FlatOut!
Image default
Games

Grand Theft Auto III, o primeiro GTA em 3D: FlatOut Retro Review

“Os jovens de hoje não gostam mais de carros” – é o que dizem incontáveis estudos, matérias e especialistas. Acredita-se que as gerações mais novas têm outras prioridades, que os carros são vistos por elas como meras máquinas poluentes, caras e desnecessárias. Contudo, um estudo feito pela seguradora britânica Admiral diz que cada vez mais jovens estão interessados por carros – e que mais da metade dos millenials (isto é, os jovens nascidos entre meados dos anos 1980 e meados dos anos 2000) entrevistados por eles decidiram comprar seu primeiro carro após verem postagens sobre automóveis nas redes sociais, como Facebook e Instagram. Mesmo que precisem da ajuda dos pais para pagar por eles.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, participação no nosso grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!). Exponha ou anuncie até sete carros no GT40 e ainda ganhe descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$ 26,90 / mês

ou

Ganhe R$ 53,80 de
desconto no plano anual
(pague só 10 dos 12 meses)

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura básico. Acesse todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de poder expor ou anunciar até três carros no GT402.

R$ 14,90 / mês

ou

Ganhe R$ 29,80 de
desconto no plano anual
(pague só 10 dos 12 meses)

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

Outro sinal de que os carros ainda são interessantes para os jovens, porém, está nos videogames. Grand Theft Auto V fechou 2020 na sétima posição entre os dez games de PC mais jogados no planeta, de acordo com a Steam – a todo momento, mais de 200.000 pessoas estão jogando GTA V em seus computadores, sem contar outras plataformas. E estamos falando de um game lançado em 2013!

Na verdade, GTA V é um fenômeno tão grande que a Rockstar Games continua lançando grandes atualizações para sua versão online – na última delas, The Cayo Perico Heist que trouxe um novo mapa situado na década de 1970, os jogadores são convidados a dar um golpe milionário em uma ilha fortificada. Um dos prêmios é, pasme, um Fusca (na verdade, uma versão genérica e não licenciada do Fusca) que virou um dos carros mais cobiçados da história do jogo. Sim, em pleno 2020.

O sucesso de GTA V – que, a despeito de todas as atividades que o jogador pode realizar, ainda é um jogo baseado em roubos de carros – pode ser encarado como outra demonstração de que o carro ainda atrai os jovens. A ideia de liberdade que ter um carro só para si proporciona não deixou de ser atraente. E isto não deve mudar tão cedo, tanto que já faz 20 anos que a franquia segue a mesma fórmula básica: colocar o jogador em uma cidade tridimensional com liberdade para explorar cada canto e fazer o que quiser, quando quiser. Claro, as missões são necessárias para avançar na história, ganhar dinheiro e expandir as possibilidades, mas muitos gastam centenas de horas em GTA sem nunca ir muito além das primeiras tarefas que o jogo pede.

E este formato – pasme – completa 20 anos em 2021. Pois foi em 2001 que a Rockstar lançou Grand Theft Auto III, primeiro game da franquia a abandonar a perspectiva bird’s eye dos primeiros títulos e deu um passo gigantesco em direção à imersão dos que vieram depois, usando visão em terceira pessoa e lidando muito bem com as limitações do hardware de duas décadas atrás.

 

O que é?

Como o nome diz, GTA III foi o terceiro jogo da franquia, e o primeiro do chamado “3D Universe” – composto também por Vice City (200e San Andreas (além dos spin-offs Liberty City Stories (2005) e Vice City Stories (2006). Em contraste, os dois primeiros jogos, lançados em 1997 e 1999, compreendem o “2D Universe”; enquanto GTA IV (2008) e GTA V (2003) fazem parte do “HD Universe”.

Em GTA III, você vive o protagonista Claude, que não tem sobrenome e nem linhas de diálogo – ele é um protagonista mudo que é traído por sua namorada e cúmplice Catalina após o casal assaltar um banco nos arredores da cidade. Atingido por um tiro, ele é preso e escapa após membros do cartel de drogas colombiano interceptar o camburão que o leva para a cadeia – um golpe de sorte, pois os traficantes só queriam resgatar um dos seus. Claude faz amizade com “8-Ball”, também conhecido como “Guru”, e acaba se tornando um faz-tudo da máfia local.

O jogo se passa em Liberty City, cidade fortemente inspirada por Nova York, e estabelece diversos elementos que viriam a se tornar marcas registradas dos jogos da série, como a liberdade para explorar desde o início (embora partes da cidade fossem bloqueadas até que certas missões fossem cumpridas), linguagem explícita, temas adultos como sexo e uso de drogas e combate baseado em corpo-a-corpo, armas brancas e armas de fogo.

GTA III aproveitava a evolução dos computadores e do PlayStation 2, que usava DVDs como mídia (garantindo quase sete vezes a capacidade de armazenamento dos CDs), para oferecer muito mais conteúdo – um mapa muito maior, cutscenes longas, algo entre 8.000 e 18.000 linhas de diálogo, estações de rádio e uma história principal com cerca de 16 horas de duração – um jogo longo para a época. Incluindo-se as missões paralelas, chegava-se a mais de 20 horas de conteúdo.

Uma curiosidade é que GTA III foi lançado pouco depois dos ataques de 11 de setembro de 2001 nos Estados Unidos, o que acabou atrasando sua entrega pois, segundo comunicado oficial da Rockstar na época, praticamente todo o pessoal envolvido foi afetado diretamente pelo atentado – os estúdios ficavam em Nova York e a maior parte dos funcionários conhecia alguém que estava trabalhando no local ou fazia parte da equipe de salvamento, por exemplo. Até mesmo a arte original da capa foi alterada após a queda das Torres Gêmeas, visto que a ilustração foi considerada excessivamente forte e caótica. O estilo em quadrinhos da nova capa, porém, foi muito bem recebido e acabou se tornando a identidade visual da série.

Gameplay

Sendo um jogo de 20 anos atrás, obviamente GTA III trazia algumas características que hoje vemos como limitações. Não era possível, por exemplo, girar a câmera dentro do carro ou mesmo destruir veículos na base da pancada. Além disso, não era possível fazer muita coisa nas ruas de Liberty City além de roubar carros e machucar pessoas. Por outro lado, os cenários tinham diversos elementos destrutíveis e havia um ciclo dinâmico de dia e noite, com um minuto no game correspondendo a um segundo no mundo real – ou seja, cada dia durava 24 minutos. Também havia clima dinâmico – tempo limpo, nublado ou chuvoso aconteciam naturalmente, com transições suaves e muito convincentes para a época.

“Suavidade”, porém, não era a palavra certa para descrever a física do jogo. Talvez pela pouca experiência com cenários tridimensionais dinâmicos, os desenvolvedores não conseguiram migrar muito bem os comandos do mundo bidimensional para a cidade em 3D. Claude se movimentava de forma meio desajeitada, a hitbox tornava o ato de bater nos NPCs um exercício de tentativa e erro, e os carros praticamente não tinham peso, aderência nos pneus e nuances na dirigibilidade.

Alguns aceleravam mais, outros menos. Alguns viravam mais, outros menos. Por vezes, a marcha à ré não funcionava nos computadores – algo que, de forma bizarra, tinha a ver com a taxa de quadros por segundo (FPS): em mais de 60 FPS eles simplesmente ficavam derrapando no mesmo lugar, o que era bem irritante.

As missões eram bem mais simples do que nos GTA que vieram depois – em essência, resumiam-se a levar alguém de um ponto a outro da cidade, ou assaltar algum estabelecendo ou dar cabo de alguém a mando do seu chefe. De qualquer forma, era possível passar dezenas de horas explorando a cidade antes de pensar em concluir a história.

Claude não podia nadar, não falava e não era dos melhores motoristas. O ato de sacar uma arma e atirar era fácil e preciso o suficiente, mas as balas muitas vezes não acertavam seus alvos mesmo que a sua mira fosse perfeita – não era incomum acertar cinco ou seis tiros em uma senhorinha e vê-la continuar andando como se nada tivesse acontecido. Os carros eram extremamente frágeis: qualquer encostadinha resultava no capô se soltando e nos para-choques voando. E não era preciso mais que cinco ou seis colisões moderadas para dar início a um incêndio que te obrigava a abandonar a máquina e sair correndo para escapar da explosão.

Ainda assim, eram mais possibilidades que qualquer outro GTA. E um passo além do que Driver 2 havia feito um ano antes. De qualquer forma, para quem queria algo mais familiar, GTA III foi o último a contar com a câmera bird’s eye, que até modificava os controles para o esquema clássico.

 

Gráficos e som

Na época do 3D Universe os gráficos de GTA estavam longe de ser os melhores da época – compare, por exemplo, com Gran Turismo 3, também lançado em 2001. Claro, era um game completamente diferente, mas seus gráficos na época poderiam ser considerados fotorrealistas, e estavam muito mais próximos de explorar tudo o que o PlayStation 2 podia oferecer. A questão é que, em 2001, os desenvolvedores tinham que fazer muito mais concessões: ou criavam um enorme mundo aberto totalmente explorável, ou davam valor aos gráficos. Era impossível fazer as duas coisas. Foi só com GTA V, 12 anos depois, que a Rockstar conseguiu equilibrar visual e conteúdo na mesma proporção.

As texturas, no contexto atual, eram feias e sem vida. Mal havia brilho na carroceria dos carros, as partes da cidade cobertas de grama eram simplesmente áreas em verde texturizado, e os prédios pareciam peças de maquete – Liberty City toda parecia um diorama, ou o cenário de peça de teatro em larga escala. As árvores eram conjuntos disformes de folhas em baixa resolução,  a água tinha o aspecto de gelatina incolor e os carros pareciam de plástico. Quando você batia o carro e o capô era arrancado, o motor ficava visível – apenas uma textura chapada em baixa resolução.

Falando em carros, GTA III trouxe diversos modelos que viriam a se tornar tradicionais na franquia, como os esportivos Banshee, Infernus e Cheetah; os SUVS Landstalker e Patriot; a picape Bobcat; e o buggy BF Injection. O design era um pouco mais genérico, até mesmo porque os modelos não eram tão bem feitos como nos jogos que vieram depois, mas a semente estava plantada.

Em termos de som, a evolução também foi notável. Embora as músicas lincenciadas ainda não tivessem a variedade dos títulos seguintes, as rádios traziam coisas interessantes. A K-Jah radio, por exemplo, especializada em reggae, tirava todas as suas músicas do Scientist Rids the World of the Evil Curse of the Vampires, um clássico do dub. Já a programação da rádio Flashback 95.6 era toda composta pelas composições de Giorgio Moroder para a trilha sonora de Scarface. Cultura demais. E, claro, com a capacidade superior de processamento dos PCs mais modernos e do PS2, os efeitos sonoros mais realistas e o som ambiente ficaram mais envolventes e imersivos.

 

Conclusão

GTA III foi revolucionário em sua época pois, enfim, começava a recriar a experiência de ser um marginal solto em uma cidade grande cheia de segredos para explorar. Faltavam coisas básicas, como a possibilidade de girar a câmera e um mapa geral para te situar. Fora as limitações, é uma experiência interessante para quem quer conhecer os primórdios de GTA e não tem paciência para a perspectiva limitada dos dois primeiros títulos.

Uma cópia do jogo para PlayStation 2 não sai por menos de R$ 100 na Internet, mas é possível baixá-lo por R$ 15 na Steam – e o jogo roda em qualquer computador moderno. Vale a pena, mesmo que seja só para jogar por um fim de semana.