A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Achados meio perdidos

Beep Beep! Este legítimo Plymouth Road Runner está à venda no Brasil!

Muscle cars são objetos de culto para boa parte dos entusiastas e não é difícil de entender: o ronco selvagem de um V8 americano, a tração traseira e o visual apelativo são mesmo apaixonantes e é praticamente impossível passar incólume por um bom e velho detroit iron. E, no caso deste legítimo Plymouth Road Runner 1969 que encontramos à venda no Brasil, estamos falando de um dos maiores ícones dos anos dourados da Chrysler.

O Road Runner foi a tentativa da Plymouth de trazer de volta os muscle cars básicos, baratos e rápidos — em seu ano de lançamento, 1968, eles já estavam maiores, mais potentes e cheios de equipamentos. Usando a plataforma B-Body (a mesma dos Dodge Charger americano, mais longa e mais larga que a A-Body que estrutura os Dart e Charger brasileiros), o novo carro se comprometia a ter somente o necessário para cumprir o quarto-de-milha em menos de 14 segundos, custar menos de US$ 3.000 e ameaçar os espelhos retrovisores de quem ficasse em seu caminho.

beep-beep (6)

Sendo assim, era um carro simples, com banco inteiriço revestido de vinil (os primeiros modelos não tinham nem tapetes) e poucos opcionais — direção assistida, freios dianteiros a disco, rádio, ar-condicionado e câmbio automático de três marchas. Mais barato, vendeu bem mais que modelos como o GTX e o Super Satellite, que eram parecidos, porém muito mais refinados (e, por isso, custavam mais dinheiro).

Os motores disponíveis eram o V8 383 (6,3 litros) “de entrada”, o Hemi 426 (o épico elefante laranja de sete litros) e o 440 (7,2 litros) com três carburadores Holley de corpo duplo (o famoso “six pack”) a partir de 1969. O motor standard tinha 340 cv e 58,7 mkgf de torque, enquanto o Hemi 426 (que custava US$ 714 a mais – quase um terço do valor do veículo) garantia 430 cv e 67,7 mkgf de torque. Curiosidade: a Plymouth pagou à Warner Bros US$ 50 mil para usar o nome “Road Runner” e a imagem do Papa-Léguas, e mais US$ 10 mil (era muito dinheiro na época) para desenvolver a buzina beep beep.

beep-beep (2)

Este Road Runner na icônica cor “Go Mango” (idêntico ao “Vitamin C Orange”) é um carro que foi trazido para o Brasil pela America Parts, empresa paulistana que é uma das mais conhecidas fornecedoras de peças para muscle cars no Brasil — e ocasionalmente eles vendem alguns carros, também.

beep-beep (15)

De acordo com os vendedores, o carro é pouco rodado — o painel indica apenas 52 mil milhas, ou cerca de 82 mil km, quase nada para um carro que completou 45 anos de idade em 2014. O carro estava parado na Carolina do Norte desde 1988 até ser comprado no ano passado por seu último dono, que revisou a mecânica e colocou o carro para rodar. Segundo Fernando Demarco, o dono da America Parts (que está cuidando do carro), o Road Runner foi rodando por 700 milhas (pouco mais de 1.100 km) até Miami, na Flórida, sem problemas mecânicos.

beep-beep (14)

Além disso, o carro é um numbers matching — todos os componentes têm o mesmo número do chassi, algo muito valorizado no meio dos antigos. As especificações do carro também conferem com as da plaqueta:

E63 – V8 383, Quadrijet, 335 hp

D32 – Cambio automático na coluna, TF727

V21 – Capo Performance Preto / Teto Vinil Preto

K2 – Cor “Go Mango” (Vitamin C Orange)

X9 – Interior Preto”

Contudo, o teto de vinil precisa ser refeito e há alguns pontos de corrosão localizados. Apesar disso, a carroceria aparenta estar lisa de lata. O interior também está em bom estado e quase perfeito — o único problema apontado é o painel, cuja parte superior precisa ser trocada. No mais, revestimentos dos bancos, das portas e do teto, além do carpete, estão descritos como “perfeitos”, bem como os detalhes externos. As rodas são as clássicas Magnum, calçadas com pneus radiais novos.

Embora dê para ver a placa americana nas fotos retiradas do anúncio, o Road Runner foi comprado em abril e está no Brasil desde agosto. Além disso, sua situação legal foi regularizada recentemente — com direito a placa preta —, o que deverá aliviar boa parte do trabalho burocrático para o novo dono.

 

beep-beep (13)

E quanto pedem por ele? R$ 157.500 — um valor bastante razoável se levarmos em conta o atual mercado de antigos, especialmente os muscle cars americanos. De acordo com o anúncio, o carro é raro de encontrar até mesmo nos EUA e a restauração não deverá ser das mais dispendiosas. O que você acha?

[ America Parts ]


“Achados Meio Perdidos” é o quadro do FlatOut! na qual selecionamos e comentamos anúncios de carros interessantes ao público gearhead, como veículos antigos, preparados, exclusivos e excêntricos. Não se trata de uma reportagem aprofundada e não nos responsabilizamos pelas informações publicadas nos anúncios – todos os detalhes devem ser apurados com o anunciante.

Matérias relacionadas

Turbo, câmbio manual e tração integral: este raríssimo BMW 335i xDrive está a venda no Brasil!

Gustavo Henrique Ruffo

Este Passat B5 1.8T: turbinado, acessível e à venda

Dalmo Hernandes

Este Fiat Uno S 1.3 com placa preta está à venda

Dalmo Hernandes