A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture História

Dacia S2000: o Logan de 270 cv que quase correu no WRC

Lançado no Brasil em 2007, o Renault Logan era bem diferente antes de se tornar um gêmeo de três volumes do Sandero. Com linhas retas, faróis pequenos e proporções truncadas, seu design remetia à década de 1990. O acabamento era bem mais simples e barato, mas o espaço interno era acima da média, e a mecânica já era conhecida da linha Renault no Brasil. Logo o projeto romeno abrasileirado tornou-se sinônimo de carro feio, porém competente para uso no dia-a-dia.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, download de materiais exclusivos, participação em sorteios e no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), além de veiculação de até 7 carros no FlatOuters e até 3 anúncios no site GT40, bem como descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$20,00 / mês

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

 

Plano de assinatura na medida para quem quer acessar livremente todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de veiculação de até 3 carros no FlatOuters e um anúncio no site GT402.

De R$14,90

por R$9,90 / mês

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

O Logan é o tipo de carro que, em inglês, costuma ser chamado de workhorse – “pau para toda obra”, em uma tradução livre. A gente não costuma enxergá-lo como um carro entusiasta. E é justamente por isto que a ideia de um Logan de competição soa tão alienígena.

Mais especificamente, de um Logan de rali – um carro que quase existiu de verdade, com equipe de fábrica e tudo: o Logan S2000.

Não foi uma iniciativa da Renault, mas sim da Dacia, a subsidiária romena da empresa, criadora da plataforma original de Logan, Sandero e Duster.

A ideia era adequar-se a uma nova categoria de rali que a FIA anunciou em 2005 (de fato, dois anos antes da estreia do Logan no Brasil), a Super 2000 ou simplesmente S2000. Precursora da atual WRC2, a S2000 era a classe intermediária entre a Super 1600 (usada no WRC Junior) e a categoria principal. Inicialmente, exigia-se motores naturalmente aspirados de até 2.000 cm³, mas hoje em dia também são permitidos motores 1.6 turbinados. A potência máxima é limitada em 280 cv, e o câmbio é sempre sequencial de seis marchas, fornecido pela Sadev.

Com modificações relativamente simples na mecânica, na carroceria e na suspensão, a S2000 visava oferecer às fabricantes a oportunidade de manter uma equipe de fábrica no WRC a um custo mais baixo – tanto que hoje, fabricantes como a Skoda, a Lada e a Seat mantém programas no WRC2 ao lado de empresas como Volvo, Citroën, Ford e Chevrolet, optando por não ingressar na categoria de topo.

As circunstâncias do projeto são um tanto misteriosas. Acredita-se que, com o sucesso imediato do Logan em sua terra natal, onde foi lançado em 2004, a Dacia tenha convencido a Renault a vender o sedã na Europa Ocidental. Sua participação na S2000 poderia servir como chamariz para o público. A Dacia foi, na verdade, a primeira fabricante de carros a iniciar o desenvolvimento de um carro para a WRC S2000.

As informações sobre o carro são escassas. Sabe-se que ele tinha um motor 2.0 naturalmente aspirado com potência entre 260 cv e 280 cv, e utilizava, obviamente, a transmissão sequencial de seis marchas Sadev exigida pelo regulamento. Este também exigia o uso de suspensão MacPherson nas quatro rodas. De acordo com o que se sabe, muitos componentes foram reaproveitados do Renault Clio S1600 que já competia na época, como os freios (discos de 343 mm na frente e 265 mm atrás) e demais sistemas.

O projeto teve início em 2005, e levou dois anos para que o primeiro e único protótipo construído fosse testado pela primeira vez em 2007, com o piloto Simon Jean-Joseph ao volante. Existem apenas um punhado de fotos e um único vídeo do carro em ação, todos em resolução baixa – mais nenhuma documentação visual.

O programa do Dacia Logan S2000 foi cancelado pouco depois, sem razão aparente. Acredita-se que a Renault decidiu que não era uma boa ideia investir na criação de um segundo carro de rali quando já havia o Clio S1600 – que, entre o público ocidental, tinha um apelo muito maior. Desde 1999, quando foi comprada pela Renault, a Dacia agiu como sua marca de baixo custo. Mesmo que o carro fosse oferecido a clientes, cada um deles custaria entre € 110.000 e € 150.000, o que efetivamente ia contra a proposta acessível do Logan.

Agora, embora não tenha entrado para o WRC, o Logan acabou virando carro de competição: ainda em 2007, foi inaugurada a Logan Cup, categoria monomarca na qual os carros continuam usando o motor 1.6 de 90 cv original de fábrica. As modificações são concentradas na redução de peso e em melhorias na suspensão, freios e pneus. E os carros que competem ainda são da primeira geração.

As corridas da Logan Cup acontecem em circuitos na Alemanha, na França, na Rússia e na própria Romênia. Alguns dos carros da Logan Cup também disputam o Campeonato Romeno de Rali sob as regras do Grupo N, com motor preparado para entregar 95 cv.

Matérias relacionadas

Ferrari F1 Clienti: quando os fãs (milionários) da marca vão para a pista em seus próprios carros de Fórmula 1 da Scuderia

Dalmo Hernandes

Nove animes de carro que você precisa assistir (que não são Initial D)

Dalmo Hernandes

Silhouette Formula: o Nissan Skyline que arrepiou nas pistas antes do Godzilla

Dalmo Hernandes