A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Carros Antigos Projetos Gringos

Martini T-5R: o Mustang clássico de corridas que veio de uma realidade paralela

Este é o Mustang mais fodástico que já vimos. Bem… pode ser que amanhã mesmo apareça um mais bonito ainda, mas é pouco provável. Sério: vai levar algum tempo para você acreditar que este carro existe de verdade. Ele foi restaurado, modificado e preparado pela Pure Vision Design e, além de maravilhoso, este Mustang tem uma baita história que a gente aposta que você não conhecia.

O ano era 1965. Com o sucesso do lançamento do Mustang nos EUA no ano anterior, a Ford esperava promover o carro na Europa através do automobilismo. Logo de cara o Mustang conseguiu uma dobradinha em sua categoria no rali Tour de France Automobile no ano anterior com a ajuda da Holman & Moody, e o alto escalão da Ford promoveu uma reunião para discutir a melhor forma de se envolver mais com o automobilismo europeu.

Depois de um encontro ao acaso com a Martini & Rossi (que mais tarde fundaria a Martini Racing), as duas companhias decidiram unir forças para construir um Mustang de corrida que pudesse competir em ralis. Com a Martini & Rossi fornecendo os recursos financeiros, a Ford enviou para a Europa um Mustang Fastback 1966 equipado com peças do Shelby GT350R e o motor de comando quádruplo usado pela Ford na Fórmula Indy para testes de longa duração. Como a versão de exportação do Mustang era conhecida como T-5, o novo carro de corrida foi chamado de T-5R.

Mustangini-_0000_01-pure-vision-martini-racing-mustang.jpg

Que bela história, não é mesmo?

Pena que nada disso é verdade. Steve Strope é dono da Pure Vision Design, e ele inventou a história toda para acompanhar o Mustang modificado pela oficina. Ele diz que cria uma história para cada um de seus projetos, e nós não vemos nada de errado com isto — na verdade, imaginamos que isto o ajuda a se inspirar para criar seus carros e não ficar apenas correndo atrás de números. Fica tudo mais parecido com arte.

Mas só de olhar para ele dá para perceber que a precisão técnica não foi ignorada. Vamos dar uma olhada nas modificações.

10-pure-vision-martini-racing-mustang
O lado de fora deste Mustang Fastback 1966 foi transformado em uma mistura de Shelby GT350 e carro de rali, com várias peças em fibra de vidro, suspensão ligeiramente rebaixada e faróis auxiliares. As entradas de ar laterais, por sua vez, são totalmente Shelby, e o Spoiler dianteiro vem de um Mustang 69.

Mustangini-_0003_14-pure-vision-martini-racing-mustang.jpg Mustangini-_0004_18-pure-vision-martini-racing-mustang.jpgMustangini-_0012_44-pure-vision-martini-racing-mustang.jpg Mustangini-_0005_20-pure-vision-martini-racing-mustang.jpg

 

As rodas foram feitas sob medida e inspiradas no monoposto Lotus/Ford 38, usado por Jim Clark nas 500 Milhas de Indianápolis de 1965. Por dentro, bancos concha forrados com um maravilhoso couro azul decoram o interior depenado, apenas com o essencial para um carro rápido — mas com visual de época. E, claro, em sintonia com as cores da Martini do lado de fora.

Mustangini-_0009_37-pure-vision-martini-racing-mustang-1.jpg

A parte mais espetacular do carro é o obscuro motor Ford Indy 4 cam, V8, todo de alumínio, praticamente o mesmo motor que equipou o Lotus de Jim Clark em sua vitória na edição de 1965 da Indy 500.

Mustangini-_0008_29-pure-vision-martini-racing-mustang.jpg

 

 

Com 430 cv e 50 mkgf, o motor teve a cilindrada ampliada de 250 pol³ (quatro litros) para 291 pol³ (4,8 litros) para aumentar o torque em baixa rotação, embora isso tenha reduzido a faixa de corte, que fica entre 7.500 e 9.000 rpm (!!). Para dosar toda essa maldade mecânica há uma caixa manual de quatro marchas que foi banida da NASCAR por ser leve demais.

Mustangini-_0001_03-pure-vision-martini-racing-mustang.jpg

Talvez este seja o Mustang mais sensacional que já vimos, e só nos deixa imaginando o que teria acontecido se a Ford tivesse mesmo decidido levá-lo para correr na Europa.

[ Fotos: Pure Vision Design ] 

Matérias relacionadas

Por que o Porsche 918 Spyder tem as saídas de escape em cima do motor?

Dalmo Hernandes

Alguém tentou transformar um Corvette 2013 em um clássico de 1967 e a gente não sabe direito o que pensar

Dalmo Hernandes

Daytona “Alloy Body”: a Ferrari que “não existia” e foi encontrada depois de 40 anos

Leonardo Contesini