A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Games

Games que marcaram a infância: Super Monaco GP

Se para você Firenze e Madonna lembram mais carros-fantasia de Fórmula 1 que um município italiano ou uma cantora, então você é dos nossos: jogou bastante um dos games que mais marcaram a história dos consoles de 16 bits – o Super Monaco GP. Nada de 3D, polígonos, texturas mapeadas e afins: aqui, o negócio é roots – quem aí nunca soprou um cartucho com mal contato? Vamos lembrar como era este game?

O Super Monaco GP de Mega Drive (havia versões para Master System e Game Gear) foi lançado um ano após a versão de arcade, em 1990. Na época, não havia game de corrida doméstico que se comparasse à ele – o que talvez explique o capricho do encarte. Bem, ao menos na versão japonesa (imagem abaixo). A versão distribuída pela Tec Toy tinha os mesmos encartes genéricos de sempre.

monacogp2

O grande barato do Super Monaco GP, além da visão de dentro do cockpit (antes, o padrão dos games de corrida era uma visão externa, como no Enduro, de Atari) é a sua inspiração direta no mundo da Fórmula 1: a versão de Mega Drive tinha as 16 provas do campeonato de 1989, além de todas as equipes e pilotos. Sobre esta última parte, a falta de licença oficial acabou criando um desvio muito divertido, como veremos depois.

monacogp3

O game possui três modos: Super Monaco GP (inspirado no arcade), World Championship (falaremos dele na sequência) e Free Practice, modo no qual você pode treinar livremente nas pistas do campeonato. Em todos eles, você escolhe entre usar o câmbio automático, manual de quatro marchas ou manual de sete – as trocas são feitas no cursor do controle: para cima reduz, para baixo aumenta. Como se fosse um câmbio sequencial. Botão A freia, B acelera e C aciona o pit-stop (só no World Championship) – apenas possível no caso do carro estar danificado.

No Super Monaco GP, você disputa uma corrida de duas etapas numa pista fantasia, que mistura os traçados de Suzuka e de Mônaco. Após cada checkpoint, a posição mínima em que você tem de estar vai subindo – se estiver me uma posição inferior, você terá um tempo bem curto para tentar se encaixar. Senão, é Game Over. Veja a introdução do game e o modo Super Monaco GP no vídeo abaixo.

Aí também já podemos sacar a jogabilidade da bagaça. É tudo muito rudimentar, com realismo zero: você faz quase todas as curvas sem frear. Nas mais fechadas, não precisa nem usar o freio: jogue uma marca em cima da outra (as reduções são acompanhadas de um estranho barulho de tiro de canhão), arremesse o carro nas curvas e já era. A única gota de realismo é o fato de você precisar tangenciar, evitando ao máximo as derrapadas (com som de raio laser de filme trash dos anos 80) para não perder velocidade. Por outro lado, em chicanes e em trechos em “S” é só deixar o carro no meio da pista. O dedo de Deus faz o seu carro passar por tudo, sem perder velocidade nem se esborrachar fora da pista.

Se você se classificar na primeira corrida, ganha o direito de disputar a segunda, com pista molhada. E se ganhar, como o peão do vídeo acima fez aos 7:09, é premiado com uma série de animações – incluindo um Nelson Piquet genérico erguendo o troféu. Mas o bicho mesmo é o modo World Championship.

 

Campeonato mundial: a coisa fica séria

Exclusivo das versões domésticas, o World Championship é o grande barato do Super Monaco GP. A meta é você ser bicampeão mundial. As provas são disputadas nos 16 circuitos que compuseram o campeonato de 1989 da Fórmula 1. Você começa em uma equipe mediana, inspirada na Minardi, que já permite bons resultados – mas vencer, pouco provável.

monacogp4

Como você melhora de equipe? Desafiando os rivais. Antes de todas as corridas, você passeia por um menu no qual você escolhe o concorrente. Se ganhar dele em duas corridas seguidas, você é convidado pela equipe concorrente – interesseiros, não? Por outro lado, se perder duas vezes, você sofre um downgrade e vai parar num time abaixo do seu. Os nomes dos pilotos e das equipes são um barato – graças à falta de licença oficial. Saque só a tabela abaixo:

 

monacocars

Algum lunático acabou gravando todo o game no modo World Championship (vídeo abaixo), do começo ao desfecho com a conquista do bicampeonato. Caso queira assistir trechos picados, cada corrida dura entre quatro e seis minutos. É interessante para vermos como são feitas as escolhas dos rivais, os desenhos das pistas e, especialmente o que acontece após a conquista do primeiro campeonato (aos 1:23:00). Quando isso acontece, você é intimado a fazer parte da melhor equipe (Madonna) – mas, ao invés de escolher o seu rival, agora você vira alvo de um talento estreante.

É o cara do vídeo abaixo: G. Ceara, inspirado no Ayrton Senna. Muita gente passou por anos achando que era impossível de se vencer dele: você seria obrigado a perder a equipe Madonna, descer para a intermediária Bullets e remar tudo de novo para conquistar o bi. Mas, na real, há chances sim. Você precisa escolher o câmbio de quatro marchas (não me pergunte por que), usar muitas zebras e não errar de forma alguma. Por alguma razão inexplicável, depois que você ultrapassa Ceara, o desempenho do Senna genérico cai assombrosamente no mesmo instante. Graças a Deus – o mesmo que o faz passar por chicanes e por “esses” sem precisar esterçar.

Falando no brasileiro, Senna foi o tema da continuação do game, lançado somente para consoles e portáteis domésticos – nada de arcade. Mas isso é assunto pra outro dia.

Matérias relacionadas

Auto Modellista: o game de corrida que te colocava dentro de um anime

Dalmo Hernandes

Este cara transformou um Opel Astra no cockpit para Gran Turismo mais realista que já vimos

Dalmo Hernandes

Virtua Racing: o game de corrida que popularizou o 3D | FlatOut Retro Review

Dalmo Hernandes