A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Sessão da manhã

M1 vs. i8: os dois supercarros da BMW separados por quatro décadas, lado a lado

O M1 é um clássico absoluto na história da BMW — seu visual, seu desempenho e todas as histórias sobre o campeonato Procar contribuem para isto. Agora, em 2014, a marca bávara trouxe de volta um modelo de motor central-traseiro à sua linha, e um bem especial: o i8, com seu conjunto que une o motor turbo do Mini Cooper atrás dos bancos e um motor elétrico na dianteira. Ambos são fundamentalmente diferentes, quase opostos, e ainda assim não ficam deslocados um ao lado do outro. Como isto é possível?

Os britânicos da AutoExpress foram descobrir… na pista. Para isso, colocaram um i8 novinho em folha, que custa £ 100 mil (cerca de R$ 390 mil no Reino Unido, quase R$ 800 mil no Brasil), na mesma pista que um BMW M1 impecável — que, com apenas 453 unidades fabricadas entre 1978 e 1981, é ainda mais caro: um bom exemplar não sai por menos de £ 400 mil (mais de R$ 1,5 milhão). Só que o valor de mercado é a última coisa que importa neste comparativo.

Quando falamos em “quase opostos”, queremos dizer que ambos são esportivos de motor central-traseiro e carroceria em formato de cunha… e que isto é tudo o que eles têm em comum. Sendo um carro da década de 1970, o M1 é menor e mais leve, medindo 4,6 metros de comprimento, contra 4,8 metros do i8 e pesando 1.300 kg contra 1.485 kg) e tem chassi tubular com uma carroceria de fibra de vidro por cima.

m1i8 (1)

Como bom BMW o motor é um seis-em-linha de três litros com injeção eletrônica, corpos de borboleta individuais e 277 cv, acoplado a um câmbio manual de cinco marchas. Não é um conjunto extraordinário, mas faz milagres em uma estrutura leve e feita para suportar mais de 800 cv (caso dos M1 turbinados que corriam no Grupo 4 da FIA): o carro é muito estável, com um equilíbrio muito bom entre aderência dianteira e traseira. Segundo o test-driver, é possível sentir um pouco de rolagem indesejada na carroceria, mas estamos falando de um carro da década de 1970 — isto é mais do que normal.

O fato é que o M1 oferece uma conexão entre o motorista, o carro e o asfalto de um jeito que só um bom esportivo faz: o volante é pesado em manobras, mas quando se acelera o a direção fica perfeita como se fosse mágica. O ronco do seis-em-linha não tem restrições, a ergonomia é ótima (ainda que os pedais sejam deslocados para a direita por causa da largura da caixa de roda, a posição deles é perfeita para o punta-tacco) e a experiência é única.

m1i8 (4)

Não tão única, porém, quanto no i8. O híbrido (ao lado de seu irmão menor, o i3) é um grande marco para a BMW — e para a indústria automotiva em geral, diga-se de passagem. Com visual de carro-conceito e um conjunto híbrido — composto pelo motor de três cilindros e 1,5 litro turbo do Mini Cooper, que responde por 231 dos 362 cv no total —, o i8 pode rodar só com a força do motor elétrico em situações mais calmas e libertar sua fúria na pista.

Para os céticos isto pode ser meio difícil de digerir, mas o i8 se mostra um carro bem empolgante — especialmente quando se leva em conta que o motor elétrico ajuda os 58 mkgf de torque a aparecerem bem cedo e, na prática, faz com que o carro tenha tração integral por estar ligado às rodas dianteiras. Ele não é nenhum monstro devorador de curvas, mas é bastante estável e pode ser divertido na pista — levando em consideração o acerto de suspensão com tendência ao subesterço — algo esperado em um carro de rua, é bom lembrar.

Dificilmente o i8 fará história nas pistas como o M1 fez (uma vitória nos 1.000 km de Nürburgring com Nelson Piquet e Hans Stuck ao volante não é para qualquer carro) mas, sem sombra de dúvida, seu lugar entre os BMW mais importantes da história está garantido.

 

Matérias relacionadas

Um BMW M3 E46 com motor V8 de 882 cv é o melhor veículo para neve que existe

Dalmo Hernandes

As voltas mais alucinadas em Nürburgring Nordschleife

Leonardo Contesini

Trophy Rat: esta mistura de hot rod, baja bug e muscle car é o projeto mais insano que você vai ver hoje

Dalmo Hernandes