A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Project Cars Project Cars #326

Corsa GSi Turbo: hora de cuidar do lado de dentro do pocket rocket engravatado

Olá, amigos do FlatOut! Espero que estejam todos bem e na paz de Deus. Primeiro, peço desculpas pelo tempo que levou desde a última postagem, comecei a estudar novamente e isso acabou (e ainda está) consumindo boa parte do meu tempo vago. Além disso, descobri que vou ser papai, e isso também fez minha mente ser direcionada para outro pensamento que não é o GSi (e nem sua venda).

Bem, para recapitular: no primeiro post, contei a minha história com os Chevrolet, como encontrei o Manco, meu Corsa GSi, e o acidente que sofremos após as primeiras semanas com o carro.

No segundo post, vocês ficaram sabendo como me recuperei do acidente, o divisor de águas do projeto e toda a preparação do carro no seu “stage 1”. Neste último post que escrevo agora para vocês, eu havia me comprometido a falar sobre os encontros e as primeiras arrancadas que participei com o carro e alguns detalhes que fazem a diferença.

Detalhes que fazem a diferença

Como vocês puderam ver, o carro precisava de um dono que cuidasse dele à altura. Assim, tentei também não negligenciar nada: nem as manutenções periódicas, nem a performance, nem a estética “básica” do carro. As manutenções/modificações abaixo não seguem uma ordem especifica em relação ao acontecimento eventos, mas vou por (quase) tudo “de uma vez” pra organizar melhor as idéias!

 

Manutenções

Sempre bom é poder andar com o carro para onde quiser sem a necessidade de se preocupar se ele vai te deixar na mão. Então, requisito básico comigo é manutenção em dia. Neste meio tempo com o Manco, além de algumas trocas de óleo e filtro (necessárias e básicas), também troquei toda a parte de fluídos: óleo de direção hidráulica (Texamatic), óleo de freio (Varga DOT4) e o líquido de arrefecimento, sempre com aditivo na proporção correta, além do filtro de cabine (este estava horroroso):

Também fiz uma limpeza breve no cofre do motor, além de comprar a capa superior da correia dentada (não tinha quando comprei o carro) e de trocar o reservatório do arrefecimento (estava escuro, muito feio). O reservatório de óleo de freio foi limpo e ficou apresentável. O resultado:

 

Interior

Local onde prezo bastante pelo bom gosto e conforto, pois passo muito mais tempo dentro dele. Então algumas alterações pra “requintar”, aliando conforto:

– Teto Solar elétrico


Poucos sabem, mas curiosamente, o teto solar do Corsa GSi não era de série, portanto, existem alguns GSi por aí sem teto solar. Era um opcional, que foi muito adquirido na época; apesar de tamanho opcional que era para um Corsa, todos os GSi do Brasil (não sei no exterior) possuíam teto solar manual, com abertura/fechamento à manivela. Porém, o motor dos Vectra B e Ômega casam perfeitamente, mudando somente o acabamento. Assim, adquiri um motor com chicote, botão e o acabamento. Ficou ótimo, abrir e fechar o teto apenas segurando um botão é muito bom!

– Revestimento do volante em couro

Couro 1 Couro 2

O volante do GSi é diferente dos demais (possui três raios e seu diâmetro é menor, agregando esportividade),  e já vem com revestimento em couro de fábrica. Porém, o meu estava com um rasgo muito feio no couro da parte superior, então decidi refazer o revestimento. Enviei o volante a uma empresa renomada de SP e gostei muito do resultado final.

– Iluminação interna


Uma das coisas que sempre faço em meus carros é trocar a iluminação do painel e do que puder e conseguir. Neste painel tive que fazer alguns experimentos até ficar como gostaria. Para chegar a este resultado visto acima, fita de led em tudo, “controlando” a iluminação (leia-se tampando parte dos leds) dela em alguns pontos para ter iluminação harmoniosa em tudo.

 

Os ponteiros originalmente brancos foram pintados de laranja, e coloquei aros cromados em volta dos instrumentos. Para fechar, imprimi em papel fotográfico um logotipo “GSi”, que foi colado direto no painel (este teve a região do adesivo “raspada” para permitir passagem de iluminação). O painel de controle do ar e o TID (computador de bordo) também ficaram com leds brancos.

Agora estou tomando coragem para trocar a iluminação dos botões de vidro elétrico e afins.
Aproveitando, coloquei os manômetros propositadamente no local onde originalmente existe o cinzeiro e acendedor de cigarros (não fumo), pois ficam mais escondidos. A iluminação desses manômetros é um caso a parte… Sou até suspeito em falar porque considero essa linha de manômetros da ODG a melhor já fabricada em termos de estética.

– Maçanetas internas Cromadas de metal

Maçanetas 1 Maçanetas 2

“Copiando” de seus co-irmãos Vectra, Zafira e Astra, troquei as maçanetas internas por um par de metal cromadas. Me surpreendi com a qualidade delas (não são originais), e são de metal mesmo! Gostei do resultado final.

– Manopla de câmbio Sparco

Único item “não original” do conjunto de pilotagem, encontrei neste modelo de manopla o que eu procurava em uma: compacta, boa pegada, não atrapalha o limitador de ré que o câmbio GM possui e um excelente visual. A qualidade de acabamento dos produtos Sparco nem precisa citar.

Botão de trava das portas

Trava 1

O Corsa GSi possui travas elétricas de fábrica, e uma coisa que me incomodava um horror era ter que me torcer inteiro para puxar o pino de porta do lado motorista cada vez que quisesse  travar ou destravar a minha porta ou a do passageiro. Então comprei um botão de trava das portas do Astra, e com a ajuda de alguns amigos (Junior e Bruno, valeu!), fizemos a “cirurgia” no console de câmbio e eu fiz a instalação elétrica. Ficou no “padrão original, não acham?

– Extensão do console de câmbio do Tigra

Console 1

Alguém aqui lembra do Chevrolet Tigra? Sim, ele e o GSi são bem parecidos em construção (ao menos até o túnel de câmbio, penso eu), portanto, muitos itens entre si são completamente compatíveis. Um deles é esse console. Consegui em um Tigra desmanchado por uma mixaria. Gostei muito do resultado final “a lá anos 90”. Ah se o vendedor soubesse a raridade dessa peça…
– CD Player Alpine

CD 1

Sou apaixonado por música, mas confesso que ouço pouco quando estou dirigindo (porque será, não é mesmo?). Mesmo assim, não podia deixar de investir em um bom cd player, e assim, adquiri de um amigo este Alpine. Baita qualidade de som tem esse bicho! Fico surpreso como toca, mesmo tendo pouca qualidade de alto falantes no carro neste momento. O visual dele aceso também é muito bonito (mas esqueci de tirar foto de perto, só tem a do painel por completo), perdoem-me, e acabou por casar com a proposta de iluminação do carro.

Exterior

O “lado de fora” do carro precisa estar a contento do restante, porque é o mais visto certo? Por isso, fiz o seguinte:

Churrasqueira (grade pára-brisa) do Tigra

Churrasqueira 1 Churrasqueira 2

Item raríssimo de se conseguir em bom estado e por um bom preço. Possui um visual bem mais arrojado que a original dos Corsas, e seu encaixe também é perfeito. Notem na foto acima a diferença e como a danada agrega valor ao stance do carro!

– Faróis

Farol 1 Farol 2 Farol 3

Na primeira foto, estão os faróis que vieram com o carro. A iluminação deles era péssima, e com a batida, tive que trocá-los. Coloquei os Junyan com projetor (segunda foto), a principio gostei, mas com o tempo fui percebendo que eles estavam matando (no sentido de  prejudicar) o stance proposto pro carro.

Então, atendendo a pedidos (#sqn, influenciaram em partes sim, mas a decisão final de trocar foi minha mesmo), consegui com um amigo um par de faróis máscara negra Arteb originais GM (valeu Renan!). A máscara desses faróis é fosca, e convenhamos, na minha opinião deu um aspecto matador ( no sentido de “f*ck yeah!”) ao carro, aquela cara de “sombrio” na medida certa.
– Saias laterais

Não sei se vocês se lembram, mas o carro não tinha a saia lateral do lado passageiro quando o comprei. Esse item foi um dos que me deu maior dor de cabeça para conseguir. Após 6 meses de muita busca, uma pessoa me chamou no whatsapp (lindo não?) oferecendo uma em fibra.
Não tive duvidas e arrematei. Em um fim de semana, eu e o tio Alan (aquele que me cedeu o galpão para montar a mecânica, lembram?) partimos para a instalação, e o resultado final do carro com as duas saias instaladas é esse:


– Rodas

Já falei sobre elas no post anterior, mas não custa relembrar. O jogo que o carro veio calçado eram aro 16 do irmão GM Astra SS, mas não é uma das rodas que gosto mais. Quando nos acidentamos e as rodas foram pro brejo, troquei por um jogo também do Astra, mas modelo Elite, mantendo a medida 16. Algum tempo depois consegui um jogo de pneus Toyo Proxes T1R 195/45 em bom estado por um preço justo. Casamento perfeito!

– Emblemas GM

Pode parecer besteira considerar algo assim, mas como agrega valor, acho muito valido. Com ajuda de conhecidos, descobri esse emblema GM que originalmente veio em um dos modelos do Astra (sempre ele!), não lembro agora qual. O resultado foi um toque de requinte a mais:

Emblema 1 Emblema 2

– Escape

Esse é um dos itens que agrega não apenas valor estético, mas também funcional e de desempenho. O Manco tem escape de 2,5″ da turbina até o final, com dois abafadores. O abafador final alias, foi trocado por um de inox de 4″ de corpo e saída de 3,5″; era o que faltava para “fechar” o visual do carro.

Porém, uma vez por influência de amigos, resolvi “arrancar” o escape inteiro, deixando apenas o downpipe, e então descobri quão maravilhoso é o ronco de um carro turbo sem escape ( termo usado quando se anda só com o cano da turbina, ou como dizem, “só no toco”). Mas, nem tudo são flores não é mesmo? Na primeira viagem mais longa que fiz, o escape perturbava MUITO. Então pensei por que eu não poderia pensar em algo que me oferecesse o melhor dos dois mundos: sem escape quando quisesse, o escape quando viajasse, mas sem o “tira-põe”.

Queimei uns neurônios, encontrei um maluco que topou a idéia (valeu Alemão!) e com uma tbi grande, um cabo de aço e uma chave de acionamento manual, resolvemos a questão: montamos um difusor de escape! Foi soldado um segundo cano no inicio do escape, que finaliza no pé do carona (bem curto). Se quero andar com escape aberto, abro a passagem deste cano pela chave que fica no carro e voilá! Manco sem escape. Se vou viajar ou estou sem saco mesmo, basta fechar a chave e o conjunto de abafadores fazem a vez e garantem o silencio e conforto:


Ufa! Extensa a lista não? É, mas se segure ai, porque ainda tem bastante coisas por vir!

Por Jonathan Farias, Project Cars #326

0pcdisclaimer2

 

Matérias relacionadas

The Best of Project Cars: relembre a história do BMW 525i E34 com motor de M3 E36 e câmbio manual

Leonardo Contesini

Gol GTS: depois do motor, hora de acertar a suspensão e a alimentação do PC #88

Leonardo Contesini

Project Cars #521: a história do meu BMW 323Ci E46

Project Cars