A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
História

Este Fiat 127 com motor V6 Alfa Romeo central-traseiro é nossa inspiração de hoje

Nunca escondi de absolutamente ninguém meu gosto pelos pequenos Fiat – meu daily driver, meu cavalo de batalha, é um Mille Way 2008 e dele não vou abrir mão tão cedo. Por sorte, minha garagem acomoda dois carros, e volta e meia me pego fantasiando com um antigo para ocupar a segunda vaga. Caso acabe cedendo à tentação, é bem provável que o escolhido seja um Fiat 147. Por razões que, acredito, são óbvias.

o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, download de materiais exclusivos, participação em sorteios e no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), além de veiculação de até 7 carros no FlatOuters e até 3 anúncios no site GT40, bem como descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$20,00 / mês

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura na medida para quem quer acessar livremente todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de veiculação de até 3 carros no FlatOuters e um anúncio no site GT402.

De R$14,90

por R$9,90 / mês

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

Como seria meu Fiat 147? Ainda não pensei muito a respeito – tenho planos mais concretos nos quais preciso me concentrar. Mas inspiração, ainda assim, não falta. Como este Fiat 127 italiano que, no lugar do quatro-cilindros debaixo do capô, agora tem um V6. Alfa Romeo. Central-traseiro. Turbo. Com 205 cv. Porca miseria!

Tenho certeza de que quase todo mundo aqui sabe do que se trata o Fiat 127: lançado e 1971, ele era a versão italiana do 147, que foi lançado no Brasil em em 1976. Conta-se que o Fiat 127 foi uma das inspirações de Giorgetto Giugiaro na hora de projetar o primeiro Golf em proporções e layout mecânico – ou seja, com motor transversal e tração dianteira, garantindo melhor aproveitamento da força do motor, comportamento dinâmico mais dócil para uso diário e aproveitamento mais eficiente do espaço interno.

Então, veio um cara chamado Claudio Leonardi e subverteu tudo: em seu Fiat 127, fabricado em 1980, ele colocou o V6 Busso de dois litros de um Alfa 164. Como não cabia no cofre, o V6 turbinado foi parar atrás dos bancos dianteiros, assim como o sistema de transmissão do Alfa, com câmbio manual de cinco marchas. Com apenas 950 kg de tanque cheio, será que ficou um foguete?

 

Não é difícil descobrir. Só dar o play abaixo!

(Não se engane pelo nome do canal, Game & Track – eles transmitem gameplays ao vivo, sim, mas também produzem conteúdo com carros de verdade.)

Não é preciso mais que dois minutos para ver que o Fiat 127 anda muito. Claudio é mecânico especializado em Ferrari – o que não deixa dúvidas de sua capacidade técnica – e faz parte do Club Motori di Modena – Scuderia Modena Corse, uma associação de entusiastas que organiza encontros e track days – e seu objetivo, como não poderia deixar de ser, era colocar o hatchback na pista, para brigar com gente grande.

Ao que tudo indica, o motor foi mantido quase totalmente stock. O V6 turbo de dois litros já entregava 205 cv e 30,6 kgfm de torque quando novo – e são estes os dados divulgados por Claudio. Não encontramos dados de aceleração e velocidade máxima, mas pense conosco: com este motor, o Alfa Romeo 164 chegava aos 100 km/h em oito segundos e seguia acelerando até os 237 km/h. E ele pesava pelo menos 1.300 kg. Imagine, então, o que o Fietinho consegue fazer com 350 kg a menos!

Aliás, não precisa imaginar – aqui vai outro vídeo do carro, mais longo, gravado no autódromo de Modena.

A suspensão adotou os braços do Alfa 164 na traseira, com amortecedores ajustáveis Orap, enquanto a dianteira manteve o arranjo original e também ganhou amortecedores ajustáveis, porém da King – e as bitolas foram alargadas. As rodas são de 13 polegadas, calçadas com slicks 200/54 atrás e 190/54 na frente. Atrás das rodas, estão abrigados os freios a disco do Lancia Thema Turbo, ventilados na dianteira e sólidos na traseira.

Outra atração à parte é o visual do carro. Este exemplar do 127 foi fabricado em 1980 e, com isto, já exibe o facelift aplicado pela Fiat italiana em 1977 – a frente mais baixa, com faróis embutidos na grade, e os vidros laterais traseiros do nosso 147. A pintura branca com o livery da Alitalia é um tributo ao Fiat 131 Abarth e ao 128 Abarth que competiram no WRC, e também ao Lancia Stratos.

Mas, em vez de ir pela rota que se costuma seguir com hatchbacks de motor dianteiro – para-lamas estufados e aerodinâmica que beira o excesso, como era nos especiais do Grupo B – Claudio optou por um look mais simples, quase discreto: os para-lamas foram ligeiramente alargados, um spoiler foi embutido na dianteira e os para-lamas traseiros ganharam entradas de ar relativamamente pequenas, pintadas de branco para ficarem ainda mais sutis. Olhando por fora, é quase imperceptível que o carro ganhou um V6 central-traseiro. Por dentro, há os instrumentos do Fiat Ritmo Abarth, bancos concha Recaro com revestimento azul e uma gaiola de proteção integral.

Quando ele se move, porém, não há como negar: mesmo que os radiadores de água e óleo, seus respectivos reservatórios e a bateria fiquem debaixo do capô, e uma tentativa de equilibrar as massas, o comportamento do 127 é bastante traseiro. Deve ser divertido pra cazzo.

Sendo bem franco, dificilmente chegaria a este ponto caso pegasse um Fiat 147 como project car. Dito isto, é sempre bom ter um pouco de inspiração.

Sugerido pelo leitor Arthur Episcopo

 

Matérias relacionadas

Ramchargers: o grupo de jovens engenheiros que transformou a Chrysler em um ícone das arrancadas

Dalmo Hernandes

Citroën: os carros que melhor definem a mais ousada fabricante francesa – parte 1

Dalmo Hernandes

A trajetória de Dale Earnhardt, o Intimidator

Dalmo Hernandes