A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Zero a 300

Alonso de volta à Fórmula 1 pela Renault, o novo Chevrolet Groove, Ferrari “perde direito” sobre 250 GTO e mais!

Bom dia, caros leitores! Bem-vindos ao Zero a 300, a nossa rica mistura das principais notícias automotivas do Brasil e de todo o mundo. Assim, você não fica destracionando por aí atrás do que é importante. Gire a chave, aperte o cinto e acelere conosco.

O Zero a 300 é um oferecimento do Autoline, o site de compra e venda de veículos do Bradesco Financiamentos. Nesta parceria, o FlatOut também apresentará avaliações de diversos carros no canal de YouTube do Autoline – então, clique aqui e se inscreva agora mesmo (e não esqueça de ativar o sininho)!

 

Fernando Alonso está de volta à Fórmula 1 pela Renault

Fernando Alonso irá voltar à Fórmula 1 depois de duas temporadas fora da categoria. A Renault, equipe pela qual o espanhol conquistou seus dois títulos, em 2005 e 2006, anunciou nesta manhã que assinou um contrato de dois anos com Alonso, válido a partir de 2021 e com opção de renovação por mais um ano.

Alonso irá ocupar a vaga de Daniel Ricciardo, que já foi anunciado pela McLaren e irá correr ao lado de Lando Norris, ocupando a vaga deixada por Carlos Sainz Jr., que irá para a Ferrari. O outro carro da Renault será pilotado pelo francês Esteban Ocon.

Alonso deixou a F1 depois de uma temporada desastrosa na McLaren com os motores Honda, chegando a criticar publicamente a fabricante japonesa pelos motores, ainda que de forma indireta. Desde então, ele sempre deixou claro que estaria disposto a voltar à Fórmula 1, mas não teria chances nas equipes de ponta.

Agora, com os planos da Renault em se posicionar novamente como uma das equipes de ponta, a fabricante francesa contratou Alonso que deverá ser peça-chave no desenvolvimento do carro segundo as novas regras da F1, que passam a valer a partir de 2022 — elas foram adiadas em um ano devido à paralisação forçada pela pandemia. (Leo Contesini)

 

Chevrolet terá crossover abaixo do Tracker na América do Sul

Parece que a GM não irá limitar sua linha de SUV/crossovers ao Tracker, Equinox e Trailblazer. Segundo o site GM Authority, a fabricante planeja lançar na América do Sul um novo crossover compacto que será posicionado abaixo do Tracker. Seu nome é Groove e ele virá, finja surpresa, da China.

O modelo foi revelado em maio passado na China, e é pouca coisa além de um Baojun 510 reestilizado como Chevrolet. Na ocasião do lançamento, a fabricante SAIC-GM-Wuling anunciou que as exportações para a América do Sul começariam no fim de junho, mas devido às restrições da pandemia, os planos foram alterados e não há informações sobre quando ele desembarca neste lado do mundo.

A motorização ainda não foi anunciada e o GM Authority diz que ele será equipado com um motor aspirado de 1,5 litros e 105 cv e 13,8 kgfm, já usado em outros modelos da GM na China. O motor poderá ser combinado a um câmbio manual ou automático, ambos de seis marchas. (Leo Contesini)

 

Ferrari perde os direitos sobre o design da 250 GTO para réplicas

A semana já começa com uma notícia inusitada: a Ferrari perdeu os direitos sobre o desenho da 250 GTO – seu GT com alma de pista e um V12 de três litros que só teve 39 unidades produzidas e é possivelmente o carro mais valioso do mundo. A Ferrari ainda é dona do projeto do carro em si – ou seja, ainda é reconhecida oficialmente como a criadora do carro. Mas não pode impedir ninguém de fazer uma réplica da 250 GTO e vendê-la – deixando claro, evidentemente, que não se trada de uma 250 GTO de verdade.

A decisão foi tomada por uma corte da União Europeia após uma briga judicial entre a Ferrari e a Ares Design. Se você não lembra de quem se trata, aqui vai um refresco: é a companhia de Dany Bahar, o cara que dez anos atrás prometeu reviver a Lotus com uma série de novos modelos, mas no final foi demitido da empresa sob acusações de desvio de recursos para fins pessoais. Ele e a Lotus se acertaram fora do tribunal em 2014 e as duas partes seguiram em frente: a Lotus foi comprada pela chinesa Geely e está para começar a produção do hipercarro elétrico Evija; e Dany Bahar fundou uma empresa em Modena, na Itália – no quintal da Ferrari – para produzir superesportivos retrô artesanais. Há pouco mais de um ano, em março de 2019, a Ares Design fez barulho com seu De Tomaso Pantera revivido, o Ares Progettouno, que tem até mesmo faróis escamoteáveis.

Pois bem: de acordo com o site britânico This is Money, aparentemente foi a Ares Design foi quem tomou a iniciativa de levar a questão até o Escritório da Propriedade Intelectual da União Europeia (EUIPO). Segundo a empresa, a Ferrari só detinha os direitos sobre o desenho da carroceria – formalmente desde 2008 – para evitar que outras empresas pudessem fabricar “esportivos de construção similar”. Os advogados da Ares Design argumentavam que, segundo a legislação da União Europeia, a propriedade intelectual pode ser revogada se seu proprietário não fizer uso dela por um período maior que cinco anos. E foi exatamente isto que aconteceu: não é como se a Ferrari estivesse produzindo continuações de seus clássicos, como andam fazendo outras empresas – Jaguar e Aston Martin, por exemplo.

A corte cedeu à Ferrari o direito sobre a fabricação de miniaturas, e só. Agora, em tese, qualquer empresa pode fazer um carro igual à Ferrari 250 GTO, desde que deixe claro que não se trata do carro original.

Esta é uma situação que divide opiniões. Se é possível compreender a posição da Ferrari ao querer defender sua propriedade intelectual, há de se lembrar que outras empresas não têm a mesma postura radical quanto a fabricantes de réplicas. A Porsche é um exemplo: o 356 é um dos esportivos que mais receberam réplicas na história – ao ponto de uma réplica brasileira da antiga Chamonix aparecer no filme Ford v. Ferrari interpretando um 356 legítimo. E os alemães levam isso numa boa – o fato de existiram réplicas muito bem feitas até ajuda a valorizar os raros exemplares originais. Da mesma forma, a Shelby permite a produção de réplicas licenciadas do Cobra – e pede um valor extra para que se possa utilizar o nome “Cobra”.

Se houver possibilidade de recurso, a Ferrari certamente o fará, disso não duvidamos. (Dalmo Hernandes)

 

Volkswagen anuncia recall para T-Cross por problemas na suspensão

A Volkswagen anunciou um recall para o SUV T-Cross por uma falha na suspensão dianteira. De acordo com a fabricante, existe a possibilidade de afrouxamento das porcas superiores de fixação das bieletas dos amortecedores dianteiros. Se as peças se soltarem, a estabilidade do veículo pode ser comprometida, aumentando o risco de acidentes com danos físicos aos ocupantes e a terceiros.

Os carros afetados foram fabricados em 2020. A Volkswagen diz que os proprietários de unidades afetadas devem comparecer a uma concessionária a partir do dia 13 de julho para que seja efetuada a troca dos componentes e a aplicação de trava química. Para mais informações, deve-se entrar em contato com a fabricante pelo telefone 0800 019 8866 ou no site www.vw.com.br. (Dalmo Hernandes)

 

Kawasaki Z900 2021 é lançada por R$ 48.000

A Kawasaki, enfim, estreia a versão atualizada da Z900, sua segunda moto mais vendida no Brasil (a mais vendida é a Versys 300), que foi apresentada no Salão Duas Rodas de 2019. Ela já está à venda por R$ 47.990, mas a Kawasaki oferece um desconto de lançamento e a Z900 sai por R$ 45.990.

A naked teve o visual ligeiramente refeito, com uma nova carenagem para o farol e outros detalhes menores, enquanto a oferta de equipamentos aumentou bastante. Agora ela vem com controle eletrônico de tração, quatro modos de condução, seletor de nível de potência, faróis de LED e quadro de instrumentos digital com tela colorida TFT e conexão por bluetooth. Com ela, é possível parear o celular com a moto e utilizar o app Rideology para ter acesso a rotas percorridas, números de velocidade média e a outras funções eletrônicas da motocicleta, como o seletor de potência e a escolha dos modos de condução.

O motor continua o mesmo: um quatro-cilindros de 949 cm³ com 125 cv a 9.500 rpm e 10,1 kgfm a 7.700 rpm, ligado a um câmbio de seis marchas. Agora, porém, ele foi acertado para entregar sua força de maneira mais linear, e também recebeu um novo sistema de escape que reduz emissões. Além disso, a suspensão foi recalibrada e a dianteira ganhou um novo garfo dianteiro invertido de 41 mm, com 120 mm de curso.

A Z900 é vendida em duas cores: “Metallic Spark Black” com detalhes vermelhos e “Metallic Graphie Grey” com detalhes verdes. (Dalmo Hernandes)

Matérias relacionadas

Aceleramos este Porsche Cayman GT4 preparado em Interlagos! Acompanhe o onboard e nossas impressões

Juliano Barata

Os seis carros zero-quilômetro que eu compraria em 2018

Leonardo Contesini

Para brasileiro ver: quando a TVR quase abriu uma fábrica no Brasil

Dalmo Hernandes