A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Notícias Zero a 300

Governo anuncia novo acordo com caminhoneiros, mas manifestantes estão divididos sobre o fim da paralisação

A Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam) anunciou na noite de domingo (27) que chegou a um acordo com o governo federal para encerrar as paralisações em todo o Brasil. O governo concordou em atender parte das reivindicações dos caminhoneiros autônomos, que, em contrapartida, irão encerrar as paralisações assim que as mudanças forem publicadas no Diário Oficial da União (DOU).

 

A Abcam foi uma das principais entidades responsáveis pelo início das paralisações — junto à Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA). A Associação enviou no dia 14 de maio um ofício ao governo federal no qual reivindicava a redução a zero das alíquotas do PIS/Cofins sobre o diesel e a isenção da Cide sobre o combustível. Já a CNTA enviou um ofício ao governo federal no dia 16 de maio, reivindicando além da redução das alíquotas e isenção da Cide, a extinção da cobrança de pedágio por eixo suspenso, bem como a criação de uma tabela de frete mínimo. Sem uma resposta do governo federal aos caminhoneiros, eles iniciaram a paralisação na última segunda-feira (21).

Foto: Marcelo Camargo/Ag Brasil

Na quarta-feira (23) o governo federal propôs a isenção da Cide sobre o diesel, enquanto a Petrobras anunciou uma redução de R$ 0,10 no preço deste combustível nas refinarias. Os caminhoneiros não aceitaram a proposta e mantiveram as paralisações, com adesão de outros grupos de caminhoneiros e apoio de parte da população. Na noite da mesma quarta-feira, o governo federal se reuniu com 13 entidades representantes dos caminhoneiros para negociar as reivindicações e o fim da greve. Onze destas entidades assinaram o acordo, entre elas a CNTA. A Abcam não aceitou os termos e se retirou da reunião, e a União Nacional dos Caminhoneiros, embora tenha participado da reunião, não assinou o acordo. As paralisações continuaram.

Na sexta-feira (25), diante da ineficácia do acordo, o governo federal decretou Garantia de Lei e Ordem, e acionou a Força Nacional para desobstruir as estradas e garantir o abastecimento de atividades essenciais. Parte dos bloqueios foi encerrada, mas os caminhoneiros continuaram a paralisação. Neste domingo (27) o governo federal voltou a se reunir com parte dos líderes do movimento —  e concordou em atender as demandas dos caminhoneiros. Veja a lista das medidas anunciadas pelo governo:

— Congelamento dos preços do diesel por 60 dias
— Redução de R$ 0,46 no preço do diesel por meio da suspensão da incidência do PIS, Cofins e da Cide.
— Fim dos reajustes diários; os preços serão revisados a cada 30 dias para permitir o planejamento e cálculo do frete
— Fim da cobrança do pedágio por eixo suspenso em todas as rodovias
— Tabela mínima de frete
— Determinação para que 30% dos fretes da Conab sejam feitos por caminhoneiros autônomos

As mudanças foram determinadas por Medidas Provisórias, que têm força de lei. Por este motivo, a Abcam e representantes do Sindicato dos Trabalhadores Autônomos de Carga (Sinditac) e do Sindicato dos Transportadores Rodoviários Autônomos de Bens (Sindicam) anunciaram que seus afiliados encerrariam as paralisações — desbloqueando rodovias e retomando as atividades — assim que as medidas fossem anunciadas no Diário Oficial da União (DOU).

A CNTA, contudo, ainda não se posicionou a respeito das medidas, dizendo apenas que elas serão levadas aos caminhoneiros, mas não trata a greve como encerrada — o que significa que a paralisação deverá continuar pelos próximos dias.

O governo, por sua vez, diz que esgotou as negociações com os caminhoneiros, e que negociou com todas as entidades possíveis de representantes dos caminhoneiros.

As consequências até agora

As redução dos preços do diesel e dos impostos sobre o combustível deverão custar R$ 9,5 bilhões de reais, dos quais R$ 5,7 bilhões virão de uma reserva orçamentária, e outros R$ 3,8 bilhões virá do corte de despesas — ainda a ser detalhado pelo governo federal. O ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, afirmou que a reoneração dos 28 setores anunciada na semana passada não será suficiente para compensar as perdas, e que também poderá haver aumento de tributos para compensação.

IMG_1031

Quanto ao abastecimento de combustíveis, algumas bases e refinarias de combustível ainda estão bloqueadas, mas a Força Nacional está escoltando caminhões-pipa e desmontando bloqueios. A distribuição, contudo, levará ao menos cinco dias para voltar à normalidade após o final da greve.

 

Já os supermercados afirmaram que têm estoque “seco” (não-perecíveis) para mais 15 dias, em média. Carnes, verduras e legumes, contudo, já estão esgotados em parte do país. A reposição dos estoques não-perecíveis levará entre 5 e 10 dias (também após o fim da greve), segundo a Associação Brasileira de Supermercados, mas o reabastecimento de carne de aves e suínos pode levar até dois meses para se normalizar devido ao sacrifício e mortes de gado suíno e aves de acordo com a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA). A ABPA também informou que 64 milhões de aves já foram sacrificadas e cerca de 20.000 suínos podem morrer nos próximos dias por falta de ração.

screen-shot-2017-08-25-at-10.21.56 AM

Imagem ilustrativa

O Sindicato das Empresas de Telecomunicação (Sindi Telebrasil) e a Agência Nacional de Telecomunicações solicitaram prioridade de abastecimento das frotas de empresas de telecomunicação. Segundo o sindicato, as reservas de combustível estão praticamente zeradas, o que impedirá serviços de manutenção e reparos devido à impossibilidade de deslocamento de equipes técnicas, o que poderá suspender serviços de telefone SMS e internet por eventuais falhas técnicas não-corrigidas. O fornecimento de energia elétrica, por outro lado, não corre grandes riscos, tendo afetadas somente as localidades dependentes de usinas termelétricas.

Os hospitais também estão afetados pelas paralisações. A Associação Nacional de Hospitais Privados publicou uma carta assinada por 105 instituições na qual afirma que “muitos hospitais não conseguirão mais garantir o acesso e a continuidade do cuidado dos pacientes que necessitarem de tratamento” e que faltam medicamentos essenciais para o tratamento de quimioterapia e diálise além de escassez de alimentos para os pacientes internados, ambulâncias paradas por falta de combustível, escassez de roupas limpas e problemas no recolhimento do lixo hospitalar. Afirmam também que o estoque de sangue nos hospitais está em níveis “preocupantes”.

Matérias relacionadas

Quais são os faróis mais legais já usados em um carro?

Dalmo Hernandes

Perua ou sedã? Esta dupla de Honda Accord dos anos 90 está à venda

Dalmo Hernandes

Project Gold: um Porsche 911 993 Turbo S 1998 zero-quilômetro… feito 20 anos depois

Dalmo Hernandes