FlatOut!
Image default
Zero a 300

O último Aston V12 // IPVA pode subir até 30% em 2022 // a moto elétrica mais rápida do mundo e mais!


Bom dia, caros leitores! Bem-vindos ao Zero a 300, a nossa rica mistura das principais notícias automotivas do Brasil e de todo o mundo. Assim, você não fica destracionando por aí atrás do que é importante. Gire a chave, aperte o cinto e acelere conosco.

O Zero a 300 é um oferecimento do Autoline, o site de compra e venda de veículos do Bradesco Financiamentos. Nesta parceria, o FlatOut também apresentará avaliações de diversos carros no canal de YouTube do Autoline – então, clique aqui e se inscreva agora mesmo (e não esqueça de ativar o sininho)!

 

O canto do cisne do Aston Martin Vantage V12

O Aston Martin Vantage V12 está voltando. Ele virá para uma última geração e depois, segundo a fabricante, entrará para a história, deixando como sucessor um cupê elétrico.

Por enquanto a Aston não divulgou detalhes do esportivo, que concorre diretamente com o Porsche 911 Turbo S, mas evidentemente ele não será muito diferente do atual Vantage, que hoje é oferecido apenas com o V8 4.0 biturbo da AMG, em uma calibragem específica da Aston Martin. O motor V12, contudo, deverá ser o mesmo oferecido no V12 Speedster, que é um modelo baseado no Vantage. No Speedster, o V12 de 5,2 litros produz 700 cv e 76,5 kgfm, e leva o carro do zero aos 100 km/h em 3,5 segundos e à máxima de 300 km/h.

Apesar de a Aston ter divulgado apenas um teaser do Vantage, o modelo já foi flagrado em testes em Nürburgring, e ele se diferencia do V8 pela nova grade, saída dupla de escape, novas tomadas de ar na dianteira e um ressalto no capô como os antigos Vantage.

Apesar da exuberância de um Vantage V12 de 700 cv, o modelo deverá ter vida curta, infelizmente — daí o canto do cisne do V12 Aston —, porque em 2025 deve entrar em vigor o padrão de emissões Euro 7, uma das maiores ameaças ao motor de doze cilindros da marca.

Além do cupê elétrico, a Aston também estuda um modelo híbrido, com o transeixo elétrico da Mercedes-AMG, que será usado no próximo C63 — sim, aquele 2.0 de quatro cilindros. Resta saber se a Aston será forçada a lançar um Vantage e-L4 (tive calafrios só de escrever isso…) ou se ela sucumbirá à modernidade com um pouco mais de honra.

Mas deixemos para pensar nisso em 2025. Até lá, que venha o V12 Vantage e que seja eterno enquanto dure. (Leo Contesini)

 

IPVA pode subir até 30% em 2022

Se você comprou um carro recentemente e está animado com a valorização dele no mercado de usados, trago uma má notícia. Se você está furioso com a valorização, porque seu orçamento para trocar de carro foi para o brejo, também trago uma má notícia: a valorização dos carros fará o valor do IPVA disparar em 2022.

Sim, caso você não saiba, o IPVA é um imposto baseado no valor venal do modelo, referenciado pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas, a FIPE. Ou seja: a tabela Fipe é quem irá determinar o quanto você pagará de IPVA em 2022. Para calcular o valor aproximado, basta procurar o ano de fabricação do seu carro e multiplicar pela alíquota no seu estado.

Como os carros tiveram um aumento médio de 25% desde o início do ano, o IPVA deverá subir proporcionalmente. Considerando apenas os carros novos, o aumento médio foi de 20%, mas no mercado de usados a valorização média foi de 30% — daí a possibilidade desta variação no IPVA.

Em São Paulo, contudo, tramita na Assembleia Legislativa um projeto de lei para congelar temporariamente o valor do IPVA, mantendo-o o mesmo de 2020, como medida de proteção econômica (e também visando preservar a imagem dos candidatos de 2022, é bom lembrar). O projeto, contudo, tem apenas três semanas para ser aprovado, pois após este prazo os deputados entram em recesso, retornando somente no início de janeiro, quando vence o IPVA. Feliz ano novo, motorista! (Leo Contesini)

 

Hennessey Deep Space: 2400 hp e seis rodas, em 2026

Carros de seis rodas são decididamente exagerados, malucos, fora da órbita. Mas são também sensacionais. Todo mundo lembra dos carros de F1 da Tyrrel (4 rodas na frente) e da Williams (4 rodas atrás), mas a única tentativa séria de colocar esse tipo de carro em produção foi o Panther Six de 1977: quatro rodas na frente esterçando, e um motor-transeixo Cadillac V8 de 8,2 litros com dois turbos atrás. Apenas dois carros foram feitos.

O Panther Six

Agora vem a notícia que a Hennessey texana está fazendo mais um: o positivamente psicodélico Deep Space. Tudo nele é superlativo: seis metros de comprimento, quatro lugares em formato de diamante (com motorista à frente, no centro), motores elétricos de 2400 hp, e velocidade final acima de 320 km/h. Custará três milhões de dólares, e apenas 105 serão feitos. O trabalho está em andamento para lançamento em 2026.

O carro usará um motor para cada roda. John Hennessey não afirma qual será a potência final, mas disse: “É muito comum gerar 400 hp em cada motor elétrico, então fazer as contas sugere 2400 hp.” Isso tornaria o Deep Space muito mais potente do que os hipercarros elétricos Lotus Evija e Pininfarina Battista. A Pennzoil, de propriedade da Shell, e a Delta, de propriedade da Cosworth, estão contribuindo para o desenvolvimento do trem de força do veículo.

Hennessey o chamou de “o equivalente moderno de algo como um Bugatti Royale” e que a autonomia deverá ser “maior do que o que existe atualmente”. Um carro já foi vendido: para o dono do Venom F5 que foi mostrado em Pebble Beach em agosto. Santas rodas múltiplas, Batman! (MAO)

 

Chevrolet anuncia alterações para atender Proconve L7

A partir 2022, entra em vigor no Brasil a fase L7 do Proconve. Obviamente, os limites serão mais restritivos, causando nova rodaa de investimentos e adoção de novos equipamentos.

A Chevrolet do Brasil anunciou que fará alterações nos sistemas de gerenciamento de motor e câmbio para os modelos flex ou a gasolina e também instalará um novo filtro de escape nos propulsores a diesel para reduzir em até 95% a emissão de materiais particulados na atmosfera. Pretende reduzir as emissões de seus carros em até 43%.

Diz o presidente Santiago Chamorro: “A GM anunciou seu compromisso de se tornar uma empresa neutra em carbono até 2040 e estamos avançando globalmente neste sentido. Parte importante deste processo é tornar cada vez mais sustentáveis nossos veículos a combustão até a migração do mercado para os carros 100% elétricos, os únicos zero emissão”.

A Chevrolet vai aproveitar o ensejo e finalmente aposentar o tanquinho auxiliar de gasolina para partidas a frio, ainda usado na Chevrolet Spin, adotando o sistema de bicos injetores com pré-aquecimento. Com o novo acerto de motor e transmissão, a Chevrolet afirma que seus carros não deverão perder performance, então os dados de potência e torque ficarão os mesmos. (MAO)

 

Max Biaggi bate o recorde de velocidade de motos elétricas

Na semana passada, o lendário piloto de MotoGP Max Biaggi montou em uma motocicleta elétrica Venturi Voxan Wattman modificada para andar numa pista desativada da NASA na Flórida – a mesma onde o ônibus espacial costumava pousar. No processo, ele quebrou 18 recordes de velocidade terrestre para motocicletas elétricas, incluindo velocidade máxima, com média de 455 km/h em duas passagens, uma em cada direção. Com isso, Biaggi quebrou seu próprio recorde de velocidade em motocicletas elétricas, estabelecido no ano passado, quando levou uma versão anterior do Wattman até 407 km/h.

O Wattman foi atualizado com uma série de componentes. Uma bateria mais potente e leve foi instalada. O motor foi alimentado para produzir 435 cv. A suspensão foi ajustada para a nova função. E talvez o mais importante, a moto foi envolta em uma carenagem aerodinâmica cuidadosamente desenvolvida, que lembra a metade de um VW XL1.

“É muito diferente de quando eu costumava andar de MotoGP, com motor a combustão barulhento. Os motores elétricos fazem apenas um pequeno zzzzzzttttt. Mas em velocidade, o vento cria um ruído muito grande. Você se sente como um avião decolando.”, disse Biaggi. (MAO)

ESTA Chevy GMC 500 2.0 16V Turbo
PODE SER SUA!

Clique aqui e veja como