A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Achados meio perdidos

Quer um carro de corrida? Este Fusca da clássica Divisão 3 está à venda

Com o tanto que se fala em como o automobilismo está morrendo, é inevitável não ficar nostálgico com os ditos anos de ouro das corridas no Brasil — para muita gente, os anos 1970, quando Maverick, Opala e Fusca corriam nas divisões 1 e 3. Agora, você sabia que é possível comprar (e correr!) com um bólido daquela época em 2014 — e que este Fusca, que encontramos à venda, é um deles?

Corre-se de carro no Brasil desde os anos 1950, mas foi em 1971 que o automobilismo nacional começou a ficar mais profissional — começando com a divisão em categorias. Durante a década de 1960, a norma era ter todos os tipos de carros na pista ao mesmo tempo — desse modo, era comum ver protótipos como o GT40 disputando espaço com monopostos, cupês como o Opala, e até Fusca e Gordini.

Os grids eram lotados, como a organização queria, mas estava claro que aquilo não era seguro. Sendo assim, a partir do início da década de 1970, foram fundadas categorias como a Divisão 1, para carros com modificações menos drásticas, pneus radiais e preparação mais leve; e a Divisão 3, que permitia grandes modificações na carroceria, preparação mais nervosa e pneus melhores, entre outras coisas.

Ambas tinham classes que separavam os carros pelo tamanho do motor e contavam com a presença do VW Fusca, do Opala e Maverick, mas a Divisão 1 era muito mais barata e, por isso, atraía mais pilotos. O que não significa, de forma alguma, que a Divisão 3 fosse menos interessante. Pelo contrário — só morreu mais cedo porque a Divisão 1 era mais popular entre as equipes.

DSC04642

Este carro que encontramos à venda é um dos que competiram na classe mais popular da Divisão 3, a Classe A, na qual competiam os Fuscas. Segundo o proprietário, Ricardo Trein, o carro competiu na década de 1970 em campeonatos estaduais, no Rio Grande do Sul, e nacionais. Sua última corrida foi em setembro de 1975 (o carro ainda traz, no para-brisa, o selo de aprovação na vistoria antes da corrida).

Digitalizar0002

Depois disso, o carro ficou parado por três décadas até que, em 2005, foi comprado por Ricardo, que iniciou a restauração ainda naquele ano. Quando ficou pronto — restauração completa, de carroceria, suspensão, elétrica e motor —, o carro foi guardado novamente e “quase não foi ligado”, segundo o proprietário.

DSC05013

O carro tem um motor VW refrigerado a ar de 1.600 cm³ que, alimentado por dois carburadores Weber 48 e taxa de compressão de 11:1, entrega 128 cv a 7.500 rpm queimando AvGas (e rodando 3 km/l). A transmissão usada é a chamada “caixa três”, uma das três desenvolvidas pela Puma especificamente para a categoria e dotada das duas primeiras marchas com relação mais longa, a fim de melhor aproveitar a curva de potência do boxer. Abaixo, a ficha técnica completa do carro:

Digitalizar0525

Tendo sido restaurado, o Fusca não tem reparos a serem realizados. Contudo, pelos anos que passou sem correr, uma revisão geral na elétrica, no motor, a troca dos fluidos e, provavelmente, a compra de um novo jogo de pneus, são boas ideias.

E quanto pedem por ele? Ricardo quer R$ 35 mil, o que nos parece um valor justo por um carro de corridas histórico que, ao que tudo indica, está praticamente pronto para voltar às pistas. Se você se interessou, pode entrar em contato e esclarecer quaisquer dúvidas com Ricardo pelo email [email protected] ou pelo telefone (51) 8434-0305.

 

Matérias relacionadas

Esta é uma rara VW Brasilia 1974 Violeta Pop – cheia de potencial e à venda!

Dalmo Hernandes

Este BMW 330i Motorsport E46 tem apenas 65.000 km rodados e está à venda

Dalmo Hernandes

V8 e câmbio manual: este Mustang GT 1995 está à venda no Brasil

Dalmo Hernandes