A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Lançamentos

Dodge Charger Widebody: um muscle sedã com 717 cv e 1G de aceleração lateral

Há alguns meses eu falei sobre como o Dodge Challenger é um dos carros mais importantes em produção atualmente porque ele simboliza uma ligação concreta com o passado que aprendemos a gostar e que nos foi tirado de repente. Na verdade, eu esqueci de um outro carro que tem o mesmo significado para os entusiastas, mas faz ainda menos sentido que o Challenger: seu irmão de plataforma, o Charger.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, download de materiais exclusivos, participação em sorteios e no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), além de veiculação de até 7 carros no FlatOuters e até 3 anúncios no site GT40, bem como descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$20,00 / mês

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura na medida para quem quer acessar livremente todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de veiculação de até 3 carros no FlatOuters e um anúncio no site GT402.

 

De R$14,90

por R$9,90 / mês

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

Por que ele faz menos sentido? Porque o Challenger é um esportivo e você espera que os esportivos sejam exagerados, barulhentos e insanos. Mas você não espera que um sedã familiar seja assim. E o Charger é um sedã familiar que, por (má)influência do seu irmão, se tornou um porra-louca que não está nem aí para o que o mundo está pensando.

Ele já apresentava traços de mau-comportamento há dez anos, quando ainda se limitava ao SRT-8, com seu Hemi 6.1 aspirado de 430 cv. Mas depois que envelheceu e já não concorria com a maioria do mercado, a Dodge começou a usá-lo como base para experimentos de mercado. Primeiro ele ganhou a versão Super Bee com o motor 6.4 “Apache” de 476 cv. Depois veio a SRT 392 com uma versão de 490 cv do mesmo V8 Apache. Foi a primeira vez que um Charger andou a 300 km/h.

Então, em 2015, por influência do Challenger Hellcat, ele ganhou seu V8 supercharged de 717 cv e se tornou o sedã mais potente do mundo, o que não faz o menor sentido — mas ninguém está reclamando…

Agora, ele ficou um passo mais próximo da insanidade completa, com a nova versão Widebody.

Confesso que esperava algum upgrade no motor, algo para dar a ele a mesma potência do Challenger, quem sabe uma versão Red Eye com 800 cv. Pensando bem, acho que a Dodge nos deixou mal-acostumados. Ele mantém os 717 cv e os 89,7 kgfm, mas ganhou uma nova carroceria alargada em 8,9 cm para abrigar suas novas rodas de tala 11 e 20 polegadas de diâmetro com pneus Pirelli P Zero 305/35. O mais louco é que não são as rodas traseiras apenas: as quatro rodas têm 11 polegadas de largura e pneus 305.

Além dos para-lamas protuberantes e das rodas taludas, ele também ganhou freios Brembo com pinças de seis pistões na dianteira e quatro pistões na traseira. Os amortecedores Bilstein de três modos foram recalibrados, as molas são 32% mais rígidas e as barras estabilizadoras são mais espessas — 2 mm na frente e 3 mm na traseira.

Do Challenger também vieram os sistemas Race Cooldown, que mantém a bomba do intercooler e o ventilador do radiador ligados após o desligamento do motor, e o Launch Assist, que modula a aceleração do motor para recuperar a aderência durante as arrancadas, complementando o controle de largada, que é equipamento de série. Além disso, como um bom herdeiro dos Ramchargers, o line block também é de série. Por último, o carro ganhou um novo sistema multimídia de 8,4 polegadas e trocou a direção hidráulica por um sistema de assistência elétrico.

O desempenho ficou pouco pior em linha reta, mas melhorou nas mudanças de direção — ao menos em tese. Com o arrasto dos pneus mais largos e da carroceria mais larga, a aceleração de zero a 100 km/h agora é feita em 3,6 segundos em vez de 3,4 segundos. A velocidade máxima também é menor — 12 km’h menor: 315 km/h vs 327 km/h. Os mesmos pneus e a nova suspensão, contudo, deram mais aderência e estabilidade dinâmica ao carro, que agora chega a 0,96g de aceleração lateral. Para colocar à prova suas novas habilidades sinuosas, ele irá disputar edição deste ano da subida de montanha de Pikes Peak.

Além do Hellcat, que deixa de ter a carroceria estreita, a nova carroceria Widebody é um opcional para o Charger Scat Pack 392, que também ganha as rodas mais largas, os amortecedores Bilstein adaptativos, molas mais firmes e barras estabilizadoras mais espessas. Com o kit, o Scat Pack 392 vai de zero a 100 km/h em 4,3 segundos e cobre o quarto-de-milha em 12,4 segundos a 178,6 km/h.

Matérias relacionadas

Você vai ficar hipnotizado pela abertura do teto do Porsche 911 Targa

Dalmo Hernandes

Te cuida, LaFerrari FXX K: este é o McLaren P1 GTR, o novo hipercarro de 1.000 cv para as pistas

Dalmo Hernandes

Este trio de restomods da Ruf é o sonho de todo fã do Porsche 911

Dalmo Hernandes