A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture Projetos Gringos

Como funciona o comboio do Presidente dos Estados Unidos

O presidente dos Estados Unidos (qualquer que seja a pessoa a ocupar o cargo) é o chefe de estado da nação mais influente do planeta e, consequentemente, pode ser considerado a pessoa mais importante do mundo Sem entrar naquele papo sobre democratas e republicanos, uma coisa é certa: o modo como o Presidente dos EUA se locomove entre um compromisso e outro é questão de segurança nacional. E, como tudo o que envolve veículos, é um assunto fascinante para todos nós, não é verdade?

Donald Trump é o presidente eleito dos Estados Unidos há exatamente um mês, desde a cerimônia de posse no dia 20 de janeiro. Naquele dia, também esperava-se que nova limousine presidencial, “The Beast”, feita pela Cadillac, fizesse sua primeira aparição pública, porém o veículo não ficou pronto a tempo.

imageshandler

Trump, que tem uma bela coleção de carros no currículo, passa bem menos tempo no banco da frente hoje em dia

Por enquanto, Donald Trump está usando a limo antiga, que foi entregue a Barack Obama no dia 20 de janeiro de 2009. E continuará com ela nos próximos meses.

Por si só, a limousine presidencial já é um carro bem interessante. Primeiro, porque não é bem um carro, pois é feita pela Cadillac sobre o chassi de um caminhão GMC. O motivo: um monobloco convencional não suportaria o nível de proteção necessário para garantir a segurança do presidente dos Estados Unidos no caso de um atentado.

president-limousine

Sobre o chassi, há uma carroceria feita com blindagem de classe militar, usando materiais como aço, titânio, alumínio e cerâmica. A blindagem pode suportar disparos de armas de mão tranquilamente, pois foi pensada para resistir até mesmo a mísseis anti-tanque. Não há muito mais detalhes a respeito de sua construção (provavelmente são confidenciais, por questões de segurança): sabe-se que as portas têm 20 cm de espessura e que pesam tanto quanto a porta de um Boeing de passageiros. O assoalho também é blindado e resistente a explosões de granadas e minas terrestres. No total, o peso do The Beast é estimado em algo entre 6.800 g e 9.100 kg.

Os pneus são fabricados pela Goodyear. Feitos de Kevlar, eles são capazes de rodar mesmo vazios e, para o caso de um deles explodir, as rodas trazem aros de metal reforçados nas bordas para que a  Beast possa continuar seu caminho.

O interior é hermeticamente fechado, completamente isolado do mundo lá fora, e resistente a possíveis atentados químicos. A comunicação com o lado de fora é feita através de um telefone criptografado para evitar vazamentos de informações. O assento do presidente fica isolado por uma parede de vidro, e há um botão de pânico que, quando apertado, aciona os agentes da CIA imediatamente.

O motor é objeto de especulação. Algumas fontes, como o Autoweek, dizem que se trata de um V8 a gasolina de origem não especificada, enquanto outros dizem se tratar de um V8 turbodiesel de 6,5 litros. Em todo o caso, há um consenso de que o The Beast não se saia mal no 0-100 km/h, ao menos considerando seu peso: 15 segundos. A velocidade máxima fica pouco abaixo dos 100 km/h. Não é um carro de fuga.

O visual do The Beast lembra o de um sedã Cadillac gigantesco, com faróis do SUV Escalade e lanternas do sedã DTS. O novo The Beast, que deverá trazer aperfeiçoamentos aos sistemas atuais e adotar um visual mais próximo de um SUV.

maxresdefault

Dito isto, a limusine presidencial é só um dos veículos do comboio presidencial. No total, são cerca de 50 veículos e mais de 100 pessoas trabalhando para que o presidente vá de um lugar para o outro em segurança.

Alguns minutos adiante de todo o comboio vai o route car, responsável por fazer o reconhecimento da rota. O route car dá as instruções para que os veículos que vem logo em seguida, os sweepers ou “varredores”. Estes, que costumam ser até vinte motocicletas, são os encarregados de bloquear vias adjacentes para impedir o fluxo de veículos no trajeto.

President Obama visit to UK

Em seguida, vem o lead car. Imediatamente à frente da limousine presidencial, ele é o guia efetivo do resto do comboio, e também serve como escudo para o carro do presidente. Um detalhe: em todas as circustâncias, ao menos outro exemplar do “The Beast” participa do comboio, servindo como carro reserva e também como “iscas”, caso o presidente sofra um atentado terrorista. Dependendo da situação, pode haver vários carros reserva.

landscape_nrm_1419610137-motorcade

Até mesmo as placas são iguais

Atrás das limousines, vêm um par de SUVs – normalmente, dois Chevrolet Suburban blindados. O primeiro deles, de codinome Halfback, é o que deve garantir a segurança do presidente caso todas as medidas de segurança anteriores falhem. O Halfback deve seguir um roteiro específico de procedimentos caso qualquer coisa aconteça, e sempre anda com pelo menos um agente muito bem armado a bordo.

O outro SUV usa o codinome Watchtower (“torre de vigilância”). Também é blindado, e traz no teto antenas que transmitem sinais capazes de desarmar dispositivos remotos de detonação.

Em seguida, há os veículos de controle e suporte. O primeiro é apenas um, e leva uma pequena força militar com treinamento de elite, enquanto os veículos de suporte transportam os mais altos oficiais do governo, como o pessoal do gabinete do presidente, e também seu médico particular. Estes são blindados, e podem ser SUVs ou vans alugadas.

pict41

Os próximos do comboio são os veículos do CAT (Counter Assault Team, ou “Equipe de Contra-Ataque”). Também são utilitários grandes e blindados, que carregam mais agentes de elite. Eles sempre estão muito bem armados, com metralhadoras, granadas, óculos de visão noturna e armaduras a prova de balas. As equipes estão sempre a postos – são eles os primeiros a agir caso as coisas fiquem realmente feias. Enquanto eles trabalham, a equipe de seguranças particular do presidente se encarrega de tentar evacuá-lo do local.

O ID Car, o carro que leva a Divisão de Inteligência do presidente, está lá para comunicar-se com todo o resto do comboio, com as autoridades locais e com os agentes de vigilância aérea que sobrevoam a carreata.

President Obama Visits Walter Reed National Military Medical Center - Bethesda

O veículo seguinte é a Unidade de Contenção de Materiais Perigosos. Trata-se de um furgão blindado que carrega equipamentos capazes de detectar armas biológicas ou químicas que possam ameaçar a integridade do comboio. Ele também leva dispositivos para responder a possíveis ataques destas armas.

As vans da imprensa vem a seguir. Elas são reservadas a jornalistas e repórteres da grande imprensa, e também carregam câmeras todos os equipamentos eletrônicos necessários caso seja preciso cobrir algum acontecimento e manter o povo americano informado a respeito da situação do presidente.

Barakck Obama

Roadrunner é um dos últimos veículos do comboio, e um dos mais importantes, pois é o veículo de comunicação. É ele que fornece os sinais de rádio, internet e TV criptografados para que o presidente possa se comunicar com o Pentágono e com o resto do mundo em qualquer situação. Acredita-se que o Roadrunner também forneça a comunicação para ativação de armas nucleares, caso necessário. Por fim, uma ambulância e mais pelotão de motocicletas forma a retaguarda.

O comboio do presidente dos EUA deve conter todos estes elementos, em qualquer lugar onde o presidente esteja. Os veículos, especialmente as limousines e os SUVs armados, são transportados por helicópteros dos EUA até onde seja necessário. Os demais, como as motocicletas, o route car e o lead car, podem ser substituídos por equivalentes.

download (3)

O comboio presidencial em Bagdad, a capital do Iraque

Toda esta infraestrutura tem um custo absurdo: US$ 2.600 (cerca de R$ 8.000) por minuto, gastos combustível, seguro dos veículos, bilhetes de pedágio e, claro, o pagamento de todo este pessoal.

Matérias relacionadas

Os motores mais legais… que nasceram de outros motores – Parte 1

Dalmo Hernandes

Eu conheci Akira Nakai da RWB – e o Blackbird do filme Wangan Midnight

Leonardo Contesini

Um Série 1 com o motor V10 do M5 é o engine swap mais incrível que se pode fazer com um BMW

Dalmo Hernandes