A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Achados meio perdidos

Que tal um ter um Passat VR6 como seu novo project car?

O motor VR6 é um dos favoritos entre os fãs da Volkswagen por seu tamanho compacto e alto rendimento, e já esteve no cofre de vários modelos da VW. Um deles é o Passat que, em sua terceira geração, estreou o motor de seis cilindros. Encontramos um exemplar à venda no Brasil, e ele pode ser um ótimo negócio.

A terceira geração do Passat foi a primeira a ter uma plataforma independente, e não compartilhada com um modelo da Audi. Até então, o Volkswagen compartilhava componentes com o Audi 80 — o primeiro Passat é basicamente uma versão fastback do sedã da Audi. Sendo assim, o visual ficou bem diferente do que havia sido até então.

A dianteira sem grade, que ficava camuflada no parachoque, ecoava os modelos com motor refrigerado a ar, com uma carroceria onde predominavam linhas retas, com traseira alta no sedã e uma grande área envidraçada. Lançado em 1988 na Europa e 1989 nos EUA, o Passat de terceira geração oferecia uma vasta gama de opções de motor, desde um 1.6 de 72 cv até um 1.8 com compressor mecânico G60 e 160 cv.

passat-vr6 (3)

Mas foi em 1991 que uma grande estreia aconteceu: o Passat recebeu o então novo motor VR6 de 2.8 litros. Apesar de ser considerado um V6, sua concepção era diferente: graças à separação de apenas 15° entre, o VR6 era um motor bastante compacto e usava apenas um cabeçote para as duas bancadas de cilindros. Em sua primeira configuração, rendia 174 cv e era capaz de levar o carro de 0 a 100 km/h na casa dos sete segundos, com velocidade máxima de 224 km/h.

Embora fosse um carro competente, o Passat de terceira geração não agradou pelo visual. A solução encontrada pela Volkswagen para a quarta geração, lançada já em 1994, foi renovar o estilo, trocando quase todos os painéis da carroceria (com exceção do teto) e dando ao carro uma cara mais convencional, porém  mantendo a mesma plataforma e fazendo apenas pequenas mudanças estéticas no interior.

passat-vr6 (4)

O Passat começou a ser importado para o Brasil logo após o lançamento da quarta geração, mas alguns modelos da terceira geração, importados de forma independente, podem ser encontrados, e o carro das fotos é um deles. O Passat VR6 1993 preto está anunciado em Brasília e, segundo o dono, é um carro que precisa de bons cuidados depois de 20 anos de uso. Contudo, o motor está em ordem, revisado e funcionando perfeitamente.

São os detalhes que merecem atenção: acabamentos do painel, como a moldura do rádio e alguns botões, estão quebrados ou faltando, há pequenos defeitos na carroceria e — talvez o mais importante — a correia da direção hidráulica precisa ser substituída. Todos estes detalhes foram apontados pelo próprio anunciante.

No mais, o carro está aparentemente bem conservado, tem bancos de couro (que parece bom), trio elétrico e teto solar. Airbags só foram introduzidos na geração seguinte.

passat-vr6 (2)

E quanto pedem por ele? Razoáveis R$ 12.900. Como o próprio dono diz, é um carro que merece ser comprado por alguém que goste do modelo, e que tenha paciência, carinho, e tempo para fazer o que é preciso e preservá-lo como merece. Além disso, o motor VR6 tem bastante potencial — com o mesmo motor de 2.8 litros, o Golf VR6 de quarta geração tinha 200 cv. O Volkswagen CC usa uma versão de 3,6 litros do VR6, e entrega 300 cv.

Você acha que este carro é um bom negócio?

[ OLX, dica do Mario César Buzian via Traga o Guincho ]


 

“Achados Meio Perdidos” é o quadro do FlatOut! na qual selecionamos e comentamos anúncios de carros interessantes ao público gearhead, como veículos antigos, preparados, exclusivos e excêntricos. Não se trata de uma reportagem aprofundada e não nos responsabilizamos pelas informações publicadas nos anúncios – todos os detalhes devem ser apurados com o anunciante.

Matérias relacionadas

De Gran Turismo para sua garagem: este Toyota Celica 1990 está à venda no Brasil

Dalmo Hernandes

Esta bela Audi S2 Avant está precisando de uma nova garagem

Gustavo Henrique Ruffo

Está cada vez mais difícil encontrar um Fiat Tempra Turbo como este à venda

Dalmo Hernandes