A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture Carros Antigos Projetos Gringos

O Fiat 147 #0000001: este foi o primeiro carro da Fiat produzido no Brasil

Carros de grande importância histórica costumam seguir dois caminhos: ou desaparecem por décadas, como aconteceu com o último Opala; ou recebem tratamento mais que especial de sua fabricante. No caso do Fiat 147, foi um pouco das duas coisas: a primeira unidade produzida não desapareceu e nem foi abandonada por aí, mas também não foi mantida pela Fiat em seu acervo para marcar o início de sua atuação no País.

A Fiat chegou ao Brasil em julho de 1976, com uma missão bem definida: produzir um carro popular para brigar com caras como o VW Fusca e a Brasilia, além do Chevette — os carros pequenos mais vendidos do Brasil na época. Para isto, ele contava com soluções que já eram comuns na Europa, mas ainda não existiam no Brasil.

autowp.ru_fiat_127_14 autowp.ru_fiat_127_10

Seu projeto foi herdado do Fiat 127, que foi lançado em 1971 na Europa e rapidamente tornou-se um dos carros mais vendidos do Velho Continente — na verdade, ele foi o mais vendido em 1975, com 500 mil unidades emplacadas. Boas características de seu projeto foram passadas ao 147: motor dianteiro transversal (primeiro em um carro nacional), suspensão independente nas quatro rodas (cujo bom comportamento transformou o 147 em referência no quesito), estepe no cofre do motor (liberando espaço no porta-malas), excelente aproveitamento do espaço interno (era mais amplo que o Fusca, mesmo que fosse 40 cm mais curto e tivesse entre-eixos 18 cm menor) e coluna de direção articulada, garantindo mais segurança ao motorista em caso de colisão frontal.

13227029_611958978955405_6383247216984128259_n

Além disso, em um aspecto, o 147 era até mais avançado que o 127: seu motor era totalmente novo, projetado por Aurelio Lampredi. O projetista famoso por seu trabalho na Ferrari criou um motor compacto, de 1.049 cm³ com comando no cabeçote acionado por correia dentada e 48 cv líquidos. Parece pouco, mas era suficiente para puxar com dignidade os menos de 800 kg do hatchback. Aliás, em 1979, este mesmo motor se tornaria o primeiro movido a álcool do Brasil.

 

Claro, foi uma receita aperfeiçoada com o tempo: o tamanho diminuto e a aparência frágil fizeram com que os consumidores enxergassem o 147 com certa reserva em um primeiro momento. Não demorou muito, contudo, para que ele fosse aceito pelo mercado — principalmente na virada da década de 1980, seu auge nas vendas. No fim das contas, algumas das soluções aplicadas no 147 continuam sendo vistas até hoje.

fiat-127

Obviamente, esta história toda teve um início — o primeiro Fiat 147 fabricado no Brasil, 40 anos atrás. Como já dissemos, normalmente estes carros costumam ficar com a fabricante, seja pelo valor histórico, seja para realizar testes, ou para as duas coisas. No caso do 147, a Fiat fez diferente e decidiu sortear o carro entre suas concessionárias, que eram 50 na época. Assim, sem cerimônia, o Fiat 147 de chassi nº 0000001 foi parar na revendedora Milocar, no Rio de Janeiro/RJ.

13233061_611962762288360_7633071751559192666_n

Como Jaime Bouéri, atual presidente do 147 Fiat Clube RJ, contou em 2013, a concessionária fez questão de manter o carro em seu showroom pelas últimas quatro décadas. Sua primeira saída aconteceu no último dia 16 de maio em um evento organizado pelo Clube. Além de marcar o aniversário da comunidade de proprietários, o evento também serviu para comemorar antecipadamente os 40 anos de atuação da Fiat no Brasil — a data oficial é 9 de julho, dia da inauguração da fábrica em Betim/MG.

13164482_611962112288425_3383071638465142275_n

O evento reuniu centenas de proprietários e contou com a participação de outros clubes dedicados a modelos da Fiat — Uno, Marea, 500, Tempra e Tipo também estiveram presentes. O ponto alto da reunião, contudo, foi a carreata liderada pelo 147 nº 0000001. O colega Henrique Rodriguez, do Primeira Marcha, estava lá e filmou parte do passeio no banco do carona do Fiat 147 GL 1977 de Bouéri.

Dá para ver que o carro está muitíssimo bem conservado e aparentemente com boa saúde, apesar dos pouco mais de 10 km marcados no hodômetro. Dá para imaginar o arrependimento da Fiat em ter passado o carro para uma de suas concessionárias — tanto que, de acordo com Bouéri, dez anos mais tarde a fabricante tentou reaver o carro, oferecendo até mesmo uma cegonha carregada de Fiat Elba 0km. A proposta foi recusada, o que conseguimos entender perfeitamente.

13230103_611961888955114_2775961807135086643_n

 

Enfim, esta é a história do primeiro Fiat 147 vendido no Brasil. Fique agora com uma seleção de fotos do evento, que estão disponíveis também na fanpage do 147 Fiat Clube RJ.

13233077_611962242288412_119134430261698288_n 13164482_611962112288425_3383071638465142275_n 13245417_611962035621766_1565599663615967208_n 13227033_611961852288451_428716881958204483_n 13256286_611961812288455_9048436133529814240_n 13244614_611961752288461_4685962752169035546_n 13260288_611961715621798_520745118371187677_n 13240031_611957718955531_541655994335303168_n 13245486_611957432288893_6962168360678704806_n 13238934_611957502288886_2142164336099576920_n 13221753_611960412288595_145415945525410915_n 13266063_611960265621943_4032046204434503101_n 13241113_611959872288649_4593355804554863602_n 13244828_611959508955352_7190714279897594791_n 13266108_611959502288686_9141455391785255954_n 13239423_611959348955368_181722676688626502_n 13244897_611959238955379_4896932120066385213_n 1936241_611959218955381_6089066223467641263_n 13266112_611958895622080_5290729146210642449_n 13221719_611958858955417_6659137311605561727_n 13265853_611958708955432_5450294846887874148_n 13266030_611958635622106_9177452979791041984_n 13260030_611958615622108_294885764528916656_n 13230264_611957848955518_1747143607475190095_n 13238997_611957782288858_1763044386138817484_n 13254189_611957738955529_6788866249319180127_n

 

Matérias relacionadas

Halloween: os carros “cor de abóbora” mais icônicos que existem

Dalmo Hernandes

“Storm Racing Drone” é como jogar F-Zero em primeira pessoa, só que na vida real

Dalmo Hernandes

Os carros de Kobe Bryant: a bela garagem do ídolo dos Lakers

Dalmo Hernandes