A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Projetos Gringos Zero a 300

Olhe de novo: este carro não é um Lamborghini Diablo

Há alguns dias um brasileiro ficou famoso na internet por causa de sua “réplica” do Lamborghini Aventador. Quer dizer, não dá para dizer que é uma réplica no sentido tradicional da palavra. Está mais para uma recriação feita com o que o homem, que mora em Rondonópolis/MT, tinha à mão: um Fiat Uno, uma serra Makita e muita criatividade.

É fácil olhar para a criação de Edimar Souza Goulart e fazer piada: o acabamento é amador, as proporções não são lá muito proporcionais e bem, é um Fiat Uno 2002 disfarçado de Lamborghini Aventador, que não parece mais um Uno e nem convence como Aventador. Mas isto é óbvio.

O que pode não ser tão óbvio assim para nós é que Edimar se empenhou e, em suas palavras, realizou “o sonho de ter um carro esportivo”. Ele diz que desenhava desde criança e que, depois de “batalhar bastante”, comprou um Fiat Uno (um Mille Fire 2002) e logo começou a transformação, serrando e dobrando a estrutura e moldando uma carroceria inspirada no Aventador com massa plástica. O interior do Uno não foi modificado – bancos e painel original estão em seus devidos lugares, e no vídeo abaixo dá para ver que por conta disto o espaço para as cabeças dos ocupantes ficou bem comprometido.

O carro não é usado nas ruas, e Edimar diz que ainda faltam alguns meses para que ele fique pronto – uns quatro meses, segundo seus cálculos. Mas ele já parece satisfeito com sua criação, e quem somos nós para julgar?

Estamos falando disto porque o “LamborghUNO” foi a primeira coisa que nos veio à mente quando vimos esta réplica de Lamborghini Diablo anunciada no Craigslist, o “OLX norte-americano” onde se oferece qualquer coisa à venda. À primeira vista parece mesmo um Lamborghini Diablo, mas nota-se que o carro anunciado em Vancouver, no Canadá, está um tanto barato demais: 80.000 dólares canadenses, ou o equivalente a cerca de R$ 227.000 em conversão direta. A réplica é inspirada no Lamborghini Diablo VT 6.0 2001, última versão lançada pela Lamborghini. Se quiser comprar um desses no EUA, prepare-se para desembolsar pelo menos US$ 300 mil, ou R$ 1,1 milhão.

00Y0Y_6VFHDr9L8gt_1200x900 00808_3I0liDYCQSI_1200x900

As proporções do carro parecem corretas, mas examinando com mais cuidado percebemos que o acabamento está um pouco abaixo do que se vê em um Diablo de verdade, com gaps sutilmente maiores entre os painéis da carroceria.

00e0e_cOcFJ5dvFOk_1200x900 lamborghini_diablo_vt_6.0_27

Em cima, a réplica. Embaixo, o autêntico. Que tal?

Por outro lado, faróis e lanternas parecem autênticos – até porque não são peças tão difíceis de encontrar lá fora: os faróis são os mesmos do Nissan 300ZX e as lanternas circulares são peças genéricas na Europa, e podem ser encontradas até mesmo em alguns ônibus.

00N0N_k2upZ3qS7S5_1200x900 00n0n_ZvJ8cimKjH_1200x900 01616_5JOjGSXPcOO_1200x900

O interior original do Diablo foi reproduzido em fibra de vidro com detalhes em fibra de carbono, além de revestimento em couro. Os elementos foram recriados em sua forma e posição originais e até que convence, incluindo até mesmo um volante idêntico ao original. Mas os instrumentos são diferentes e a execução não é compatível com a de um Diablo de verdade. De qualquer forma, ótima tentativa!

 

01616_3uC2zODNX5n_1200x900 00o0o_dfGqedPqTlJ_1200x900

O carro foi construído sobre um chassi tubular, como é o caso na maioria das réplicas – embora nos EUA existam kits para converter o Pontiac Fiero em “Lamborghini Diablo” que são bastante convincentes. A suspensão usa braços triangulares sobrepostos nas quatro rodas (que são idênticas às do Diablo VT 6.0 de 2001) com direito a amortecedores duplos atrás. O chassi parece ter sido feito sob medida para acomodar o motor V8 Chevrolet LS, vindo de um Corvette e acoplado a uma caixa manual Porsche de cinco marchas. Segundo o anunciante o motor small block de 5,7 litros com comando no bloco tem injeção eletrônica e entrega 300 cv.

Para efeito de comparação, o motor V12 de seis litros com comando duplo no cabeçote usado no Diablo VT em 2001 entregava 558 cv. Além disso, a réplica tem tração traseira, enquanto o VT 6.0 original vinha de série com tração integral – a tração traseira era opcional. Dito isto, 300 cv em um carro de fibra de vidro com motor central traseiro devem ser até divertidos, não?

00D0D_irJ4e9nZcM2_1200x900 00f0f_lCtDduFhbQW_1200x900

Não se engane: a cobertura do motor e as tampas de válvula são apenas decorativos – o V8 está escondido ali embaixo

Agora… no Brasil também existem algumas criações artesanais que podem ser consideradas réplicas de fato. Temos um exemplo no Project Cars – a réplica de Lamborghini Diablo feita por Denis Schiavon, o PC #225, que ainda está em construção. O carro tem chassi sob medida, motor V6 de 2,8 litros de 30 válvulas e 193 cv vindo do Audi A4 e câmbio manual de cinco marchas.

Como você deve lembrar se acompanha o PC #225, o carro foi feito sobre um chassi fabricado pelo próprio Denis usando um projeto chamado NAERC, que pode ser encontrado facilmente para download na Internet e traz todas as medidas de chapas e tubos necessárias para construir uma réplica de Lamborghini Diablo. É um projeto bastante popular, e tudo indica que ele também foi usado para construir o exemplar à venda no Canadá.

A carroceria usada por Denis é uma reprodução em fibra do Diablo fabricada por Marcelo Marinelli, da Scuderia Marinelli. Quem acompanha sites e fóruns automotivos na Internet já há algum tempo talvez reconheça o nome. A empresa, que fica em São Paulo/SP, ficou conhecida na Web após a publicação deste vídeo, feito pelo Renato Bellote:

Imagens da réplica finalizada (aparentemente equipada com um motor seis-cilindros de Opala) impressionam pela atenção aos detalhes e materiais, com direito a couro e fibra de carbono no interior. Ao que tudo indica pelo menos uma segunda réplica já foi feita.

lamborghini-diablo-VT

 

Matérias relacionadas

Dodge leva motor V8 Hellcat novo na caixa para o SEMA 2017 – e que tal um Demon feito de fibra de carbono?

Dalmo Hernandes

Como fazer drift? Chris Harris ensina de uma vez por todas

Dalmo Hernandes

Como um piloto tetraplégico voltou às pistas graças à tecnologia

Dalmo Hernandes