FlatOut!
Image default
Carros Antigos Projetos Gringos

Este BMW “3002 ttii” é um restomod com um seis-em-linha biturbo de 340 cv

Há certos carros que não precisam de uma gigantesca manada de cavalos para serem empolgantes. Isto é verdade com vários carros modernos, claro, mas a tendência natural é olharmos para o passado quando procuramos evidências. E os sedãs e cupês da família Neue Klasse da BMW, especialmente o modelo 2002, são belos exemplos.

Você provavelmente já leu isto em nossas páginas antes, mas lá vai de novo: o BMW Neue Klasse foi lançado em 1962 e fabricado até 1967, em diferentes configurações de carroceria (sedã, cupê e hatchback) e equipado com uma gama de motores de quatro cilindros que ia de 1,5 a dois litros. Seu sucesso de público se devia não apenas ao visual para lá de agradável, mas também por seu preço, sua robustez e seu comportamento dinâmico.

Qualquer BMW 2002 já é um carro fodástico, mas tem gente que apela

Fica mais interessante quando notamos que mesmo as versões mais potentes tinham números relativamente modestos. O modelo mais icônico de todos, o 2002, por exemplo: seu quatro-cilindros de 1.990 cm³ entregava 130 cv no 2002 tii, que tinha taxa de compressão elevada e injeção de combustível. Definitivamente não é um número alto, mas o carro pesava apenas 997 kg e, assim, era capaz de chegar aos 185 km/h — nada mau para um carro lançado em 1971. Além disso, a suspensão (McPherson na dianteira e braços semi-arrastados na traseira) era muito bem acertada.

O que nos leva ao assunto de hoje. Por mais que um carro seja bacana mesmo sem tanta potência, há quem acredite que alguns cavalinhos a mais não fazem mal algum. Desse modo, fica fácil entender por que este BMW 2002 equipado com um seis-em-linha biturbo de três litros e 340 cv é tão fodástico. Olha só para ele!

Paul Cain's 1974 BMW 2002 Twin Turbo - The 'BMW 3002ttiL'

O carro é uma criação de um cara chamado Paul Cain. Se você não come, bebe e respira BMW, talvez não o conheça. No entanto, entre os fanáticos pelas ultimate driving machines, o cara é muito respeitado: além de ser um dos fundadores do Legends of Autobahn — uma espécie de Worthersee para carros da BMW que acontece todos os anos em Monterey, na Califórnia, ele criou um dos project cars mais apreciados entre os entusiastas da marca bávara.

Ele se chama BMW 3002 tii, e a esta altura, você já deve ter sacado o porquê do nome: se o 2002 tii tinha um motor de dois litros, o 3002 tii de Cain tem um motor de três litros. Sua origem: o cofre de um BMW X5 fabricado em… 2002 (bem sacado). O SUV era movido por um seis-em-linha de três litros chamado M54 que, originalmente, entregava 231 cv. Agora, com dois turbocompressores KKK operando a 0,6 bar, a potência é de 340 cv. O torque, que originalmente era de 30,5 mkgf, passou para 43,7 mkgf. A transmissão é manual, de cinco marchas, da Getrag.

Cain escolheu o M54 porque, apesar de ter dois cilindros e um litro de deslocamento a mais, ele é todo feito de alumínio. Assim, seu peso é apenas 17 kg maior que o do motor original, que tem bloco de ferro fundido. Desse modo, a distribuição de peso não seria prejudicada.

Paul Cain's 1974 BMW 2002 Twin Turbo - The 'BMW 3002ttiL'

Aliás, o exterior recebeu para-lamas alargados e faixas nas cores da BMW Motorsport, em um visual que lembra bastante o BMW 2002 Turbo — versão com turbo (ah, jura?) e 170 cv no motor 2.0. As rodas também são maiores de 17×8 polegadas, e fabricadas pela Alpina (que, não por coincidência, começou preparando o BMW 2002 para as pistas). Os freios são Brembo, com pinças de quatro pistões, iguais aos usados no Porsche 911 993 biturbo.

Paul Cain's 1974 BMW 2002 Twin Turbo - The 'BMW 3002ttiL'

Mas estas são as mudanças que se vê. Outras, não se vê: a parte interna dos para-lamas foi alterada para dar espaço aos turbocompressores, ao intercooler e a todos os dutos necessários. A transmissão, por sua vez, foi deslocada para a traseira do carro, a fim de melhorar ainda mais a distrubuição de peso — agora, são 49% na dianteira e 51% na traseira. Já o stance mais assentado é cortesia dos amortecedores ajustáveis da Bilstein.

Paul Cain's 1974 BMW 2002 Twin Turbo - The 'BMW 3002ttiL'

Por dentro, a atmosfera é uma mistura de old school com racer: todas as forrações são corretas para o período quando o carro foi fabricado; o volante tem menor diâmetro e três raios de metal; instrumentos extras (com a mesma fonte dos mostradores reais) e detalhes em Alcantara e carpete azuis. O toque racer? Não há banco traseiro, e sim uma gaiola de proteção feita sob medida.

3002-ttii (12)1972-BMW-2002-with-a-Twin-turbo-M54-101972-BMW-2002-with-a-Twin-turbo-M54-11

O mais bacana é que o BMW de Cain não entrega sua verdadeira natureza a uma primeira e descompromissada olhada. Você precisa observar bem para enxergar a gaiola de proteção e os freios Brembo, e só abrindo o capô (e ouvindo o ronco, claro) que se nota o seis-em-linha com coletor de fibra de carbono e uma strut bar para manter tudo mais amarrado. Dirigi-lo deve ser uma experiência e tanto.

3002-ttii (21)

Foto: EuroTuner

Agora, um detalhe interessantíssimo: este não é o primeiro BMW “3002” da história. Em 1970, a BMW pegou um 2002 e colocou nele a dianteira (e o seis-em-linha) de um cupê E9 — o clássico  fez muito sucesso nas pistas com a versão 3.0CSL, o famoso Batmóvel.

bmw_3002-1

O novo motor, de 270 cv, fazia milagres pelo carro de 950 kg, que em 1970 competiu no Tour de Course, clássico rali que acontece na França desde 1956.