A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
História

A história do McLaren Lamborghini feito para Ayrton Senna

Como você leu mais cedo no Zero a 300, a McLaren fez hoje seu primeiro teste com os novos motores Honda. A volta da fabricante japonesa como fornecedora de motores à equipe encerra um ciclo iniciado em 1995, quando a Mercedes-Benz passou a equipar os MP4 na Fórmula 1. Foi um período relativamente bem-sucedido: entre 1995 e 2014 a McLaren faturou três títulos de pilotos, um de construtores, 230 pódios e 76 vitórias. Mais importante de tudo, a McLaren conseguiu voltar a ser realmente competitiva. Isso por que após o fim da primeira parceria com a Honda, que durou de 1988 a 1992 e resultou em quatro títulos mundiais de pilotos e outros quatro de construtores, a McLaren não conseguiu mais um motor capaz de brigar pelo título — nem mesmo com Ayrton Senna ao volante. Para a temporada de 1993, a McLaren passou a usar motores Cosworth-Ford, mais especificamente o V8 HBD7 3.5, que tinha 35 cv a menos que os Ford fornecidos pela fábrica à Benetton. Para piorar, a Williams, campeã do ano anter

Matérias relacionadas

A evolução do Civic Type R: de leveza e agilidade à selvageria turbinada

Dalmo Hernandes

A história do Mini: como um rabisco em um guardanapo mudou para sempre os carros compactos

Dalmo Hernandes

Plymouth Road Runner: a história (e o fim) do primeiro muscle car “popular” da história – parte 2

Dalmo Hernandes