A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Achados meio perdidos Car Culture Projetos Gringos

Saleen vai a leilão: eis a sua chance de começar a fabricar supercarros

OK, talvez não seja tão simples assim, mas escuta só: a Saleen Automotive será leiloada na semana que vem. E não estamos falando apenas do nome da empresa e de suas ações, mas de tudo mesmo — carros, peças e propriedade intelectual. Claro que isto tudo certamente custará uma fortuna e, bem, vamos encarar a realidade: você não tem esta grana. Nem nós. Mesmo assim: vamos dar uma olhada no que a gente está perdendo?

Entre 2000 e 2006, menos de 100 unidades do Saleen S7 foram fabricadas. Equipado com um V8 Ford de sete litros e 557 cv, ele foi um dos poucos superesportivos com motor central-traseiro vindos dos EUA (o Dodge Viper e o Chevrolet Corvette Z06 mostram que os americanos preferem o motor na dianteira) — e foi muito elogiado pela imprensa, diga-se.

No entanto, a passagem dos anos não foi tão gentil com a Saleen quanto foi com os carros feitos por ela — que, além de fabricar o S7, também era especializada na preparação do Ford Mustang. Em meados da década de 2000, problemas financeiros forçaram Steve Saleen a abandonar a empresa em 2007 e abrir outra companhia, a SMS Supercars.

Enquanto isto, a Saleen declarava falência — acontecimento lamentável para uma empresa que já fez um dos carros mais velozes do mundo. A versão biturbo do Saleen S7 tinha pelo menos 750 cv e era capaz de chegar aos 100 km/h em 2,8 segundos, sendo supostamente capaz de atingir os 399 km/h. Isto sem falar no Competition Package, pacote opcional que elevava a potência para 1.000 cv e adicionava novos elementos aerodinâmicos de fibra de carbono. Apenas um exemplar do S7 Twin Turbo foi equipada com ele.

E fica ainda mais impressionante se considerarmos que Steve Saleen desenvolveu o motor do S7 com base em um small block — o 351 Windsor, de 5,7 litros, que recebeu novos cabeçotes e teve curso e diâmetro ampliados. Sem dúvida, Saleen sabe o que faz quando coloca as mãos em um motor.

Por outro lado, ele não era um homem de negócios muito bom. Ele até conseguiu voltar para a Saleen em 2012 e, no início de 2014, tinha cerca de US$ 1,5 milhão (por volta de R$ 5,7 milhões) no caixa. De acordo com o próprio, o dinheiro vinha de depósitos feitos por clientes que haviam encomendado exemplares do Ford Mustang e do Tesla Model S modificados pela Saleen.

PhilSteveBilly

O que aconteceu depois ainda não foi muito bem esclarecido, mas o fato é o seguinte: em novembro de 2014, a Saleen tinha em caixa apenas US$ 7.261 — pouco mais de R$ 27 mil. Não é possível tocar uma fabricante de supercarros com o equivalente ao preço de um popular seminovo, mas fica pior: ao mesmo tempo, a empresa tinha acumulado uma dívida de mais de US$ 5 milhões, ou por volta de R$ 19 milhões.

O que nos traz ao dia de hoje, quando descobrimos que a Saleen está à venda. Totalmente à venda — não apenas o nome ou suas ações, mas tudo o que a companhia tinha. Tudo mesmo — componentes, ferramental, carros, patrimônio financeiro e toda a propriedade intelectual associada aos produtos da Saleen.

saleen-a-venda (8)

O leilão acontecerá no próximo dia 18 de novembro, promovido pela agência GA Global Partners. Sabendo o que têm em mãos, eles fizeram questão de publicar centenas de fotos em seu site.

Além de seis exemplares inacabados do Saleen S7 (olha só quanta fibra de carbono!), o lote também inclui o protótipo do Saleen S5S, que seria o segundo modelo da companhia e foi apresentado em 2008, pouco antes de a Saleen (já sem Steve Saleen no comando) declarar falência.

 

saleen-a-venda (13)

O carro tinha a proposta de enfrentar modelos como o Lamborghini Gallardo e a Ferrari 458 Italia e, para isto, usava um V8 de cinco litros emprestado do Ford Mustang e equipado com um compressor mecânico, sendo capaz de entregar 660 cv e acelerar até os 100 km/h em 3,2 segundos. Infelizmente, porém, a companhia quebrou antes que isto pudesse acontecer.

Ao menos você pode jogar com ele em Forza Horizon…

Todo o estoque de componentes da Saleen vem no pacote, bem como o ferramental necessário para fabricar novas peças e os moldes para painéis da carroceria. No entanto, o mais interessante é que toda a propriedade intelectual e os direitos pelo uso da marca também estão inclusos — o que significa que, na prática, se o novo dono tiver colhões de retomar o negócio, nada poderá impedi-lo.

Outra possibilidade seria tornar-se um fornecedor de peças para quem for o proprietário de um Saleen S7 ou de um Mustang preparado pela companhia, por exemplo. Como? Vendendo o estoque restante e utilizando o ferramental e os blueprints (que, veja só, também estão inclusos) para fabricar peças novas.

Detalhe importante: a GA Global faz questão de deixar claro que o atual dono da Saleen não é Steve Saleen, e não tem nenhuma associação com quaisquer atividades da Saleen Automotive. Ou seja: o novo dono não deverá ter problemas com o passado recente e turbulento da companhia. O que você está esperando?

saleen-a-venda (37) saleen-a-venda (38) saleen-a-venda (39) saleen-a-venda (40) saleen-a-venda (41) saleen-a-venda (42) saleen-a-venda (43) saleen-a-venda (44) saleen-a-venda (45) saleen-a-venda (46)

 

 

 

Matérias relacionadas

A história do garoto que encontrou um “fantasma” de seu pai em um game de corrida virou um curta emocionante

Dalmo Hernandes

Quadros renascentistas recriados em uma oficina mecânica são nosso tipo de arte

Dalmo Hernandes

Project Cars #80: o vencedor da rifa e os ajustes para o Subaru Impreza voltar a rodar diariamente

Leonardo Contesini