A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
História Zero a 300

Seat Ibiza F2: a versão mais radical do hatchback que não existiu no Brasil – e em lugar nenhum

A primeira metade da década de 90 foi marcada por uma verdadeira inundação de carros importados nas ruas brasileiras. Não era para menos: nosso mercado foi fechado para automóveis estrangeiros por 14 anos, entre 1976 e 1990, e fabricantes do mundo todo decidiram apostar suas fichas no Brasil. E uma delas foi a Seat, que estreou por aqui em 1995 com a dupla Córdoba e Ibiza – sedã e hatchback, respectivamente, feitos sobre uma versão adaptada da plataforma do VW Polo de terceira geração.

A espanhola Seat foi fundada em 1950 e, em seus primeiros anos, produzia basicamente versões rebatizadas de carros da Fiat. Foi assim até 1982, quando a Seat encerrou o contrato colocou no mercado o hatchback Ronda – que, por sua vez, era derivado do Fiat Ritmo. Os dois modelos eram parecidíssimos, o que levou a Fiat a processar a Seat por quebra de propriedade intelectual. Embora tenha ganho a disputa, a Seat já estava preparando aquele que, de fato, seria seu primeiro modelo desenvolvido de forma independente: a primeira geração do Ibiza.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, download de materiais exclusivos, participação em sorteios e no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), além de veiculação de até 7 carros no FlatOuters e até 3 anúncios no site GT40, bem como descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$20,00 / mês

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura na medida para quem quer acessar livremente todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de veiculação de até 3 carros no FlatOuters e um anúncio no site GT402.

De R$14,90

por R$9,90 / mês

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

O carro lançado em 1984 foi criado com a consultoria da Porsche e da Karmann, além do desenho acertadíssimo de Giorgetto Giugiaro no estúdio Italdesign.

seat_ibiza_3 seat_ibiza_3-door_16 seat_ibiza_3-door_2

Proporções muito bem resolvidas, linhas limpas e agradáveis – marcas registradas de Giorgetto Giugiaro

 

Na época a proposta de Giugiaro para a segunda geração do Volkswagen Golf havia sido rejeitada pelos alemães e acabou sendo reaproveitada no Ibiza – o que nos permite dizer que, mesmo antes de ser adquirida pela VW, a Seat já tinha certa associação com a marca de Wolfsburg. Sim, porque a independência da Seat durou pouco: já em dezembro de 1986, 75% da empresa foi adquirida pela VW.

Foi assim que a segunda geração do Ibiza, lançada em 1993, passou a ser derivado do VW Polo Mk3, que estreou no ano seguinte. Alguns painéis da carroceria eram compartilhados e o painel era idêntico – como pudemos constatar no fim dos anos 90, vendo o Polo Classic ao lado do Seat Córdoba.

seat_ibiza_5-door_2 seat_ibiza_3-door_7

Ambos eram praticamente o mesmo carro, com diferenças apenas na grade, nas lanternas traseiras e na grafia dos instrumentos. O motor era, na maioria dos exemplares, o VW EA827, com 1,8 litro de deslocamento, cabeçote de oito válvulas, injeção eletrônica monoponto e 90 cv. Houve, porém, alguns carros vendidos com motor 1.0 16v de 71 cv e também com o motor 1.6 EA113 de 101 cv – que era utilizado pela rara versão perua, o Córdoba Vario.

Tanto o Ibiza quanto o Córdoba foram vendidos no Brasil até 2002, quando a Seat deixou o mercado brasileiro por conta das vendas baixas. Lá fora, porém, a companhia vai de vento em popa – e vende alguns dos compactos esportivos mais bacanas atualmente disponíveis na Europa, inclusive.

seat_ibiza_cupra_13

É uma pena que o Ibiza e sua família não tenham feito tanto sucesso no Brasil, pois eram carros bonitos (a própria Seat fazia questão de ressaltar a beleza de seus modelos nos comerciais veiculados por aqui), bem acabados e até divertidos de guiar – afinal, por baixo da roupagem diferenciada, eles eram carros da Volkswagen. O que nos deixa ainda mais frustrados por um carro bacana como o Seat Ibiza Cupra Sport F2 jamais ter sido fabricado.

O Seat Ibiza foi a arma escolhida pela fabricante para disputar o Campeonato Mundial de Rali. Não na classe principal, o Grupo A, mas sim na categoria “de entrada”: o FIA 2-Litre Championship, popularmente conhecido como WRC F2. Como o nome dizia, a F2 era destinada a carros com motor dianteiro de deslocamento até dois litros. Acontece que, com menos restrições em termos de preparação e conjunto leve, os carros do F2 mostraram-se excelentes nos estágios de asfalto – alguns chegavam a superar os adversários do Grupo A.

Foi o caso do Seat Ibiza, que era movido por uma versão de 250 cv do motor 2.0 16v do Grupo VW e conquistou o título três vezes seguidas – em 1996, 1997 e 1998. Foi por isto que a Seat decidiu que faria uma versão de rua do carro.

Existem pouquíssimas imagens oficiais – apenas duas fotos de um protótipo feito em 1997, de cor acobreada, com rodas de 17 polegadas, para-lamas alargados na lata e capô com scoop funcional. Chamado Seat Ibiza F2, o hatchback tinha carroceria de duas portas, rodas de 17 polegadas e, na dianteira, o mesmo motor 2.0 16v – ainda que o mesmo tenha sido levemente amansado para entregar 200 cv. Sem qualquer tipo de indução forçada.

seat_ibiza_cupra_sport_f2_1

A ideia era vender o carro primeiro no Reino Unido, onde os ralis gozavam de mais popularidade do que em qualquer outro país da Europa.  Mas acabou não acontecendo: por problemas de homologação a Seat simplesmente não conseguiu que o Ibiza F2 fosse aprovado pelas autoridades britânicas e foi forçada a abandonar o projeto. Embora existam boatos que que a Seat chegou a fabricar até 10 exemplares do Ibiza F2, não há qualquer tipo de confirmação oficial.

copperf2-ft copperf2-bk copperf2-rt

Isto posto, a Seat acabou colocando nas ruas uma versão bem interessante do hatch no mercado europeu: o Ibiza 1.8T Cupra, lançado em 1999. O hot hatch era equipado com o quatro-cilindros de 1,8 litro com cabeçote de 20 válvulas e turbo – muito semelhante ao propulsor que, no Brasil, podemos encontrar no cofre do Golf GTI Mk4 e no Audi A3. No Ibiza 1.8T Cupra, ele foi vendido entre 1999 e 2002 com 156 cv a 5.800 rpm e 21,4 mkgf de troque – suficientes para ir de zero a 100 km/h em 7,8 segundos, com máxima de 215 km/h.

seat_ibiza_cupra_r_3 seat_ibiza_cupra_r_1

E mais: entre 2000 e 2001 a Seat fabricou 200 exemplares do Ibiza 1.8T Cupra R, versão ainda mais apimentada do pocket rocket, que tinha como principal atrativo os 180 cv do motor 1.8 turbo retrabalhado – novamente, como no Golf GTI Mk4 – que era capaz de levá-lo até impressionantes 225 km/h de velocidade máxima.

Enquanto isto, no Brasil, o Ibiza e do Córdoba se limitavam a acompanhar o facelift realizado na Europa para o ano-modelo de 1999. No mais, seu ciclo por aqui estava se encerrando. É uma pena que estes carros tenham sofrido com pouca demanda no Brasil – se a situação fosse diferente, talvez a Seat estivesse por aqui até hoje.

Matérias relacionadas

O boom dos modelos PCD, Lamborghini pode ter sedã elétrico, Mini Countryman 2020 chega por R$ 150.000 e mais!

Monza Clodovil: quando a Chevrolet lançou o primeiro carro fashion do Brasil

Dalmo Hernandes

Novo Cruze Premier parte de R$ 122.800, proprietários da VW Amarok receberão R$ 10.000, os novos Audi RSQ3 e mais!