A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Project Cars Project Cars #296

Fusca Outlaw: a conclusão do Project Cars #296

Olá! Seguindo os posts do Marley65: Outlaw Project, este capítulo deveria ser focado exclusivamente no exterior, mas por conta de um “pequeno detalhe” (contarei no decorrer desse post) resumirei também a mecânica escolhida para o projeto e a conclusão deste, com alguns vídeos compilados e um belo ensaio fotográfico do time Last Shifters!

Referências não faltam para o exterior do Marley. Definitivamente há muitos 356 Outlaws e Racings incríveis espalhados pelo mundo.

 

 

Discrição “chamativa”

Após a conclusão do interior era hora de voltar as atenções ao exterior. Eu havia dito que o exterior seria discreto, com poucas modificações, apenas com novas rodas, pneus e suspensão refeita, certo? Bom, então… mantive tudo isso que havia comentado!! 🙂 Acredito que o aspecto original com um toque de pimenta nas rodas e pneus largos seja a combinação ideal para o carro, que aliás, tem na simplicidade a essência do projeto. Fusca bem cuidado, por si só já chama a atenção! Como a inspiração claramente sãos os 356 Outlaw, nada melhor que um jogo de rodas de aço aro 15 devidamente alargadas – as famosas Steelies. O modelo escolhido foi herdado do Gol G5, bastante similar ao utilizado no Fox, porém com furação 4X100.

O acabamento merece destaque: bordas lixadas (criando um efeito de usinagem, como nas rodas de alumínio) e centro escurecido, mesma cor utilizada nos tubos internos e na parede corta fogo do motor. Posteriormente ganharam um jogo de calotinhas personalizadas, também em cinza. O primeiro setup (que não deu certo) trazia as rodas dianteiras em tala 7”, com as traseiras em 7,5”. A traseira casou certinho com os pneus e para lamas!

Na frente me empolguei demais e meus cálculos não consideraram o freio a disco, que jogaram as rodas muito para fora. Encurtamos levemente o quadro e reduzimos para tala 6,5”. Mudamos também o offset, pois havia espaço até os amortecedores. Sim, mesmo com quadro encurtado, mantivemos os amortecedores, que depois tiveram suas fixações revistas pelo Sandro Bruno a fim de funcionar perfeitamente e não trabalhar “forçado” ou com pouca ação. Os pneus são os bem recomendados Bridgestone Potenza GIII 195/55R15 na dianteira e 205/55R15 atrás.

A receita da suspensão é bem simples: mangas de eixo deslocadas da Empi com catraca e amortecedores Cofap novos na frente e atrás apenas regulagem do facão e novos amortecedores também Cofap. Com este setup tenho um bom compromisso entre conforto e tração. O ideal seria baixar e endurecer levemente a traseira uma vez que ela assenta bastante nas arrancadas mais animadas. Para um Stance ideal estou convicto que baixar a traseira seria bem conveniente, mas por conta do sobre cárter, seria inviável e nada seguro de rodar à poucos centímetros do chão. Tem que ser bonito, mas funcional! Foi feito pra andar forte e não pra desfilar.

 

Dois e Quatro!

Falando em andar forte, após bastante estudo e reservas financeiras, a certeza era que o Marley precisava de um bom fôlego extra. O carro foi adquirido muito original, com excessão do motor que era um 1600cc carburação simples e já convertido para 12V, o que ajudou nos planos. Bem, o motor não era referência em potência e rodava bem áspero e com bastante vibração. Por conta disso foi pra bancada pra avaliação e como era de se esperar, o diagnóstico não era dos melhores: prisioneiros tortos, biela montada ao contrário, muito desgaste e vazamentos. Era a certeza de encarar de vez um swap! O “miliseis” teve suas peças vendidas e o bloco hj virou enfeite de garagem!

Pra ser um Outlaw, teria q ser motor grande, pra não fazer feio. O carro ficou aos cuidados do Sandro, da Sportsystem. Após muita conversa a respeito do projeto, foi decidido por um 2.4L (2.386cc) aspirado montado do zero, que traz bloco AutoLinea, mais reforçado e com melhorias nas galerias de lubrificação. Pra alcançar esta cilindrada os pistões são de 94mm e virabrequim de curso, tem 86mm. Bielas são 5.7” modelo H, balanceiros EMPI e cabeçotes também da Empi 44X37,5mm. Comando é um Pauter com graduação média. Para alimentar tudo isso, escolhemos dois corpos duplos de 48mm gerenciados por uma Fueltech FT 350.

Combustível escolhido é gasolina aditivada ou Podium e pra não correr o risco de dar falta em acelerações ou curvas, foi confeccionado um cashtank. Ignição tem Kit de roda fônica, spark pro 2 e a bobina é Bosch 4 saídas. Com o intuito de evitar sobreaquecimento, além de dois novos radiadores de óleo e ventoinha elétrica, adicionamos o charmoso kit de refrigeração da Bernie Bergmann modelo Porsche que foi pintado da cor da carroceria, contrastando com o cinza da parede corta fogo. A receita ficou excelente! Após 80 graus um termostato aciona a ventoinha e, mesmo andando em rotações altas na cidade, com certo trânsito, raramente a fueltech acusa mais de 90 graus.

Claro que o kit de prolongador de capô ajuda na refrigeração, mas é mais eficiente em estradas, onde o carro desenvolve maior velocidade e por sua vez maior admissão de ar fresco. Este kit de prolongadores denuncia que há algo a mais embaixo do capô e é um dos poucos itens “non stock” no visual externo do carro. A aparência semi aberta não é algo que me agrada totalmente mas é aconselhável o uso, uma vez que este capô não possui as entradas de ar, como os fuscas da década de 70 em diante.

 

 

Desempenho

Uma herança boa do setup anterior foi o câmbio, que já traz a relação 8X31, mais longa e que casou bem com a configuração do motor, acertada para girar até 6800rpm (primeiros 3 mil km +-) e 7200rpm após “amaciar” o motor. Prova disso foram os 205km/h alcançados (bem rapidamente) em rodovia plana. Uma quinta marcha não seria uma má idéia para baixar o regime do motor, mas entendo que não era necessária, pois o motor empurra forte e não vibra. Além do que não é toda hora que é possível chegar a essa velocidade. O foco principal era retomada e acelerações e neste quesito não há o que questionar! Foi a escolha certa! Mesmo sem passar no rolo para confirmar os números, estima-se 220cv e mais de 22kgfm de torque. Nada mal pra cerca de 850kg! 😀

Aceleração de 0 – 100km/h está na casa dos 5,5s e máxima está acima dos 200km/h reais

Aliás o carro merece um 3Step, pois em baixo giro (2.000rpm) ele dá uma apagada e em 4.000rpm ele lixa até a segunda marcha, portanto largar para fazer um bom tempo de 0-100 merece bastante sincronia! 3.000 rpm acredito que seja o ideal!

O comportamento do carro é dócil devido a injeção eletrônica e a marcha lenta é bem estável. O carro não embaralha muito em marcha lenta e não dá qualquer sinal de preparação pesada, a não ser que se pise no pedal da direita. O giro sobe muito rápido, parecendo uma moto e o ronco fica bastante encorpado, graças ao escape dimensionado 4X1 todo em Inox.

escapamento inox

Pra ajudar a transferir essa potência, agora tem blocante 80% com reforço de planetária, novo berço do câmbio em PU, assim como os novos coxins EMPI também em PU, fora outras melhorias na parte de baixo.

 

Mudanças

Bom, lembram que comentei que um certo “detalhe” me fez antecipar os posts e por sua vez, finalizar o #296? Pois bem, um convite da empresa em que trabalho, de transferência para os EUA, me fez mudar todos os planos que tinha para o Marley. Até considerei trazer o carro para Michigan, mas valores de frete e possíveis dificuldades com oficinas especializadas em air cooleds me fizeram desistir desta empreitada (se fosse a Califórnia, não pensaría duas vezes – o carro estaria comigo!).

Na verdade sou muito grato por ter tido a chance de idealizar cada detalhe e montar este projeto com total paciência e colaboração da família, amigos e parceiros e assim espero que o novo dono (sim, já foi vendido), que é mais louco e detalhista do que eu, possa dar sequência e assim fazer um bom uso dele, aproveitando cada passeio e cada colada no banco ao pisar no acelerador!!

Peço desculpas pelas poucas fotos do motor, aliás por conta da viagem, fiz muitos backups de emergência e acabei perdendo muitas fotos… inclusive do processo de montagem ☹

Fotos feitas pelo time do Last Shifters:

 

Nova fase

Uma prévia do que vem por aí nas mãos do novo dono, que mesmo adquirindo um carro extremamente forte, confiável e pronto pra rodar e curtir, não se deu por satisfeito e está mergulhando em um novo projeto pro carro! Ele está compartilhando fotos e informações comigo a cada modificação, que está a cargo de Teco Caliendo, Sandro da Sportsystem e por aí vai.

Restauração completa em carroceria e chassis, nova pintura Dolphin Gray original dos porsches 356, turbina GT 28 roletada, novos reforços estruturais e tudo do bom e do melhor, como o Marley merece!!! Este “re-projeto” promete!! Em breve quem sabe não volta a dar as caras por aqui!!

Um agradecimento especial ao time do Flatout por me permitir compartilhar um pouco da história desse carro fantástico, assim como os erros e acertos durante o projeto! No final é sempre gratificante!! Quem sabe um novo Project cars “da gringa” não acontece!!

Grande abraço!

Por Danilo Rodrigues, Project Cars #296

0pcdisclaimer2

Uma mensagem do FlatOut

Danilo, seu projeto é, de longe, um dos melhores que já passaram pelas páginas do FlatOut. A atenção aos detalhes, o trabalho de pesquisa de referências e a execução só reforçam o que estamos falando. Uma pena ter que vender o carro. Temos certeza de que, se ele fosse com você, faria sucesso lá fora também. Parabéns!

Matérias relacionadas

Mitsubishi Pajero TR4 off-road: a primeira trilha e os primeiros upgrades no Project Cars #351

Leonardo Contesini

Project Cars #513: como usar um Stilo para comprar um Opala

Project Cars

Project Cars #279: experiências com um Honda Fit GD1 para curtir a estrada e os track days

Leonardo Contesini