baseados em projetos gringos — incluindo os esportivos.

É o caso do Chevrolet Chevette que, apesar de ser basicamente um Opel Kadett C com outro nome, acabou evoluindo por conta própria aqui no Brasil, ganhando versões e visual que não foram vistos em nenhum outro lugar do mundo. O Chevette S/R, por exemplo, rara versão esportiva do hatchback — foram produzidas menos de 800 unidades que, mesmo com desempenho mais modesto do que o visual sugeria, acabou cativando os fãs do modelo e se tornando muito valorizado no mercado. E é por isso que este Chevette S/R 1981 é o nosso Achado meio Perdido de hoje.

gp2-02

O S/R foi a segunda versão esportiva que o Chevette recebeu em sua longa carreira, que durou exatos vinte anos — de 1973 a 1993. A primeira, o Chevette GP, veio já em 1975. Apesar do visual atraente, com cores vibrantes e faixas na lateral, o Chevette GP tinha o mesmo motor de 1,4 litro das demais versões, com 68 cv brutos. Em 1976 veio a versão GP II, que trazia modificações no motor — comando, distribuidor e carburador revistos — para economizar combustível. Tanto o GP quanto o GPII era “esportivos de adesivo”, como dizem hoje e, mesmo com muito carisma, não venderam muito bem e logo saíram de linha.

Em 1980, veio a chance de o Chevette se redimir: o Chevette S/R foi lançado, e trouxe consigo um novo motor de 1,6 litro. Com maior deslocamento e carburador de corpo duplo, o hatchback agora dispunha de 76 c. Não era um aumento muito expressivo, mas ao menos garantia mais agilidade e acelerações mais vigorosas.

A verdade é que o Chevette brasileiro nunca teve uma versão verdadeiramente esportiva — diferentemente do que aconteceu no Reino Unido, onde o Vauxhall Chevette teve uma atraente versão de homologação chamada HSR, com motor de 2,3 litros e 135 cv.

Isto, contudo, não impediu que o S/R se tornasse objeto de desejo dos aficionados que, para todo efeito, ainda viam no Chevette esportivo um hatch leve com tração traseira — e não tem como isso ser ruim. Só que não foi o bastante para que o Chevette S/R durasse, Foram fabricados, no total, pouco menos de 800 Chevette S/R entre novembro de 1980 e dezembro de 1971 — há quem fale em exatos 762 exemplares, 400 na cor prata com faixas degradê preta e 362 pretos com degradê prata.

chevette-sr (7)

Sendo assim, o carro que encontramos anunciado no Facebook é bastante raro de se encontrar à venda, ainda mais neste estado de conservação. O proprietário, com quem entramos em contato, é colecionador e diz ter comprado o carro há cerca de dois anos depois de muito garimpo — que valeu a pena, pois era um sonho de infância. Contudo, a necessidade de espaço para novos carros acabou levando à venda do Chevette.

O proprietário conta que o carro já estava em bom estado quando foi adquirido, com placa preta e todos os componentes originais — ainda que com alguns detalhes a acertar, como a forração dos bancos. Sendo assim, uma abrangente revisão foi realizada e o carro teve alguns componentes do motor trocados, elétrica e estofamento refeitos, além de receber novos amortecedores, molas e rodas de liga, todos originais.

chevette-sr (3)

O carro ficava em uma garagem, mas a parte traseira ficava no tempo, tomando sol e chuva, e por isso a pintura também foi refeita. Segundo o proprietário, o aspecto geral do carro é muito bom e digno da placa preta, mas o Chevette S/R ainda merece uma repintura e uma busca por possíveis pontos de corrosão. O dono acredita que com um investimento relativamente baixo é possível ter um carro digno de coleção e exposição.

 

chevette-sr (8)

E quanto o carro custa? R$ 22 mil, do jeito que está. Pode parecer muito para um “Chevette velho”, mas a coisa pode mudar de figura quando se leva em consideração a raridade da versão e o estado de conservação. Tratando-se de esportivos nacionais clássicos, está cada vez mais difícil encontrar carros muito mais baratos do que isso.

Curtiu? Se o link do Facebook não estiver acessível, você pode entrar em contato com o proprietário pelo telefone (21) 9 6443 3766 e falar com Marcos.

[ Facebook, sugestão de Henrique Rodriguez ]

 

Matérias relacionadas

Leilão de clássicos no Rio Grande do Sul arrecada mais de R$ 1 milhão, veja os destaques

Dalmo Hernandes

Este Chevrolet Omega CD 4.1 rodou só 56.000 km com seu único dono – que tal ser o próximo?

Dalmo Hernandes

Este Fiat Brava HGT 2.4 é um dos três únicos produzidos – e está a venda

Dalmo Hernandes