A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Top

Os carros mais legais que você pode comprar gastando entre R$ 20 mil e R$ 25 mil – Parte 1

E chegamos a  mais uma parte do nosso guia de compra para carros em várias faixas de preço! Desta vez, perguntamos aos leitores quais eram os carros mais bacanas que se podia comprar gastando entre R$ 20 mil e R$ 25 mil. Agora, chegou a hora de conferir as suas sugestões!

Ah, e é sempre bom lembrar: não se preocupe se o carro que você sugeriu não está aqui: esta é só a primeira parte!

Fiat Marea Turbo

20-25-parte-1 (4)

Sim, a gente já conhece a reputação do Fiat Marea Turbo. Aliás, quem não conhece? A versão mais nervosa do Marea, oferecida em versões sedã e perua, é um dos esportivos mais emblemáticos do País. Não é para menos: com um cinco-cilindros de dois litros com 20 válvulas, turbo, 182 cv e 27 mkgf de torque, seu desempenho era brilhante: 0-100 km/h em 7,9 segundos e máxima de 223 km/h. O visual do carro, especialmente da Weekend, é indiscutivelmente bonito, e o ronco do motor Fivetech é simplesmente memorável, e seu potencial de preparação é imenso: existem, aqui no Brasil, exemplares fuçados que rendem mais de 700 cv.

20-25-parte-1 (5)

Estas são algumas das qualidades que fazem do Marea Turbo um dos carros mais admirados do Brasil, e uma opção atraente para quem quer um esportivo gastando entre R$ 20 mil e R$ 25 mil. Mas o Marea Turbo também é um dos que mais exigem atenção na hora da compra. Não por ser difícil encontrar um exemplar em bom estado de conservação e com a mecânica em dia, mas por causa da manutenção.

20-25-parte-1 (6)

O motor Fivetech é bastante sofisticado (coisa que vale também para as versões naturalmente aspiradas, seja o 2.0 de 127/142 cv ou o 2.4 de 160 cv) e, para evitar dor de cabeça, procure um exemplar de procedência comprovada, com toda a manutenção em dia e, se possível, sem modificações. E se prepare para pagar um pouco mais caro pela mão de obra, pois o próprio posicionamento do motor no cofre dificulta alguns serviços, como a troca da correia dentada. Mas nem é tão complicado como dizem.

 

Citroën C4 VTR

20-25-parte-1 (7)

O Citroën C4 VTR é o membro descolado da família composta por um sedã sofisticado e um hatch de quatro portas elegante, e sucessor espiritual do Xsara VTS no Brasil, que tinha um motor 2.0 de 167 cv — e até apareceu em uma das listas anteriores.

20-25-parte-1 (8)

O motor 2.0 16v do C4 VTR é menos potente, com 143 cv, mas ainda entrega desempenho muito interessante (original, são 9,2s até os 100 km/h e máxima de 207 km/h) e seu visual está entre os mais agradáveis já produzidos pela Citroën). Sendo assim, ele pode ser uma boa escolha para quem quer um hatch de duas portas diferente e com bom custo-benefício: com R$ 20 mil na mão você já encontra um exemplar muito bem cuidado e com quilometragem razoavelmente baixa. Se quiser pagar um pouco mais (mas ainda menos de R$ 25 mil), dá para garimpar um C4 VTR impecável e pouco rodado.

 

Ford Ranger (primeira geração)

 

20-25-parte-1 (3)

Se você não tiver medo de motores importados, sempre quis uma picape e economia de combustível não for sua maior prioridade, talvez uma Ford Ranger de primeira geração seja o carro certo para você. Ela é uma caminhonete bonita, bem acabada e, nesta faixa de preço, oferece algumas opções interessantes de motorização, seja com cabine simples, estendida ou dupla.

Caso queira uma Ranger veloz, o motor V6 de quatro litros e 162 cv é uma boa pedida — foi o primeiro a chegar, em 1994, e pode ser encontrado na Ranger XL, de cabine simples, ou STX, de cabine estendida. Há ainda, os motores de quatro cilindros a gasolina (entre eles, um 2.5 8v de 121 cv e um 2.3 16v de 137 cv), para quem não faz tanta questão de desempenho. A partir de 2001, o motor V6 passou a ter comando nos cabeçotes e a entregar 201 cv.

20-25-parte-1 (1)

Para quem quer mais torque e menor consumo de combustível, vale procurar um exemplar a diesel. O motor era um Maxion de 2,5 litros e 115 cv até 2002, quando foi substituído por um International de 2,8 litros com turbo de geometria variável, 135 cv e 38,2 mkgf de torque. Em todos os casos, o preço oscila entre R$ 20 mil e R$ 25 mil, dependendo mais do estado de conservação do que da versão escolhida.

 

Chevrolet Kadett GSi

20-25-parte-1 (10)

Antes de qualquer coisa: sim, dá para encontrar um Kadett GSi por menos de R$ 10 mil. No entanto, a especulação no mercado de clássicos nacionais acabou colocando os melhores exemplares em um patamar bem mais elevado: um Kadett GSi impecável não custa menos de R$ 20 mil.

20-25-parte-1 (9)

Não estamos dizendo que é barato mas, pense conosco: se você vai comprar uma versão esportiva, por que não gastar mais e levar para casa um carro realmente bonito, pouco rodado e bem conservado, só para abastecer e curtir? O Kadett GSi tem motor 2.0 com injeção multiponto, 121 cv e 17,6 mkgf de torque, visual diferenciado com para-choques, lanternas e rodas exclusivos, interior muito bem acabado com bancos Recaro e painel digital (era opcional, mas não é tão raro) e, com sorte, talvez você até ache um conversível por menos de R$ 25 mil.

 

Honda Civic VTi

20-25-parte-1 (3)

A gente já falou bastante aqui do Honda Civic VTi: na quinta e na sexta gerações, o hatchback esportivo era equipado com o mítico motor B16, de 1,6 litro e 16v com comando variável VTEC e 160 cv — nada menos que 100 cv/l, fazendo dele um dos motores aspirados de maior potência específica em todos os tempos. Além disso, com suspensão independente nas quatro rodas (sendo multilink na dianteira), sua dinâmica é das mais bem acertadas para um tração dianteira. E seu visual também agrada bastante.

20-25-parte-1 (2)

Agora, um detalhe: você vai encontrar vários exemplares custando R$ 24-25 mil, mas não nos sites de classificados, e sim em fóruns de proprietários e grupos no Facebook. São carros que costumam ser modificados e conhecidos entre a comunidade, normalmente com quilometragem elevada, porém tratados com carinho por seus donos e muitos deles com componentes mecânicos novos e originais. É um nicho bastante específico de entusiastas, e quem já acelerou um VTi sabe que é um caminho sem volta. Basta saber procurar e, mais importante ainda, examinar bem o carro na hora da compra.

 

Volkswagen Bora

20-25-parte-1 (6)

O Volkswagen Golf de quarta geração é um dos hatches médios mais bem sucedidos do Brasil graças a seu belo visual, sua mecânica conhecida e sua grande comunidade de fãs. Só que ele é muito visado por ladrões e está cada vez mais difícil encontrar um exemplar que não tenha sofrido modificações ou negligência nas mãos de donos anteriores.

20-25-parte-1 (4)

Se você quer a plataforma do Golf, sua mecânica e seu acabamento, mas quer gastar menos com seguro e perder menos tempo procurando um exemplar bem tratado, que tal procurar um Bora? Importado do México, o Bora estava disponível apenas com motor 2.0 8v de 116 cv. Com R$ 25 mil nas mãos, a melhor pedida para o sedã do Golf é um exemplar fabricado depois de 2007 — os mais antigos custam menos e, para muita gente, são mais bonitos, mas já estão desgastados pelo tempo.

 

Renault Mégane Grand Tour

20-25-parte-1 (9)

Quer uma perua francesa bonita, bem acabada, potente e que não custe os olhos da cara? A Mégane Grand Tour pode ser exatamente o que você procura. A segunda geração do Mégane começou a ser fabricada no Brasil em março de 2006 na versão sedã, enquanto a perua chegou em dezembro do mesmo ano.

20-25-parte-1 (8)

Além do visual extremamente agradável de todos os ângulos, a perua é bem equipada, espaçosa, tem bom acabamento e desempenho mais do que satisfatório nas versões Expression e Privilège com motor 2.0 16v de 138 cv (esta última, com câmbio automático). Por um preço médio de R$ 23 mil, você já encontra um exemplar fabricado em 2008/2009 com menos de 80 mil km rodados — uma bela barganha, se querem saber.

 

BMW 325i (E36)

20-25-parte-1 (12)

Na lista anterior, citamos o BMW Série 318i Compact, versão hatchback de duas portas da série 3. Com um pouco mais de grana, porém você já compra um sedã com dois cilindros a mais — o 325i, com seu seis-em-linha de 2,5 litros com 24 válvulas e 192 cv. É a versão mais comum do Série 3, e traz todas as boas características do modelo: bom acabamento, tração traseira, visual atraente e mecânica robusta, se bem cuidada.

20-25-parte-1 (7)

Um bom exemplar costuma custar algo entre R$ 23 mil e R$ 25 mil, mas os cuidados na hora da compra são os mesmos que valem para qualquer importado acessível: faça uma avaliação minuciosa do exemplar no qual está de olho para garantir que ele foi bem cuidado pelos donos anteriores, pois estes carros sofreram uma desvalorização muito grande nos últimos anos, o que acabou transformando vários deles em vítimas de donos que tinham condição de comprar, mas não de cuidar como se deve.

 

Chevrolet Calibra

20-25-parte-1 (14)

O Chevrolet Calibra é a versão descolada do Vectra GSi, compartilhando a mesma plataforma e conjunto mecânico. Foi importado da Alemanha entre 1993 e 1995, com cerca de 1.500 unidades vendidas. Ainda que um exemplar realmente impecável possa custar mais de R$ 30 mil, por R$ 25 mil você já encontra um Chevrolet Calibra bem cuidado, bonito e relativamente pouco rodado (coisa de 80-90 mil km no hodômetro).

E o que você leva por esta grana? Um cupê de duas portas e quatro lugares (2+2) com motor 2.0 de 16v e 150 cv (o famoso C20XE), uma das mais belas carrocerias já vistas no Brasil, excelente acabamento e dinâmica mais do que correta. Não é preciso muito mais do que isto para te convencer, não é mesmo?

20-25-parte-1 (13)

Agora, uma coisa é importante observar: ainda que a mecânica não tenha grandes segredos na hora de manter, procure um exemplar com todos os acabamentos no lugar e em bom estado: não é fácil encontrar peças como faróisl, lanternas e vidros para reposição.

Matérias relacionadas

Os games de corrida mais legais da sexta geração de consoles, parte 1

Dalmo Hernandes

Sessão nostalgia: as coisas que os carros perderam (ou estão perdendo) de que mais sentimos falta

Dalmo Hernandes

As melhores edições especiais inspiradas pela Fórmula 1 – parte 2

Dalmo Hernandes