A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Zero a 300

6 Horas de São Paulo cancelada, Mercedes-AMG GLC63 no Brasil por R$ 550.000, dois novos Bugatti Chiron e mais!

Bom dia, caros leitores! Bem-vindos ao Zero a 300, a nossa rica mistura das principais notícias automotivas do Brasil e de todo o mundo. Assim, você não fica destracionando por aí atrás do que é importante. Gire a chave, aperte o cinto e acelere conosco.

O Zero a 300 é um oferecimento do Autoline, o site de compra e venda de veículos do Bradesco Financiamentos. Nesta parceria, o FlatOut também apresentará avaliações de diversos carros no canal de YouTube do Autoline – então, clique aqui e se inscreva agora mesmo (e não esqueça de ativar o sininho)!

 

Mercedes-AMG GLC63 4Matic+ chega por R$ 550.000

A Mercedes-AMG apresentou na última sexta-feira (29) a versão reestilizada do GLC63 AMG 4Matic+. O modelo chega ao Brasil com uma versão de 476 cv (5.500 rpm) e 66,2 kgfm (a partir de 1.750 rpm) do motor M177 V8 biturbo de quatro litros, tração nas quatro rodas e câmbio automático de nove marchas com acoplamento por embreagens múltiplas.

Com esse conjunto, o crossover vai de zero a 100 km/h em 4 segundos e chega aos 270 km/h antes de ser limitado pela ECU do motor. Além do visual novo, que deu a ele faróis redesenhados com sistema de LED independentes, a grade com aletas verticais e novas opções de cor, ele também vem equipado com suspensão pneumática, amortecedores adaptativos e o sistema MBUX, que integra os comandos do carro, o sistema multimídia e o quadro de instrumentos.

Por último, o GLC63 AMG ainda tem o AMG Dynamics, um seletor de modos de condução dedicado unicamente ao diferencial traseiro e aos controles de tração e estabilidade, com três modos de atuação — Basic, Advanced e Pro.

 

Além do GLC63, a Mercedes-AMG também terá o GLC63 S, que chega no início de 2020, porém apenas na versão cupê. (LC)

 

6 Horas de São Paulo cancelada e substituída por Austin

A organização do Campeonato Mundial de Endurance da FIA (WEC), anunciou nesta segunda-feira (2) o cancelamento das 6 Horas de São Paulo, previsto para acontecer no dia 20 de fevereiro. Segundo a nota oficial, o cancelamento se deveu à impossibilidade de o organizador local cumprir suas obrigações contratuais, o que, segundo o comunicado, não deixou outra alternativa ao WEC senão substituir a 6 Horas de São Paulo pelas 6 Horas de Austin, no Circuito das Américas. Com a mudança, a prova foi transferida para o dia 23 de fevereiro.

A organização do Mundial ainda esclareceu que não se tratam de problemas com a cidade de São Paulo, tampouco com o autódromo José Carlos Pace/Interlagos, e que o cancelamento se deve estritamente a problemas com o organizador local da prova.

Os rumores sobre o cancelamento do WEC já circulavam há cerca de três semanas, uma vez que o organizador local e o WEC precisam comunicar às equipes e aos fornecedores com antecipação por questões de logística e, embora sigilosa, a informação havia vazado de alguma forma. (LC)

 

Câmara dos Deputados propõe a proibição de motos no corredor

O deputado relator da proposta que altera o Código de Trânsito Brasileiro, Juscelino Filho, apresentou no final da semana passada um parecer que propõe a proibição da circulação de motos entre os carros em movimento. Segundo a proposta, as motos só poderão passar entre os demais veículos quando eles estiverem parados ou com velocidade inferior a 10 km/h. O texto ainda prevê que o órgão responsável pela via poderá autorizar o tráfego de motocicletas entre os veículos em movimento, desde que precedido de estudos técnicos que justifiquem a medida.

A proibição da circulação de motos no chamado “corredor”, havia sido incluída no texto original do Código de Trânsito Brasileiro, mas acabou vetada. Atualmente, os acidentes de motos são a principal causa de mortes de ocupantes de veículos no trânsito urbano, e contraria a tendência de queda ocorrida nos últimos anos — o que significa que o número total de mortes poderia ser menor caso o número de acidentes com motociclistas tivesse acompanhado a redução dos outros modos.

A questão do corredor, contudo, é delicada, porque estudos americanos e europeus já identificaram que os motociclistas estão mais seguros compartilhando a faixa (o chamado “lane sharing”, em inglês). Contudo, a velocidade deve ser controlada, uma vez que o risco não está na velocidade em si, mas no diferencial de velocidade — isto é: a diferença entre a velocidade das motos e dos demais veículos.

A proposta, contudo, ainda será discutida pelas comissões — ainda há prazos para alterações e até recurso cabível para que as alterações sejam votadas em plenário. (LC)

 

Bugatti apresenta Chiron Noire Sportive e Noire Élegance – limitados a 20 unidades cada

Assim como aconteceu com o Bugatti Veyron, seu sucessor, o Chiron, também terá uma boa cota de edições limitadas. A fabricante acaba de revelar mais duas: o Chiron Noire Sportive e o Chiron Noire Élégance. Cada uma dela terá apenas 20 unidades fabricadas.

Como o nome indica, ambas as séries limitadas trazem na cor preta seu diferencial – noire quer dizer “preto” em francês, com diferenças nos detalhes de acabamento.

O Noire Élegance (acima) tem a carroceria em fibra de carbono exposta com acabamento brilhante e, na grade dianteira, o emblema da Bugatti é feito de prata sólida. As pinças de freio também são pretas, abrigadas sobre um jogo de rodas “Caractère”. Além disso, a borda da linha “C” na lateral é de alumínio usinado e polido. O acabamento de fibra de carbono exposta também se faz presente nas capas dos retrovisores e na tampa do motor. Por dentro, há a inscrição “Noire” nas soleiras das portas, no console central, e nos encostos de cabeça.

Já o Bugatti Chiron Noire Sportive (abaixo) é mais agressivo, com a carroceria em fibra de carbono fosca. As saídas de escape, rodas, elementos aerodinâmicos e a linha “C” lateral também têm acabamento em preto fosco. No interior a situação se repete – todos os elementos que são de alumínio escovado no Élégance têm acabamento preto fosco no Sportive. Infelizmente, porém, a Bugatti só divulgou duas fotos, uma de cada versão.

Não foram feitas modificações mecânicas, exceto pela instalação do sistema de escape com quatro saídas do Chiron Super Sport. O motor é o mesmo W16 de oito litros com 1.500 cv e 163,1 kgfm de torque. As encomendas começarão em breve, e as entregas estão marcadas para o segundo trimestre de 2020. O preço? A partir de US$ 3.305.445, o que dá aproximadamente R$ 14 milhões em conversão direta. (DH)

 

Yamaha anuncia pré-venda XMax 250 por R$ 22.000

A nova scooter premium da Yamaha, anunciada há alguns dias durante o Salão Duas Rodas, entrou em pré-venda. Equipada com um motor monocilíndrico de 250 cm³ arrefecido a líquido com 22,8 cv e 2,5 kgfm de torque, mais câmbio CVT, ela custa R$ 21.990.

Os itens de série da XMax 250 incluem freios ABS nas duas rodas, controle eletrônico de tração, computador de bordo, iluminação de LED e espaço para dois capacetes sob o banco. Além disso, ela vem com chave presencial e tomada de força de 12V.

A Yamaha XMax 250 será fabricada na Zona Franca de Manaus, e as entregas estão previstas para o segundo trimestre de 2020. A fabricante diz que, até lá, o preço está sujeito a alterações. (DH

 

Projeto de lei quer acabar com a suspensão de CNH para caminhoneiros

O projeto de lei (3919/2019), proposto pelo deputado Boca Aberta, tramita na Câmara Federal e tem como objetivo suspender a contagem de pontos e a suspensão da CNH das categorias C, D e E. A cobrança do valor monetário ainda será feito para os motoristas dessas categorias que forem flagrados cometendo infrações.

A justificativa do deputado é que alcançar 20 pontos está muito comum, principalmente para caminhoneiros que passam mais tempo dirigindo, e para motoristas profissionais a CNH também é instrumento de trabalho. O deputado também culpa a “indústria da multa” que produzem “multas arbitrárias”, nas palavras de Boca Aberta.

O projeto não foi bem recebido em Brasília, o diretor-presidente do Observatório Nacional de Segurança Viária (ONSV), José Aurélio Ramalho, diz que esse projeto é absurdo e uma parte da sociedade não pode ser impune. Ramalho diz que os motoristas precisam ser melhor instruídos antes de serem habilitados.

Para nós esse projeto de lei é perigoso, caminhoneiros precisam tomar cuidado extra ao volante justamente por estar em um veículo maior e mais pesado. O fim da pontuação e do risco do motorista perder a CNH pode influenciar no aumento de motoristas imprudentes numa categoria onde esse tipo de motorista oferece ainda mais risco.

O projeto de lei ainda precisa passar por duas comissões antes de ser aprovado, em seguida precisa passar pelo senado e pelo presidente. (ER)

 

Jeep Grand Cherokee 2020 ganha novo pacote de equipamentos

A Jeep iniciou as vendas da linha 2020 do Grand Cherokee no Brasil, o modelo recebeu apenas atualizações no pacote de equipamentos e preço. Externamente a única novidade são as novas rodas de 20 polegadas, com desenho que lembra as usadas pelo Grand Cherokee Limited de primeira geração.

As principais novidades foram no pacote tecnológico, o Grand Cherokee agora vem com controle de cruzeiro adaptativo com parada total, frenagem de emergência automática, alerta de mudança de faixa, monitoramento de pontos cegos e sistema de estacionamento automático. No acabamento foi adicionada a opção de interior bege.

O Jeep Grand Cherokee vem para o Brasil em apenas uma versão, a Limited com motor V6 3.0 turbodiesel de 241 cv e 56,1 kgfm. O SUV vem equipado com tração integral Quadra-Trac II, com relação reduzida para subidas íngremes, controle de descidas e sistema de gerenciamento de tração com cinco modos diferentes. O preço do Grand Cherokee Limited é de R$ 359.990, o carro não possui opcionais. (ER)

Matérias relacionadas

A odisseia do último Bugatti que correu nas 24 Horas de Le Mans

Dalmo Hernandes

Os melhores exemplos da fina arte de se fazer uma Ferrari retrô

Dalmo Hernandes

Os carros mais icônicos já fabricados pela… Lexus!

Dalmo Hernandes