FlatOut!
Image default
Car Culture

Conheça o mais raro dos Porsche Carrera GT

Se todo Porsche já pode ser considerado um carro especial e até exclusivo por natureza, os supercarros fabricados em Stuttgart o são ainda mais. A Porsche sempre planeja muito bem seus superesportivos, e cada um deles nasceu sob um contexto específico e tinha um propósito.

O primeiro deles, o Porsche 959, nasceu como protótipo do Grupo B e, apesar de baseado no 911, era uma vitrine de novas tecnologias – motor biturbo de arrefecimento misto, sistema de tração integral e carroceria de Kevlar, só para citar algumas. O 911 GT1 Strassenversion era o especial de homologação para o WEC, incluindo as 24 Horas de Le Mans, e era praticamente uma mistura de 911 com 962. O Porsche 918 Spyder, com seu motor V8 aspirado e dois motores elétricos, foi um dos pioneiros da tecnologia híbrida moderna – ao lado de Ferrari LaFerrari e McLaren P1.

Não, nós não esquecemos o Porsche Carrera GT. Mas o único Porsche de rua com motor V10 central-traseiro é o nosso assunto de hoje, e por isso ficou por último.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: 30% OFF na loja, acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, participação no nosso grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!). Exponha ou anuncie até sete carros no GT40 e ainda ganhe descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$ 26,90 / mês

ou

Ganhe R$ 53,80 de
desconto no plano anual
(pague só 10 dos 12 meses)

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura básico. 15% OFF na loja, acesse todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de poder expor ou anunciar até três carros no GT402.

R$ 14,90 / mês

ou

Ganhe R$ 29,80 de
desconto no plano anual
(pague só 10 dos 12 meses)

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

Apresentado como conceito no Salão de Paris em 2000, o Porsche Carrera GT era o fruto de dois programas abortados – o protótipo LMP2000, que foi criado para as 24 Horas de Le Mans, e o motor V10 de Fórmula 1 que a Porsche desenvolveu para a equipe Footwork, mas também acabou na geladeira. Na real, o Carrera GT era apenas uma forma de aproveitar o que havia restado dos dois projetos. Mas a recepção do público foi tão positiva que a Porsche pensou “bem, por que não dar ao povo o que o povo quer?”

Assim, em 2003, o Carrera GT de rua foi apresentado. Praticamente igual ao conceito – e, honestamente, dono de um visual limpo e bem resolvido que envelheceu muito bem. Dá para dizer que esse carro tem quase 20 anos?

Foram feitos 1.270 exemplares do Carrera GT entre 2003 e 2005 – o plano era produzir 1.500 exemplares até 2006, mas as normas de segurança nos Estados Unidos (que compraram sozinhos mais da metade dos exemplares) mudaram – tornando o Carrera GT inadequado. Em vez de modificar o projeto, a Porsche decidiu simplesmente encerrar o ciclo de vida do carro por ali. De todo modo, foi o suficiente para que, na época, ele fosse o supercarro mais vendido do planeta – em 2005, só o número de exemplares do Carrera GT nos EUA já superava as vendas globais de McLaren F1, Ferrari Enzo e Pagani Zonda combinados. Claro que muita coisa mudou de lá para cá, mas não deixa de ser um fato marcante.

Por outro lado, dizem também que nada é tão bom que não possa melhorar. E foi por isso que, em 2013, o dono de um dos Porsche Carrera GT decidiu que seu superesportivo precisava de alguns ajustes. E foi assim que nasceu o Porsche Carrera GTZ – ou GT Zagato.

A história é simples, segundo a própria Zagato: um belo dia, o estúdio italiano recebeu a encomenda de “um apaixonado colecionador de Porsche e ex-piloto suíço”. Seu nome nunca foi revelado explicitamente pela Zagato, mas há quem diga que o cliente em questão foi o ex-piloto Ernst Berg, que na verdade é alemão.

Qualquer que seja sua identidade, o fato é que o tal cliente queria um carro que preservasse as linhas gerais do Carrera GT, porém com mais harmonia na silhueta. Desconfia-se que ele escolheu a Zagato antes de qualquer outra casa de design simplesmente por sua independência: enquanto outras carrozzieres icônicas foram sendo, uma a uma, adquiridas por fabricantes (como a Italdesign, que foi comprada pela Volkswagen em 2010), a Zagato permaneceu dona de si mesma, sem amarras com ninguém.

Fundada em 1919 por Ugo Zagato, a empresa ficou conhecida com o passar dos anos por seus desenhos ousados, com uma forte identidade visual – incluindo uma bolha dupla no teto, herança dos carros de competição que tinham o teto baixo demais para acomodar os capacetes dos pilotos. Então, quando o Carrera GTZ ficou pronto, foi uma surpresa: pouco mudou – a dianteira ficou levemente mais arredondada e ganhou um spoiler frontal maior, o para-choque traseiro também foi redesenhado, com um difusor mais discreto e saídas de escape sem as molduras na cor prata.

A maior mudança ficou na parte posterior. No Carrera GT normal, o santo-antônio integrado tinha dois arcos que se sobrepunham às tomadas de admissão do motor. O projeto da Zagato deu à região formas mais fluidas, com uma linha contínua do teto à traseira, dando ao superesportivo ares de cupê. Quem não conhece o Carrera GT original em detalhes pode até confundir os dois.

Quando o carro ficou pronto, seu dono fez questão de utilizá-lo como se deve, participando de track days e provas de regularidade. A Zagato não mexeu no conjunto mecânico – primeiro porque não era sua especialidade, e segundo porque simplesmente não era necessário.

O motor V10 de 5,7 litros e 612 cv e 60,1 kgfm de torque, ligado a um câmbio manual de seis marchas, era suficiente para garantir desempenho que não faria feio mesmo hoje: o zero a 100 km/h era cumprido em 3,5 segundos, de zero a 200 km/h em 10 segundos, e a velocidade máxima era de 330 km/h. Além disso, os 1.380 kg do Carrera GT o tornavam leve para os padrões dos supercarros modernos.

A princípio, a ideia era que o carro fosse um one-off. Mas a Zagato, sem suporte de uma fabricante, não se opôs quando o colecionador americano Kris Singh, quis seu próprio Carrera GT Zagato.

O carro foi feito ao longo do ano de 2019, de forma artesanal, e foi entregue a tempo do natal. Originalmente com pintura em dois tons – preto no teto e um chamativo verde metálico na parte inferior, em meados de 2020 o Carrera GT recebeu uma nova pintura mais discreta, em um tom de verde mais escuro que lembra bastante o famoso “British Racing Green”. O resultado é um carro elegante, quase atemporal – que ajuda a evidenciar como o Porsche Carrera GT envelheceu bem.