A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Achados meio perdidos

Um raro Dodge Charger de primeira geração à venda no Brasil

O Dodge Charger é um dos carros mais adorados pelos entusiastas, especialmente em sua segunda geração, fabricada entre 1968 e 1970 – representante da melhor época dos muscle cars, com várias opções de motor V8 debaixo do capô e presença marcante em filmes e séries como Bullitt The Dukes of Hazzard. E também tivemos o Dodge Charger brasileiro, que era uma versão com motor mais potente e visual mais esportivo do Dart e tornou-se um ícone local.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, download de materiais exclusivos, participação em sorteios e no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), além de veiculação de até 7 carros no FlatOuters e até 3 anúncios no site GT40, bem como descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$20,00 / mês

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

 

Plano de assinatura na medida para quem quer acessar livremente todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de veiculação de até 3 carros no FlatOuters e um anúncio no site GT402.

De R$14,90

por R$9,90 / mês

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

Mas, se você é realmente um apreciador do Dodge Charger, ou dos carros americanos em geral, deve conhecer a primeira geração, fabricada em 1966 e 1967, já com a plataforma B-body Com ela, a Chrysler começou a construir a imagem esportiva do Dodge Charger, que seria aperfeiçoada e acentuada na segunda geração – incluindo a opção pelo V8 426 entre os motores disponíveis. É uma peça importante na história do Dodge Charger e, se você tem uma coleção de clássicos dos States, ele pode ser uma adição interessante. E, não por acaso, é um Charger de primeira geração nosso Achado meio Perdido de hoje.

O primeiro Dodge Charger nasceu como uma versão fastback do Dodge Coronet. A dianteira era exatamente a mesma, incluindo os faróis giratórios – quando apagados, eles ficavam escondidos atrás da grade, que parecia uma peça única e ininterrupta. Na traseira era que as coisas mudavam – o caimento fastback era bastante acentuado e a traseira trazia uma enorme lanterna que percorria toda a largura do carro e tinha as letras “C H A R G E R” em metal cromado.

O interior também trazia uma configuração diferenciada, com quadro de instrumentos de iluminação indireta e quatro bancos individuais – sendo que os traseiros eram rebatíveis para dar acesso ao compartimento de carga, algo incomum naquela época. No geral, o primeiro Charger lembrava bastante o Rambler Marlin, lançado pela AMC um ano antes – o perfil da carroceria era parecidíssimo, mas imprensa e público não demoraram a considerar o Charger como “uma versão mais bonita do Rambler Marlin.

Os motores disponíveis inicialmente eram o V8 318 (5,2 litros) da família LA; os motores V8 361 (5,9 litros) e 383 (6,3 litros) da família B, e o Street Hemi 426 (de sete litros), este com dois carburadores de corpo quádruplo e potência bruta de 430 cv – que foi colocado em apenas 468 carros vendidos naquele ano. A partir de 1967 o motor Magnum 440, de 7,2 litros e 380 cv, também foi oferecido.

O carro anunciado no GT40 é um Dodge Charger 1967 com motor V8 383, alimentado por um carburador de corpo quádruplo – quando novo, este motor entregava 330 cv brutos. O motor é acoplado a uma caixa automática TorqueFlite de três marchas.

De acordo com o anunciante, Bird Clemente Jr. da Vintage Garage Curitiba, este exemplar foi totalmente restaurado nos padrões de fábrica e está em ótimas condições. A pintura na cor verde “Pine Green Metallic” está muito bonita e o interior, revestido em couro e tecido, está com o acabamento original impecável e todos os equipamentos funcionando – incluindo ar-condicionado e direção hidráulica. Demais elementos, como rodas, grade, faróis, lanterna e todos os vidros, também são originais de fábrica. Os pneus são novos.

A mecânica, segundo o vendedor, foi totalmente refeita – o motor é efetivamente novo e rodou cerca de 5.000 km, assim como o câmbio. Ele garante que o Charger está em pleno funcionamento e que honra sua placa preta.

Não estamos falando do Dodge Charger mais cobiçado pelos fãs do modelo – como dissemos no começo do texto, este lugar fica com a segunda geração. Mas ele tem seu valor como colecionável, para quem quer colocar em seu acervo parte da história do emblemático Charger. O valor é elevado, claro, mas considerando o momento da economia, trazer um exemplar como este dos Estados Unidos por um valor razoável beira o impossível.

Se você ficou interessado, pode clicar aqui para acessar o anúncio e pegar os contatos do vendedor.


“Achados Meio Perdidos” é o quadro do FlatOut! no qual selecionamos e comentamos anúncios do GT40.com.br de carros interessantes ao público gearhead, como veículos antigos, preparados, exclusivos e excêntricos. Não se trata de publieditorial. Não nos responsabilizamos pelas informações publicadas nos anúncios nem pelas negociações decorrentes – todos os detalhes devem ser apurados atenciosamente com o anunciante!

Matérias relacionadas

Não é todo dia que se encontra um Corsa GSi com apenas 51.000 km à venda

Gustavo Henrique Ruffo

Este Mitsubihi Pajero TR4 com histórico nos ralis está pronto para competir – só precisa de um novo dono

Dalmo Hernandes

Este Cadillac Coupé de Ville 1957 foi todo restaurado, está impecável e pode ser seu

Dalmo Hernandes