A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Carros Antigos

Este é o único Plymouth Road Runner Rapid Transit que existe no planeta

No começo da década de 1970, como você deve saber, o mercado automotivo norte-americano estava prestes a entrar em depressão. Mas as fabricantes ainda não sabiam disto – e o ano de 1970 é encarado por muitos como auge do deslocamento e da potência dos muscle e pony cars. As fabricantes apostavam alto em edições especiais com acabamento exclusivo e maior cavalaria. Nem parecia que dali a três anos, em outubro de 1973, a Crise do Petróleo se abateria sobre o mercado e colocaria um fim no reinado do American muscle.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, download de materiais exclusivos, participação em sorteios e no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), além de veiculação de até 7 carros no FlatOuters e até 3 anúncios no site GT40, bem como descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$20,00 / mês

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

 

Plano de assinatura na medida para quem quer acessar livremente todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de veiculação de até 3 carros no FlatOuters e um anúncio no site GT402.

De R$14,90

por R$9,90 / mês

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

Animada pela força que os esportivos tinham naquele momento, a Plymouth lançou em 1970 o programa Rapid Transit System – um vasto catálogo de peças de preparação, itens de personalização e acessórios para seus muscle cars, acompanhados de manuais de instruções para quem quisesse modificar o carro por conta própria. Era mais ou menos como a ideia do Scat Pack que a Dodge apresentou em 1968, e até hoje é utilizado no Challenger.

Mesmo que os muscle cars estivessem começando a dar sinais de cansaço, a Plymouth decidiu investir pesado na ideia, montando até mesmo uma caravana itinerante, a Rapid Transit System Caravan, para divulgar o programa, com a presença de carros modificados com alguns dos acessórios disponíveis. Entre estes carros estava um curioso Plymouth Road Runner com jeito de Hot Wheels, apropriadamente batizado Road Runner Rapid Transit.

O carro foi feito com base na segunda geração do Road Runner, lançada em 1971. A plataforma ainda era a mesma B-Body usada pelo modelo anterior (e também pelo Dodge Charger), mas a carroceria era totalmente diferente, com formas mais arredondadas e um estilo denominado “Fuselage” pela Chrysler – as bordas superiores e inferiores da carroceria eram curvadas, com uma transição suave entre o topo das portas e o teto, e entre as soleiras das portas e o assoalho. Lembrava mesmo a fuselagem de um avião.

O carro começou sua vida como um Plymouth Road Runner comum, equipado com um V8 383 (6,3 litros) com carburador de corpo quádruplo, taxa de compressão de 8,7:1 e 300 cv, acoplado a uma caixa automática Torqueflite de três marchas. Pelo que indicam registros da Plymouth, o conjunto mecânico do carro jamais foi modificado – e o mesmo vale para o lado de dentro, que mantém a linha esporte-fino original do Road Runner.

Tudo é compensado, porém, pela carroceria, que foi totalmente retrabalhada pelo customizador da Chrysler, Chuck Miller usando fibra de vidro. A dianteira remodelada perdia o para-choque cromado circundando a grade e era mais longa, com a face inclinada. Os faróis duplos eram cobertos por capas de acrílico texturizado, e o capô tinha entradas de ar que tomavam quase todo o seu comprimento.

 

Em cada um dos para-lamas havia luzes auxiliares com o formato (e as cores) do rosto do Papa-Léguas, o que rendeu ao Road Runner a alcunha de chicken car – literalmente “o carro da galinha” em inglês. Repare também nas rodas, que receberam calotas planas, pintadas de cinza escuro.

A traseira também foi totalmente refeita, recebendo uma nova tampa do porta-malas com spoiler integrado e, assim como na dianteira, trocando os para-choques por um painel liso. Nele ficavam embutidas as lanternas tricolores, protegidas sob lentes translúcidas.

A carroceira foi pintada em duas cores, laranja e branco, ambas perolizadas, em um esquema que lembra o carro de Starsky & Hutch.

O Plymouth Road Runner Rapid Transit era o mais popular dos conceitos da caravana, que atravessou os EUA de leste a oeste, passando por mais de 100 concessionárias pelo caminho. E, acredite, ele nunca foi restaurado: depois que a turnê acabou, o carro participou de alguns eventos antes de ser devolvido a Chuck Miller, que o manteve guardado em uma garagem por décadas – com apenas 1.300 milhas (o equivalente a quase 2.100 km) marcadas no hodômetro.

No fim da década de 1990, o carro foi vendido ao colecionador americano Steven Juliano, que morreu em setembro de 2018. No próximo mês de maio, parte de sua coleção será leiloada em Indianápolis pela Mecum Auctions. O Road Runner Rapid Transit será um dos destaques – segundo a Mecum, ele era um dos itens favoritos de Juliano. O valor estimado de arremate não foi divulgado.

 

Matérias relacionadas

A história do Chevrolet Corvette | Parte 1: o nascimento e a primeira geração

Dalmo Hernandes

Merc9, o ex-Nascar que se transformou em um monstro devorador de curvas (com um V8 de nove litros!)

Dalmo Hernandes

Como a Ford transformou o Mustang GT no Mach 1 por causa do Camaro SS

Leonardo Contesini