A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Viagens e Aventuras

Mongol Rally: uma aventura épica só para carros populares

Você já sonhou em usar seu carro para mais do que ir ao trabalho ou viajar com a família? Pegar seu “poisé”  velho de guerra e sair em uma aventura com ele? Pois saiba que você não precisa necessariamente transformá-lo em um track day toy. Existem outras opções. Opções como o Mongol Rally, que apesar do nome é uma competição séria, desafiadora e – talvez mais importante – realizada com uma boa causa.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, download de materiais exclusivos, participação em sorteios e no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), além de veiculação de até 7 carros no FlatOuters e até 3 anúncios no site GT40, bem como descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$20,00 / mês

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura na medida para quem quer acessar livremente todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de veiculação de até 3 carros no FlatOuters e um anúncio no site GT402.

De R$14,90

por R$9,90 / mês

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

O Mongol Rally é um rally raid – uma prova cross-country na veia do Rally Dakar ou da Baja 1000, por exemplo – criada especialmente para carros pequenos e populares. Há três exigências básicas: o carro não pode ter motor de mais de 1.200 cm³, a equipe não pode ter um time de apoio, e cada inscrito deve levantar pelo menos £ 1.000 (cerca de R$ 6.000 em conversão direta) para a caridade. Acho que encontrei o rali perfeito para mim!

Quer dizer, evidentemente não é tão simples: o Mongol Rally acontece do outro lado do Atlântico – a largada acontece no Circuito de Goodwood, no Reino Unido (mostrando que esta é uma competição séria) e a linha de chegada fica em Ulan-Ude, no sul da Rússia. Originalmente o destino era Ulan Bator, na Mongólia, justificando o nome do evento. Mas, por questões de custo, o percurso foi alterado.

O Mongol Rally foi idealizado em 2001, e a história de sua criação tem uma aura meio mítica. Conta-se que dois amigos, chamados Tom e Joolz, descolaram um pequeno Fiat 126 e decidiram simplesmente partir em uma aventura – sair do Reino Unido e dirigir 16.000 km até a Mongólia equipados com nada além de uma faca e um pacote de charutos baratos. Nem mesmo mudas de roupa foram levadas. Eles só não chegaram à Mongólia por problemas com seus passaportes, mas ainda assim se divertiram um bocado e prometeram a si mesmos que tentariam de novo.

E assim foi feito: em 2004 a dupla organizou a primeira edição do Mongol Rally. Ainda era uma aventura entre amigos – apenas seis equipes, das quais só quatro terminaram o percurso. Na base do boca-a-boca, porém, a competição foi ficando conhecida ao longo dos meses. E assim, em 2005 o Mongol Rally contou com 43 carros, dos quais apenas 18 chegaram ao final. Em 2006, o número de equipes passou a 167 – e, na primeira edição na qual a arrecadação para a caridade foi obrigatória, mais de £ 200.000 foram levantadas. Foi a partir de 2007 que a prova ficou mais séria. Uma empresa chamada The Adventurists foi aberta para cuidar da organização, e o regulamento para o deslocamento máximo do motor foi definido.

A é oferecer aos participantes uma experiência crua e desafiadora, acessível e com liberdade. Assim, o custo de inscrição de £ 250 é destinado exclusivamente aos custos organização do evento, e não cobre despesas de viagem, hospedagem e alimentação, muito menos custos de rodagem como manutenção e combustível. A rota é livre, desde que se chegue aos pontos de checagem no tempo estipulado.

 

Os organizadores recomendam que os participantes respeitem os limites de velocidade em vias públicas e que sempre viajem com seguranança. Isto posto, eles também encorajam os competidores a tomar rotas alternativas e a explorar os caminhos mais difíceis – afinal, o objetivo é se aventurar. Eles ressaltam que quebras, desvios inesperados e até mesmo furtos (dependendo do trecho) são comuns e de inteira responsabilidade dos competidores.

Existem, de fato, algumas rotas sugeridas. Para começar, algumas concessões são feitas – quem não pode deslocar-se até o Reino Unido, para o ponto de largada em Goodwood, pode partir da França, da Itália, da Espanha ou de algum outro país que for conveniente. De lá, os competidores seguem para a cidade de Praga, na República Tcheca, onde ocorre uma confraternização. De lá os caminhos se dividem: alguns vão para Moscou, na Rússia; outros partem para Kiev, na Ucrânia; e alguns vão para Istanbul, na Turquia. O passo seguinte é a convergência para Samarkand, no Usbequistão, antes de rumar para a fronteira da Mongólia em direção à linha de chegada em Ulan Ude.

No entanto, este roteiro não é obrigatório – em edições passadas, houve equipes que foram até o Círculo Polar Ártico simplesmente porque era possível. Uma das equipes, a australiana “Destined to Flail”, estabeleceu o recorde de países visitados durante a edição de 2018: foram nada menos que 41 em um período de quatro semanas.

O regulamento do Mongol Rally contribui não apenas para reduzir custos, mas para aumentar o desafio – afinal, o deslocamento máximo de 1.200 cm³ acaba limitando a escolha de carros basicamente a modelos populares como o Fiat Uno (que é a escolha de muitos, aliás), o Ford Ka, vans pequenas como os modelos da Kia e da Asia, clássicos como o Mini e até mesmo kei cars com motor de 660 cm³. Não há limite, porém, para modificações e adaptações para ambientes hostis, como pneus de uso misto, guinchos, suspensão levantada e conversões para motorhome.

Quando um carro não consegue concluir a prova, seus donos têm a opção de pagar uma taxa aos organizadores ou dar um jeito de recolhê-lo para vender ou consertar e levá-lo de volta para casa. Quando a quebra ocorre dentro da Mongólia, existe a possibilidade de doá-lo para alguma instituição de caridade local, mediante um acordo entre a organização e o governo do país. Por vezes os carros sequer são vendidos, e sim utilizados por tais instituições em seus afazeres administrativos – por isto, os organizadores do Mongol Rally exigem que cada veículo seja mantido com um mínimo de usabilidade.

É uma abordagem interessante, e uma forma de dar aos entusiastas a chance de participar de um rali sem um investimento muito alto, seja com o que tem na garagem ou comprando um carro só para isto. Atualmente cerca de 300 equipes inscrevem-se todos os anos, o que significa que £ 300.000 são doados a cada edição.

Vendo os carros que participam, não consigo deixar de imaginar como meu Uninho se sairia…

Sugestão do leitor Gian Fedalto

Matérias relacionadas

USA Road Trip: três amigos em uma viagem de carro pelo oeste dos EUA

Leonardo Contesini

Qual é o destino dos sonhos para um gearhead?

Dalmo Hernandes

Estas são maiores “subidas de montanha” que você pode fazer no Brasil

Leonardo Contesini