A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture História

Mercedes 560SEC AMG 6.0: o precursor da receita dos Black Series

Os cupês Black Series da AMG são os modelos mais radicais da Mercedes-Benz. Nos últimos 10 anos, além do SLS AMG Black Series, a marca também fez o CLK63 AMG Black Series, depois o SL65 AMG Black Series e mais recentemente o C63 AMG Black Series: todos com motores brutais e exclusivos da versão (V8 no CLK e C, e um V12 no SL65 — todos com mais de 500 cv), carroceria widebody, rodas e pneus taludos e toda a tecnologia que você precisa para fazer um supercarro. A receita, contudo, não é novidade: a AMG a desenvolveu há cerca de 30 anos, quando ainda não era uma divisão da Mercedes — e quando o mundo sequer sonhava em combinar "Mercedes" e "esportivo" na mesma frase. Naquela época, meados dos anos 1980, o cupê mais potente da marca era o 560SEC, um V8 de 16 válvulas, 5,5 litros e 300 cv. O único esportivo da linha era o 190E 2.3-16, com um modesto motor quatro-cilindros de 2,3 litros e 185 cv. Se você quisesse algo mais potente (e mais rápido), era preciso recorrer aos kits da AMG

Matérias relacionadas

Estes caras colocam um motor V8 de 532 cv no Mazda Miata (ou no Fiat 124 Spider) e a gente precisa dirigir um agora

Dalmo Hernandes

Lotus Etna: o primeiro supercarro britânico que nunca existiu

Dalmo Hernandes

Furious five: o ronco espetacular do Audi 90 IMSA GTO 1989

Dalmo Hernandes