A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Top Zero a 300

As fabricantes de componentes aftermarket favoritas dos nossos leitores – Parte 2

As fabricantes de automóveis fazem os carros procurando equilibrar fatores como preço, economia de combustível, conforto, potência e comportamento dinâmico. Mas você pode melhorar estes aspectos – e é para isto que existe o mercado de peças aftermarket.

Perguntamos a nossos leitores quais eram suas fabricantes aftermarket favoritas, dando a Edelbrock como sugestão. Depois, veio a primeira parte da lista com as respostas e agora, veja mais algumas das companhias citadas por vocês!

 

Nelson Racing Engines

ttlsx-08

Sugerido por: Doge

Para quê preparar seu motor V8 para arrancada se você pode colocar um motor novinho em folha, pronto para acelerar? É esta a proposta da Nelson Racing Engines, que também fornece componentes avulsos, mas fez fama mesmo com seus crate engines. Dificilmente uma edição de revistas como a Hot Rod ou a Super Street chega às bancas sem uma menção à NRE.

Os motores são totalmente projetados pelos caras: bloco, cabeçotes, componentes internos como virabrequim, pistões e bielas, comandos de válvulas e sistemas de injeção. Há motores que aproveitam projetos já existentes das três grandes de Detroit (GM, Chrysler e Ford), mas alguns são projetados do zero pela NRE.

Para se ter uma ideia do nível dos caras, seus motores menos potentes dificilmente entregam menos de 1.500 cv – e são descritos como “motores de rua”, enquanto seus motores de competição propriamente ditos entregam mais de 3.000 cv direto da caixa. Há opções naturalmente aspiradas, com turbo e supercharged, alguns com mais de dez litros de deslocamento. Mas é claro que, se não quiser um motor completo, você pode comprar um bloco, um coletor, turbos, compressores mecânicos, tampas de válvula, parafusos e volantes de motor da Nelson Racing Engines.

 

Mooneyes

hrdp_010

Sugerido por: Vitor Augusto Pança

Se você curte hot rods, provavelmente conhece a Mooneyes ou ao menos já viu seu logo com os dois olhinhos apontando para baixo. Trata-se de uma das mais antigas fabricantes de peças aftermarket dos EUA, fundada em 1961 por Dean Moon. Ele era fotógrafo por formação e entusiasta por paixão, e começou a fabricar componentes como coletores de admissão, calotas e tampas de válvulas em uma oficina improvisada na garagem do Moon Cafe, restaurante de seu pai – que não se importava nem um pouco. Pelo contrário: ele mesmo era fanático por velocidade, e mantinha uma pista de kart no terreno ao lado do restaurante, que ficava no sul da Califórnia.

ea4bda54a11c903fc9ed78614b1d6c80--moon-simple (1)

 

Dean Moon. Foto: Hot Rod

As calotas Moon Disc, belas peças de aço escovado, eram utilizadas pelos hot rodders da época por questões de aerodinâmica, mas também por seu estilo. E até hoje estão entre os acessórios favoritos da comunidade de entusiastas californiana, sendo adotadas também pelos donos dos Volkswagen arrefecidos a ar.

Dean Moon morreu em 1987, aos 60 anos de idade, e depois disto a Mooneyes entrou em “hiato”. No entanto, no início da década de 1990, um de seus revendedores no Japão decidiu reviver o negócio, rebatizado como Mooneyes USA, que continua firme e forte. Seu atual dono, Chico Kodama, faz questão de preservar a história e os meios de fabricação de antigamente: não há robôs ou computadores fabricando as peças — tudo é feito como em 1961.

 

Akrapovič

Sugerido por: mrvalterfilho

A Akrapovič (pronuncia-se “Akrapovitch”) é conhecida pelo belo som produzido por seus sistemas de escape. É sério: se um carro existe, você vai encontrar um vídeo do ronco dele com escape Akrapovič no Youtube. Olha só:

Deu para entender, não é? A Akrapovič é uma empresa da Eslovênia que, na verdade, começou nas motos e é um pouco mais famosa pelos seus escapamentos para motocicletas. A companhia foi fundada em 1989 por Igor Akrapovič, ex-piloto que competiu na Europa nas categorias 250 e Superbike a partir de 1977. A Akrapovič começou com seis funcionários produzindo escapamentos de aço artesanais, pois os componentes disponíveis no Leste Europeu eram poucos e de má qualidade.

DSC_8667

No início dos anos 1990, os escapes Akrapovič foram adotados por fabricantes como a Kawasaki e a Suzuki, em suas motos de competição, inclusive, pelo cuidado na fabricação e pela preocupação com o ronco que saía das ponteiras. Hoje em dia, além dos escapamentos de aço inox, há peças de fibra de carbono e titânio na linha da Akrapovič.

 

Oettinger

Okrasa red 2b

Sugerido por: Thyago Szoke

A Okrasa foi fundada em 1951 por Gerhard Öttinger fabricava kits de performance para o boxer de quatro-cilindros da VW. “Okrasa” era a sigla para Oettinger Kraftfahrtechnische Spezial Anstalt, ou “Oettinger Componentes Automotivos Especiais”. A empresa existe até hoje e é considerada a preparadora especializada em Volkswagen mais antiga do planeta. Você talvez a conheça por seu nome atual: Oettinger Sportsystems. Sim: a mesma empresa que faz kits para extrair 400 cv do atual motor 2.0 TSI do grupo Volkswagen.

Os kits Okrasa para o boxer da Volks consistiam em novos cabeçotes, carburadores (normalmente osSolex 32PBIC, iguais aos do Porsche 356) além de opcionais como filtro de ar Fram e radiador de óleo, este desenvolvido pela própria Okrasa. Outros kits traziam um novo virabrequim para aumentar o curso dos pistões de 64 para 69,5 mm, ampliando o deslocamento do motor de 1.200 cm³ para 1.300 cm³.

Os pacotes atuais são mais focados no motor TSi da Volkswagen, Nas versões mais potentes, o 2.0 turbo passa a entregar 400 cv graças a um turbocompressor maior, uma reprogramação na ECU e à troca de alguns componentes internos. Além disso, são oferecidas alterações estéticas (novas rodas de 19 polegadas, body kit com splitter frontal, difusor traseiro e aerofólio) e um novo sistema de escape.

 

Envemo

envemow

Sugerido por: Bruno M.

É claro que haveria uma representante brasileira na segunda parte da lista, como não? Atuante de 1966 a 1995, Envemo foi uma das maiores fabricantes de componentes aftermarket do Brasil. Saca só a lista de coisas que os caras faziam só para o Chevrolet Opala, como dissemos neste post:

Para o motor, havia peças para a preparação tanto do quatro como do seis cilindros: comando de válvulas mecânico apimentado, dupla ou tripla carburação com cornetas, cárter (reservatório de óleo) com maior capacidade, filtros de óleo, ar e gasolina especiais, válvulas de admissão maiores, pistões de alta taxa de compressão, bomba elétrica de combustível, tampa de válvulas de alumínio, cabos de vela de performance, distribuidor Mallory, e até Molykote e Loctite para ajudar a preservar o motor.

E isto só para o Opala. A Envemo ainda fabricava kits estéticos para o Opala e outros carros brasileiros, capotas para picapes e utilitários, rodas, para-choques e grades. Você podia comprá-los avulsos e instalar em casa ou já pedir a instalação do conjunto completo, saindo da loja com o carro transformado.

American Racing

ar-torq-thrust-d-chrome-chevy-corvette

Sugerido por: Claudio Jr.

Sabe aquele Dodge Challenger bacanudo, aquele Ford Mustang matador ou aquele Chevrolet Camaro animal que você estava namorando até agora há pouco pela Internet? Se ele fazia o estilo old school, provavelmente estava calçando um jogo de rodas American Racing.

A empresa foi fundada por Romeo Palamides, que na década de 1950 desenvolveu um jogo de rodas de liga de magnésio para seu carro de arrancada movido a turbina. O carro apareceu na capa da Hot Rod de novembro de 1956, mas foram as rodas que chamaram a atenção do público, que estava interessado em rodas leves e de visual esportivo para seus carros de rua, mesmo sem a intenção de quebrar recordes de velocidade em planícies de sal.

 

Uma das primeiras rodas de sucesso da American Racing foi a Torq Thrust que, apesar de ter sido desenvolvida para as arrancadas, virou uma das mais populares nas ruas e sagrou-se como uma das mais populares do planeta. Há quem diga que o lançamento da Torq Thrust foi o que acendeu a faísca que deu origem ao mercado de rodas aftermarket nos Estados Unidos.

Matérias relacionadas

Sabine Schmitz não será apresentadora de Top Gear, Porsche não está interessada em autônomos, nova Saab não poderá se chamar Saab e mais!

Leonardo Contesini

Coupe Sport: a história dos modelos CS da BMW

Dalmo Hernandes

Os carros que você precisa comprar antes que se tornem clássicos – e muito mais caros

Dalmo Hernandes