A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture

Além dos 500 km/h: o SSC Tuatara é o novo carro mais veloz do planeta

A barreira dos 500 km/h foi finalmente quebrada: no dia 10 de outubro de 2020, o SSC Tuatara tornou-se o novo carro produzido em série mais veloz do mundo depois de atingir a velocidade média de 508,7 km em duas medições.

A aferição foi feita em um trecho State Highway 160, em Nevada, na Califórnia, com o piloto britânico Oliver Webb ao volante. Como mandam os critérios da Guinness World Records, é preciso fazer duas medições em sentidos opostos, e a velocidade final é obtida tirando a média entre a velocidade aferida em ambas. Agora, falta apenas a certificação oficial, que deve ocorrer nos próximos dias.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, download de materiais exclusivos, participação em sorteios e no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), além de veiculação de até 7 carros no FlatOuters e até 3 anúncios no site GT40, bem como descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$20,00 / mês

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura na medida para quem quer acessar livremente todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de veiculação de até 3 carros no FlatOuters e um anúncio no site GT402.

De R$14,90

por R$9,90 / mês

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

Na primeira medição, o Tuatara chegou aos 484,5 km/h. Na segunda, a velocidade máxima foi de impressionantes 532,9 km/h. Tirando a média entre ambas as aferições, chegou-se ao número oficial do recorde: 508,7 km/h. E, diferentemente do que ocorreu com o Bugatti Chiron Super Sport 300+, o recorde foi quebrado por um Tuatara idêntico ao hipercarro vendido pela SSC.

Fora as duas medições, o recorde também foi registrado com duas testemunhas escolhidas pela Guinness World Records, medido usando um aparelho de GPS certificado pela organização com dados de 15 satélites diferentes. Assim, embora o certificado ainda não seja emitido, deve ser questão de tempo até que o recorde seja validado.

 

Movido por um V8 biturbo de 5,9 litros feito pela Nelson Racing Engines, famosa por seus motores de arrancada, o SSC Tuatara dispõe de 1.774 cv quando abastecido com etanol E85 – o que, em um carro com 1.247 kg (seco), significa uma relação peso/potência de insanos 0,7 kg/cv. Não por acaso, desde o início a SSC dizia que a meta do Tuatara era uma velocidade máxima superior aos 482 km/h (300 mph).

Unidades do motor foram testadas exaustivamente em um dinamômetro para garantir que nada desse errado – segundo a SSC, a ideia era mesmo tentar quebrar os motores para ver o quanto de stress eles podiam suportar. “Passamos meses literalmente acelerando estes motores no limite, com a pressão no máximo, até tudo ficar laranja, e ainda assim eles não quebraram”, disse Jerod Shelby após o recorde. “Posso estar testando nossa sorte aqui, mas em todos esses anos de design e no último ano de testes no mundo real, ainda não tivemos nenhuma quebra de motor ou câmbio.” E continuou: “Aprendemos já nos anos 2000 que muita gente pode fazer um motor de indução forçada ou turbo. A grande diferença é fazê-los robustos e capazes de funcionar no limite por vários minutos sem quebrar.

O SSC Tuatara é o mais recente modelo da Shelby Super Cars (que foi fundada por Jerod Shelby em 1998 e não tem relação alguma com Carroll Shelby) e sucessor do SSC Aero. Apresentado em 2011 como conceito, o Tuatara ainda passou sete anos em desenvolvimento antes de ser revelado em sua forma definitiva no Goodwood Festival of Speed, em 2018. E só em 2020 a produção começou, com 100 exemplares previstos para deixar a fábrica da SSC em Richland, Washington – um número que lhe confere exclusividade mas, ao mesmo tempo, é mais que suficiente para que o Tuatara seja considerado um modelo produzido em série.

E também para colocar uma pedra na dúvida sobre qual é o carro mais veloz do mundo, afinal. Isto porque este tópico era controverso havia muito tempo.

Você deve lembrar do recorde do Bugatti Chiron Super Sport 300+, que em 2 de agosto de 2019 atingiu os 490,5 km/h no circuito de Ehra-Lessien, na Alemanha. Mas há uma questão imporatnte: a velocidade foi alcançada com uma unidade modificada pela Bugatti:  tinha ainda mais potência no motor W16 quadriturbo – 1.600 cv contra 1.500 cv da versão comum – e uma carroceria modificada, mais longa, a fim de reduzir o arrasto aerodinâmico e, consequentemente, obter maior velocidade final.

Depois de anunciar que esta será sua última tentativa de quebrar recordes, a Bugatti anunciou o Chiron Super Sport 300+, edição especial limitada a 30 unidades, que começarão a ser entregues a partir de 2021 – o que, tecnicamente, torna o recordista de velocidade um carro produzido em série de forma retroativa. O Chiron Super Sport 300+ terá o mesmo motor de 1.600 cv, a carroceria mais longa e o mesmo esquema de pintura, com fibra de carbono exposta e detalhes em laranja. Contudo, seu limitador de velocidade só permitirá atingir os 483 km/h em uma pista como Ehra-Lessien.

A velocidade foi certificada pela Associação de Inspeções Técnicas da Alemanha (TÜV), mas não foi considerado um recorde pela Guinness World Records, pois foi aferido apenas em uma direção. A Bugatti disse que uma segunda aferição, no sentido contrário, não seria possível pois com tantos restes realizados em Ehra-Lessien em sentido horário, a granulação do asfalto aponta para aquela direção – e, com isto, uma volta no sentido anti-horário representaria risco à segurança do piloto.

Assim, tecnicamente, o recorde quebrado pelo SSC Tuatara pertencia a outro carro: o Koenigsegg Agera RS. Em novembro de 2017, ele chegou aos 447,2 km/h no mesmo trecho de rodovia em Nevada, com o piloto de testes Niklas Lija ao volante. O recorde seguiu todo o procedimento exigido pela Guiness World Records, com duas aferições feitas no mesmo trecho de rodovia em Nevada, nos EUA. Na primeira, o Agera RS chegou aos 457,4 km/h. Na segunda, foram 436,4 km/h. A média entre as duas aferições foi de 447,2 km/h.

O recordista anterior ao Agera RS, sim, era um Bugatti: o Veyron Super Sport, que lá em 2010, chegou aos 431,1 km/h em Ehra-Lessien – um recorde oficial da Guinness, obtido após duas aferições. Na primeira, o carro chegou aos 427,9 km/h, enquanto a segunda trouxe a marca de 434,2 km/h. Foi em julho de 2010 – sim, já faz bastante tempo.

Talvez o mais interessante disto tudo, porém, seja o fato de o recorde do SSC Tuatara ser o fechamento de um ciclo para a empresa. Isto porque o recordista anterior ao Veyron Super Sport era o antecessor do Tuatara: o SSC Ultimate Aero TT, que já usava um V8 biturbo baseado no motor LS6 da General Motors, com 6,3 litros de deslocamento, 1.196 cv e 152,9 kgfm de torque.

Em duas aferições realizadas em uma rodovia de Washington, nos EUA, o SSC Ultimate Aero TT chegou aos 410 km/h – e superou o antigo recordista, o primeiro Bugatti Veyron, que havia chegado aos 408,5 km/h em Ehra-Lessien em abril de 2005.

Como última observação, devemos notar que, em dez anos, o salto de velocidade máxima do carro mais veloz do mundo foi de quase 100 km/h: 434,2 km/h do Veyron Super Sport em 2010, e 532,9 km/h do SSC Tuatara em 2020. E sem a ajuda de motores elétricos – o que é simbólico, para dizer o mínimo.

Matérias relacionadas

Este estacionamento é na verdade uma grande máquina de vender carros

Dalmo Hernandes

O código automotivo de Quentin Tarantino – a relação entre os filmes contada pelos carros

Leonardo Contesini

A Evolução do Nissan GT-R, parte 1: o nascimento do Skyline e a herança das pistas

Dalmo Hernandes