A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Notícias

Hipercarro Mercedes-AMG usará mesmo um motor de Fórmula 1 – e terá tração integral

Quando a Mercedes-AMG anunciou que faria um hipercarro com motor de Fórmula 1, ficamos mais céticos do que surpresos. Motores de F1 são impraticáveis para um carro de rua. Eles precisam de procedimentos especiais de partida, tem marcha lenta de 3.000 rpm e usam componentes de altíssima precisão. E se eles quebram na mão de pilotos de F1, imagine o que pode acontecer a eles nas mãos um bilionário russo muito louco saindo de uma balada em alguma praia paradisíaca da Europa às cinco da manhã.

Mas para nossa surpresa o chefão da AMG, Tobias Moers, voltou a afirmar que o hipercarro usará mesmo o 1.6 V6 turbo com os auxílios elétricos dos W07 de Lewis Hamilton e Nico Rosberg. Como imaginávamos, contudo, o motor será ligeiramente modificado, como explicou Tobias Moers em uma entrevista ao Top Gear: “Teremos que reduzir a taxa de compressão e mudar a velocidade de marcha lenta, afinal 3.000 rpm é um pouco alto para um carro de rua”. Mesmo assim o limite de rotações ficará acima dos 10.000 rpm. Em relação à durabilidade do motor, Moers disse que a vida útil de um motor de F1 “não é tão curta quanto as pessoas imaginam”.

V6 Turbo Mercedes

O maior desafio, segundo Moers, será calibrar o powertrain para o uso nas ruas. “A ideia é combinar uma dinâmica impressionante com eficiência jamais vista […] porque aquele V6 de F1 é o motor de combustão interna mais eficiente do planeta”, disse Moes ao Top Gear. Para tornar o carro mais amigável ao motorista comum, a Mercedes-AMG optou por adotar o sistema integral da marca, além de um sistema de esterçamento das rodas traseiras (algo inédito nos AMG).

Moers também contou que o projeto começou a tomar forma no ano passado, durante uma conversa com Andy Cowell, engenheiro do departamento de motores de alto desempenho da Mercedes, batizado HPP, onde são fabricados os motores AMG de F1. No começo Cowell queria colocar o motor no AMG GT, mas Moers descartou a possibilidade logo de cara.

Ele conta também que no ínicio achava que a AMG não conseguiria fazer um hipercarro, mas mudou de ideia depois que começou a tirar o projeto do papel só para ver se era possível no final de outubro do ano passado. Em janeiro ele apresentou a ideia ao CEO da Mercedes, Dieter Zetsche, que deu apoio total ao projeto.

mercamg

Atualmente o hipercarro da Mercedes-AMG está na fase final do desenvolvimento do estilo do carro, que será fortemente influenciado pela aerodinâmica. No próximo mês, eles começarão o desenvolvimento do motor V6 no laboratório do HPP.

Se tudo correr como planejado, o carro será apresentado no final de 2017 e ganhará as ruas no início de 2018, exatamente dois anos depois da aprovação do projeto. O modelo terá entre 200 e 300 exemplares — todos voltados para as ruas, sem nenhuma versão especial de pista ou corrida.

Por último, o Top Gear também perguntou a Moers sobre a possibilidade de recorde em Nürburgring. A resposta? O programa começa no próximo ano, e segundo Moers, o recorde dependerá dos pneus: “O recorde atual foi obtido com pneus slick. Vamos esperar e ver o que acontece”, disse.

Matérias relacionadas

Piada com “muro do Trump” leva Sergio Pérez a dispensar seu patrocinador

Leonardo Contesini

Michael Schumacher está internado em estado grave após acidente na França — entenda a condição do piloto

Leonardo Contesini

Mercedes-AMG C63 poderá ganhar versão Black Series

Leonardo Contesini