A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Projetos Gringos Zero a 300

Esta película auto-regenerativa faz os riscos do seu carro desaparecerem – mas como?

Se tem uma coisa que irrita profundamente qualquer entusiasta é um risco novo na lataria do seu carro. É claro que só não está sujeito a este tipo de coisa um carro que nunca sai da garagem, mas ver que alguém raspou no seu carro estacionado ou que algum moleque passou uma chave por toda a lateral do seu possante. Às vezes um polimento resolve mas, dependendo da profundidade do risco, só uma repintura pode recuperar a lataria.

É por isto que, em vez de pintar, há quem prefira envelopar um carro – além de modificar a cor da carroceria de uma forma mais prática, rápida e barata, o envelopamento acaba protegendo a pintura contra estes danos mais leves. E você pode até envelopar com filme transparente. Isto costuma ser feito em carros mais caros, pelo menos nos para-choques e para-lamas, para proteger a pintura das peças de pedrinhas e outros detritos que possam ser atirados contra o carro quando o mesmo está em movimento. Quando estiver feio demais, é só retirar a película, limpar e polir a superfície pintada e aplicar uma nova película.

Mas que tal uma película que dispensa trocas, e que se “regenera” sozinha para esconder os riscos? Isto existe, e parece bruxaria.

Os riscos feito no filme aplicado sobre a carroceria com uma escova de aço desaparecem com o calor. Pode ser um secador de cabelo, o calor do sol ou água quente, e o efeito é praticamente instantâneo. É como se a água lavasse os riscos da película. Acontece que a maioria das coisas que parecem bruxaria ou mágica pode ser explicada com ciência. Neste caso, não é diferente.

Jason Fenske, apresentador do excelente canal Engineering Explained, decidiu demonstrar. Para isto, ele aplicou o filme em seus dois carros – um Honda S2000 (um dos esportivos mais incríveis de todos os tempos) e um Subaru Crosstrek (crossover feito com base no Subaru Impreza).

Fenske usa uma escova de metal para fazer um risco na pintura do Subaru (ele não tem coragem de fazer o mesmo no S2000…). É doloroso ver o risco sendo feito, mesmo sabendo que há uma película protetora ali.

Um filme transparente autoadesivo normal seria removido e, com ele, o risco. No entanto, outra película teria de ser aplicada para manter a área protegida. No entanto, ao usar um soprador de ar quente ou mesmo água quente, o risco desaparece e fica impossível saber que a superfície foi riscada.

Primeiro, devemos confessar uma coisa. A película, chamada XPel Ultimate, na verdade não é regenerativa. Na verdade, sua capacidade de esconder riscos vem de duas características: resistência e elasticidade.

composition

A película é composta por três camadas, mais um filme protetor. Este filme protetor é feito de poliéster, tem 0,076 mm de espessura e é removido no momento da aplicação, depois que o carro já foi limpo e seco. A primeira camada é de adesivo plástico, com 0,040 mm de diâmetro, que é muito mais forte na área contato com a película, e permite que a mesma seja removida com facilidade sem deixar vestígios de cola. A segunda camada, de poliuretano, é a responsável pela proteção da carroceria, com 0,152 mm de espessura.

Esta segunda camada é porosa e, por isto, sua eficácia teoricamente tem prazo de validade. Como o poliuretano é poroso, sujeira e impurezas podem se acumular nele e torná-lo amarelado e fazer a película se soltar. Por outro lado, é justamente esta porosidade que ajuda o material a proteger a pintura de riscos: quando algo é pressionado contra a película, a energia deste objeto é dissipada ao longo da camada de poliuretano, o que evita que a pintura do carro seja atingida.

A terceira camada é que torna a proteção permanente. Trata-se de uma camada de verniz transparente de 0,013 mm que impermeabiliza a película e também oferece certo nível de elasticidade. É isto o que possibilita o “desaparecimento” dos riscos.

Ao ver uma escova de aço sendo esfregada contra a película, temos a impressão de que a mesma se rasgou ou se rompeu, danificando-se no lugar da pintura. Na verdade, porém, não é isto o que acontece: não há qualquer dano e, se houvesse, seria permanente.

O que acontece com a película é uma simples deformação. Ela é forte o bastante para não se romper, mesmo que se aplique uma quantidade considerável de pressão com um objeto pontiagudo; e elástica o bastante para retornar à sua forma original quando aquecida.

E não precisa ser necessariamente uma fonte de calor próxima: se você deixar o carro estacionado sob o sol, o calor vai aos poucos fazer com que a película se recupere das pequenas deformações.

Em questão de minutos, no máximo horas, os riscos vão desaparecer. E como, no total, a película tem menos de 0,3 mm de espessura e é 100% transparente, é praticamente impossível saber que um carro foi envelopado até te contarem. E é preciso olhar bem de perto.

honda-s20001

É claro que não custa barato. Um pedaço de XPel Ultimate de tamanho suficiente para cobrir o para-choque dianteiro de um esportivo moderno, como uma Ferrari 488 GTB ou um Porsche 911 991, por exemplo, custa o equivalente a R$ 2.000. Se quiser cobrir um carro mais antigo, ou uma área maior, é preciso fazer recortes sob medidas, o que pode elevar o preço do serviço em até dez vezes.

Matérias relacionadas

Ford pode voltar a Le Mans, perua do Golf deve vir ao Brasil, a morte de Andrea de Cesaris e mais

Leonardo Contesini

Estas são as camadas da pista de Indianápolis depois 108 anos de história (e reformas)

Dalmo Hernandes

Mais fraudes nos postos de combustível, McLaren P1 tem produção encerrada, Alemanha testará limites de velocidade nas Autobahnen e mais!

Leonardo Contesini