A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Vídeos Zero a 300

Honda CBX 1050: a moto com motor de seis cilindros que roncava como um Fórmula 1

Os fãs brasileiros de motocicletas têm na Honda CB750 Four um de seus maiores ícones. E não é para menos: o ronco do motor quatro-cilindros com comando no cabeçote, quatro carburadores e 82 cv a 9.500 rpm é uma das músicas mecânicas mais bonitas já produzidas. Nós até o colocamos como um dos roncos de motor mais fodásticos do Brasil, no meio dos carros, simplesmente porque a “Sete Galo” mereceu a honraria.

Agora, sem querer desmerecer a CB750 Four, existe na história da própria Honda um ronco ainda mais incrível – tão incrível que beira o absurdo, e isto é um elogio. Estamos falando do ronco da CBX 1050, a primeira moto com motor seis-cilindros em linha produzida em série. Antes de qualquer coisa, ouça:

Você deve ter visto este vídeo pelas redes sociais nos últimos dias, com uma narração robotizada na introdução. Este é o original!

Se achou muito parecido com o ronco de um carro de Fórmula 1, saiba que você não é o único. O uivo agudo e estridente da CBX 1050 costuma ser comparado ao som produzido pelos monopostos com motor V12 que corriam na virada dos anos 90. E não é exagero, não: escuta só o V12 da Ferrari 412 T2, com um V12 naturalmente aspirado de 3,5 litros, que Jean Alesi conduziu na temporada de 1994.

A Honda sempre foi uma fabricante com afeição por motores de baixo deslocamento e alto rendimento. Em 1964 a fabricante japonesajá havia colocado nas pistas uma moto com motor de seis cilindros, a RC164, com câmbio de seis marchas. No ano seguinte, 1965, a Honda competiu na Fórmula 1 com o RA272, monoposto com um V12 de 1,5 litroe cerca de 230 cv a 13.000 rpm – o regulamento limitava o deslocamento do motor, mas não a quantidade de cilindros, e a Honda optou por um V12 por ser uma configuração naturalmente balançeada, por conta da ordem de ignição.

E o mesmo vaia para o seis-em-linha da CBX 1050. Ela foi lançada em 1978 com a missão de ser a moto topo-de-linha da Honda – e acabou acumulando duas primazias: além de ser a primeira moto com moto seis-em-linha produzido em série, ela foi também a primeira moto de rua com mais de 100 cv. Para ser mais exato eram 105 cv a 9.000 rpm, levados para as rodas traseiras através de uma transmissão de cinco marchas.

Curiosamente é um tanto difícil achar vídeos do ronco da CBX 1050 que não sejam compilações como esta acima, o que pode atrapalhar um pouco a apreciação. Mas talvez ajude a ilustrar o quanto a moto é idolatrada pela galera das duas rodas.

Apesar de ser um seis-em-linha montado na transversal, o motor da CBX 1050 não era tão mais largo do que o quatro-cilindros de 750 cm³ da CB750F – apenas cinco centímetros.

79-p1

 

E, como disse o jornalista L. J. K. Setright em uma avaliação publicada em 1980: “Não venha me dizer que o motor é largo demais: ele não é mais largo que as pernas de um motociclista, ou seja, não aumenta a área frontal. E pessoalmente eu prefiro ter minhas pernas protegidas por um cilindro cada uma do que expostas a qualquer coisa que possa atingi-las”. E faz sentido.

cbx79 foto 1

É claro que um motor que serve como escudo para as pernas não pode ser a melhor coisa de uma moto. A melhor coisa é que este motor, com seis carburadores, diâmetro×curso de 64,5 mm×53,4 mm e taxa de compressão de razoáveis 9,3:1, seja capaz de levá-la a pelo menos 215 km/h em uma estrada longa e desobstruída. Quarto-de-milha? Na casa dos 11,5 segundos. E não vamos esquecer do estímulo auditivo:

Construído com conhecimento técnico adquirido em décadas de experiências nas categorias de topo do motociclismo, o motor 1050 da CBX foi elogiado por sua suavidade e por seu desempenho. Curiosamente, apesar do motor que foi chamado de “uma revolução histórica na indústria motociclística”, seus outros aspectos e mesmo seu desenho eram bastante tradicionais e simples, com tanque arredondado, uma rabeta parecida com a da CB750, detalhes cromados como retrovisores, guidão baixo, garfos telescópicos, dois amortecedores na traseira e quadro tubular.

bikepics-1309052-full

Sua ergonomia era extremamente confortável, o motor respondia bem em baixas rotações (o que era até notável, considerando os 8,6 mkgf de torque a 8.000 rpm) e a suspensão estava no ponto perfeito entre firmeza para as pistas e conforto ao rodar no mundo real. Tanto que, a partir de 1980, a CBX assumiu uma aura mais “estradeira”, com adição de carenagem e bolsas nas laterais, além de ter o motor levemente amansado para entregar 98 cv.

35532253-770-0@2X

Apesar de suas qualidades, porém, a CBX 1050 acabou sendo superada nas vendas por sua irmã menor, a CB900F. Além de custar menos, a CB900F tinha uma versão maior e mais potente do motor quatro-cilindros da CB750F, com 95 cv a 9.000 rpm, ou seja, quase tão potente quanto o da CBX e capaz de cumprir o quarto-de-milha nos 12 segundos baixos. E ainda rendia melhor em rotações médias, entre 4.000 e 7.000 rpm.

Dito isto, a imprensa especializada via com clareza que a CBX 1050 era uma moto superior, mas a Honda acabou tirando a moto de linha em 1983 para se focar no desenvolvimento da CB900F. E jamais deu a ela uma sucessora com a mesma configuração mecânica, que embora tenha sido utilizada também pela Kawasaki em 1979, caiu em desuso nos anos que se seguiram.

38873368681_891ddfd91f_b

Uma das poucas motos modernas com motor seis-em-linha foi lançada em 2011 pela BMW – a K1600, cujo seis-cilindros de 1,6 litro e 160 cv fica montado na transversal, inclinado para a frente.

BMW K1600 B LE action

Em tempo: certamente haverá quem lembre que a primeira moto de rua com motor seis-em-linha foi a Benelli 750 Sei, lançada em 1973 pela fabricante italiana que, na época, pertencia a Alejandro De Tomaso. Acontece que o motor da Benelli 750 Sei, que tinha 76 cv, não era muito mais que um quatro-cilindros da Honda CB500 com um par de canecos a mais. Ou seja, de qualquer forma o primeiro seis-em-linha usado comercialmente em uma moto era da Honda, ainda que tivesse sido modificado pela Benelli.

Nada que desabone, claro, a Benelli 750 Sei, que era capaz de chegar aos 200 km/h e também roncava muito bonito

Matérias relacionadas

Estes são alguns dos Volkswagen mais legais anunciados no GT40

Dalmo Hernandes

Homem nu “estupra” carro em Minas Gerais, BMW apresenta novo Série 1, México supera Brasil em produção de veículos e mais

Leonardo Contesini

Bugatti Chiron pode passar dos 500 km/h, a nova placa Mercosul, os próximos Porsche elétricos e mais!