A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Trânsito & Infraestrutura

Hamburgo pretende eliminar os carros da cidade até 2034

Poucas coisas fazem as autoridades arrancar mais os cabelos do que o trânsito caótico e poluente das grandes cidades. Agora, a cidade de Hamburgo, na Alemanha, julga ter encontrado a solução de forma pouco ortodoxa, digamos: tirar todos os carros de circular pelas ruas. Simples, não?

É exatamente o que parece: como forma de acabar com os congestionamentos, acidentes, emissões de poluentes e todos os problemas que os carros trazem, a administração da cidade quer focar na criação de uma infraestrutura integral de transporte público e criar vias exclusivas para bicicletas e pedestres, ligando o centro aos bairros e assim (supostamente) eliminando a necessidade de se ter um carro.

O projeto de longo termo se chama Green Network Plan — ou “Plano da Rede Verde”, em uma tradução livre.  A ideia é tirar proveito do fato de que 40% da área da cidade é composta de áreas verdes e parques, e conectar estes espaços com ciclovias e passarelas, tornando possível que as pessoas se locomovam por todas as áreas da cidade sem precisar tirar o carro da garagem. Ou ter um carro para colocar na garagem. Ou ter uma garagem.

Como é tendência na Europa, a administração de Hamburgo parece não estar tão preocupada com o trânsito, mas sim com a poluição — uma das principais causas do polêmico aquecimento global.  Em entrevista ao The Guardian, a porta-voz da cidade Angelika Fritsch diz que, com o aumento da temperatura média do planeta, não vai demorar para que mais lugares não tenham escolha senão tomar medidas semelhantes. “Outras cidades, incluindo Londres, possuem os chamados ‘anéis verdes’, mas a nossa rede verde será a única a cobrir uma área fora do perímetro urbano da cidade. De entre 15 a 20 anos as pessoas serão capazes de explorar a cidade toda exclusivamente de bicicleta ou a pé”, ela diz. Também faz parte do plano ampliar as áreas verdes, com o intuito de melhorar efetivamente a qualidade do ar.

hambgreen

Hamburgo é a segunda maior cidade da Alemanha, com mais de 1,8 milhão de habitantes, e dona do segundo maior porto da Europa — não estamos falando de nenhuma cidadezinha do interior. Com planejamento e investimentos nas áreas corretas, acreditamos, sim, ser possível reduzir o uso do automóvel a zero. O plano é ambicioso e, a longo prazo, diz-se que trará outros benefícios para a cidade — mais qualidade de vida à população, especialmente crianças, idosos e doentes, além de criar mais oportunidades de lazer ao ar livre — e atrairá pessoas mais capacitadas para ajudar a cidade a crescer. Não temos dúvidas de que as intenções seja boas, mas temos algumas coisas para pontuar.

O discurso da porta-voz da cidade nos pareceu um tanto ambíguo — um “serão capazes” seguido de um “exclusivamente” soa como uma declaração velada de que, num futuro não tão distante, a cidade só cederá espaço para quem não estiver de carro. Não acreditamos que Hamburgo proibirá a circulação de veículos automotores, mas não é difícil enxergar alguns “estímulos” sendo empregados para que a população deixe o carro em casa — dificultar o acesso dos carros a certas áreas, estabelecer horários para a circulação, ou até mesmo aumentar os impostos.

Mas será que este é o melhor caminho? Mesmo com transporte público 100% funcional — algo que, na Europa, não é uma ideia utópica como no Brasil —, proibir os carros de circular nas ruas nos parece um tanto drástico, ainda mais com veículos cada vez mais econômicos e eficientes, como os downsized, híbridos e elétricos. E afinal, pessoas ainda ficam doentes, precisam de ambulâncias, fazer compras, carregar objetos, ou simplesmente ter um conforto num dia chuvoso ou com neve.

Especialmente irônico é o fato de tal ideia surgir na Alemanha — berço do automóvel, terra de Ferdinand Porsche e Karl Benz, casa de fabricantes conhecidas por criar alguns dos melhores carros do mundo. A terra dos entusiastas está dando mais um passo em direção ao futuro que cada vez mais gente — nós, inclusive — prevê para os carros: eles se tornarão menos meios de transporte e mais meios de diversão. E, pelo jeito, longe da cidade. Não que isso seja de todo ruim – afinal, o rock’n roll sempre esteve nas estradas de montanha.

[ Fotos: HafenCity Hamburg ]

Matérias relacionadas

Não está na hora de repensar os limites de velocidade do Rodoanel de São Paulo?

Leonardo Contesini

Multas de trânsito mais caras para mais ricos? Entenda por que isso não vai sair do papel

Leonardo Contesini

Moderação de tráfego: como reduzir a velocidade dos carros e motos sem usar radares

Leonardo Contesini