A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
História

New Beetle RSi: quando a Volkswagen deu um VR6 de 225 cv ao “novo Fusca”

A Porsche mostrou na noite de ontem (17) os novos 718 Boxster e Cayman GT4 – trazendo de volta o motor flat-six, abandonado na atual geração, a 982, em favor de um flat-four turbinado. É como dizem: o downsizing é pop, e o pop não poupa ninguém.

O bem-vindo retorno do flat-six ao 718 acabou nos lembrando de outra ocasião em que um carro de quatro cilindros do grupo VW foi equipado com um motor de seis cilindros. Estranhamante, nunca falamos a seu respeito aqui no FlatOut, mas isto muda hoje: o Volkswagen New Beetle RSi.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, download de materiais exclusivos, participação em sorteios e no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), além de veiculação de até 7 carros no FlatOuters e até 3 anúncios no site GT40, bem como descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$20,00 / mês

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura na medida para quem quer acessar livremente todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de veiculação de até 3 carros no FlatOuters e um anúncio no site GT402.

De R$14,90

por R$9,90 / mês

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

Eu era totalmente obcecado pelo Fusca na infância e na pré-adolescência – a ponto de praticamente todas as minhas miniaturas serem do Besouro. Quando foi anunciado o “novo Fusca”, fiz questão de devorar qualquer informação a seu respeito – e ainda hoje, em momentos de devaneio, penso em comprar um. No Brasil, o New Beetle só foi oferecido com motor 2.0 8v de 116 cv, que podia ser acoplado a uma caixa manual de cinco marchas ou automática de quatro marchas (adotando o câmbio Tiptronic de seis marchas a partir de 2008).

Lá fora, tanto nos EUA quanto na Europa, houve uma variedade muito maior de versões – a Volks ofereceu no New Beetle um motor 1.4 de 75 cv; o motor 1.8 turbo 20v do Golf GTI, com 150 ou 180 cv; o cinco-cilindros 2.5 de 150 cv encontrado no Jetta Mk5; e até mesmo um turbodiesel de 1,9 litro. O mais potente e raro dos New Beetle, porém, tinha um motor VR6 de 3,2 litros debaixo do capô.

A origem do New Beetle RSi é comum à de muitos projetos entusiastas das fabricantes. Há exatos 20 anos, em 1999, a Volkswagen apresentou uma versão conceitual no Salão de Detroit.

Com para-choques exclusivos, saias laterais maiores e uma enorme asa traseira, o conceito do New Beetle RSi não era mais que um excercício de design. Porém, pela excelente recepção do carro entre os presentes, e após inúmeros questionamentos da imprensa, perguntando se havia planos para colocá-lo nas ruas, a Volks resolveu ceder. Pouco tempo depois, foi anunciada a produção limitada do carro.

Coloque limitada nisto: apenas 250 carros, todos numerados, foram fabricados entre 2001 e 2003 – todos eles na cor prata, exceto pelo exemplar de nº 002, feito especialmente para o presidente da VW na época, Ferdinand Piëch. Outros exemplares foram pintados de outras cores por seus donos, no entanto.

Foto: Hemmings

Sendo um carro fabricado em baixa quantidade – um projeto irracional, voltado exclusivamente para a manutenção da imagem da Volks entre os entusiastas – o New Beetle RSi não fazia concessões em nome da economia.

As modificações  do lado de fora eram os para-choques, exclusivos da versão, com desenho bem mais agressivo e entradas de ar maiores; e o conjunto aerodinâmico traseiro. Este era composto por duas peças: um spoiler acima do vigia, que direcionava o ar para uma nada discreta asa na tampa do porta-malas e ajudava a manter a traseira colada no chão.

O interior era igualmente radical, ou talvez até mais. Os revestimentos das portas eram de fibra de carbono nua, bem com as forrações laterais traseiras e a face do painel de instrumentos – que, diferentemente dos outros New Beetle, tinha dois elementos principais. O rádio ficava no teto, entre os para-sóis, e havia uma alça de segurança à frente do carona feita de billet de alumínio, como também eram os puxadores das portas e as manivelas dos vidros (o acionamento elétrico foi dispensado para reduzir peso). O teto e as colunas eram revestidos de Alcantara, e os bancos Recaro do tipo concha, feitos de fibra, eram cobertos de couro.

 

Um ponto a favor: o cofre do Beetle não precisou de grandes adaptações para receber o motor VR6 (um V6 de ângulo estreito, com apenas 15° entre as bancadas de cilindros e um único cabeçote), pois a Volks já havia colocado nele o motor VR5 – que, na prática, era um VR6 com um cilindro a menos. O motor de 3,2 litros, usado também no Golf R32 contemporâneo, entregava 225 cv a 6.500 rpm e 32,6 kgfm de torque a 3.000 rpm.

Também do Golf R32, o New Beetle RSi pegava emprestado o sistema de tração 4Motion nas quatro rodas. Com câmbio manual de seis marchas – o único disponível – o Besouro atômico ia de zero a 100 km/h em 7,2 segundos, com máxima de 225 km/h. Como trilha sonora, havia o ronco matador do VR6 naturalmente aspirado:

Além do conjunto mecânico exclusivo, o Beetle RSi tinha outras modificações importantes para seu desempenho. A suspensão, do tipo MacPherson na dianteira com eixo de torção atrás, tinha uma geometria muito mais agressiva e voltada para as pistas, com molas e amortecedores muito mais firmes e uma barra estabilizadora na traseira.

O New Beetle RSi usava rodas de 18 polegadas calçadas com pneus 235/40. Abrigados sob elas, vinham discos ventilados nas quatro rodas, com 334 mm de diâmetro à frente e 256 mm na traseira. Com rodas mais largas, os para-lamas também eram mais avantajados – o que, por sua vez, também exigia saias laterais maiores.

Avaliações da época e posteriores observavam que a suspensão dura priorizava o comportamento em curvas muito antes do conforto – quase não havia rolagem da carroceria e o RSi atacava curvas de forma urgente e precisa em pista. Nas ruas, o preço a se pagar era um rodar desconfortável e seco que não surpreendia, e provavelmente não incomodava seus proprietários.

Ironicamente, apesar de ter nascido no Salão de Detroit, o New Beetle RSi nunca foi vendido oficialmente fora da Europa. Sabe-se, porém, de pelo menos um exemplar no Brasil – o carro da foto abaixo, flagrado em 2012 no interior de São Paulo. A imagem, de Gustavo Campos, foi publicada no blog New Beetle Club, mas não há muito mais informações a seu respeito.

Alguém sabe onde este carro foi parar?

Matérias relacionadas

O guia das versões especiais do Mazda MX-5 Miata | Parte 1: primeira geração (NA)

Dalmo Hernandes

Prince Skyline Sports: conheça o mais antigo ancestral do Nissan GT-R

Dalmo Hernandes

Empire State Express No. 999: a história do “trem mais rápido do mundo”

Dalmo Hernandes