A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture Games Top

Os games de corrida com as melhores trilhas sonoras – parte 1

É certo que, quando se joga videogame, boa parte da experiência e de como o jogo ficará marcado em sua memória tem a ver com a trilha sonora. Foi por isto que, aproveitando o embalo do relançamento das trilha de OutRun, clássico arcade da Sega, no Spotify, decidimos perguntar: qual é o game de corrida com a trilha sonora mais bacana?

Com as sugestões de vocês, percebemos uma divisão entre os que preferem trilhas sonoras originais e os que curtem games com músicas licenciadas de artistas famosos. Tentamos equilibrar as coisas e incluir um pouco dos dois. Confira a primeira parte da lista!

 

Top Gear

Sugerido por: praticamente todo mundo

Alguma dúvida de que Top Gear seria o mais indicado? A nostalgia oitentista pelo clássico do Super Nintendo é universal e transcende idade, nacionalidade, gênero e qualquer outra coisa que separa os seres humanos. Todo mundo fica nostálgico ao ouvir a característica melodia de abertura, e mais ainda a trilha sonora do primeiro circuito.

Bastam alguns segundos para te trazer à memória um tempo mais simples, quando sua maior preocupação era se decidir entre pegar o carro mais potente, o mais equilibrado, o que fazia curvas melhor ou o mais econômico.

O compositor das músicas de Top Gear é o escocês Barry Leitch. E uma coisa que você talvez não soubesse (cortesia do nosso leitor gusRamos) é que Leitch também foi o compositor da trilha sonora dos dois primeiros títulos da série Lotus Turbo Challenge, para o computador Amiga, lançados em 1990 e 1991. Top Gear, de 1992, utiliza algumas composições dos dois jogos, com arranjos ligeiramente diferentes.

Ah, e você deve se lembrar de Horizon Chase, o game brasileiro retrô completamente inspirado em Top Gear. Adivinha quem compôs a trilha? Sim: Barry Leitch. Seu estilo é inconfundível.

Falando em inspiração em Top Gear, existe uma banda de rock pesado que se dedica exclusivamente a releituras e composições baseadas em trilhas sonoras de games clássicos. E os caras mandaram bem em sua versão para as faixas de Top Gear.

 

Gran Turismo

Sugerido por: Dalmo Hernandes, Rodrigo Leite

A geração anos 90, que cresceu jogando Gran Turismo 2 no PlayStation, mal consegue conter as lágrimas ao ouvir “My Favourite Game”, da banda de rock alternativo The Cardigans. O álbum em que a canção aparece, lançado em 1998, não se chama Gran Turismo à toa.

Acontece que esta é só uma das canções marcantes de Gran Turismo 2, que também traz sons de Rob Zombie, Garbage, Apollo 440, Stone Temple Pilots e outros nomes da música alternativa do fim da década de 1990.

Nos menus, havia composições originais galgadas no jazz, na lounge music e na eletrônica, pelos compositores japoneses Masahiro Andoh e Isamu Ohira – foi este último o compositor de “The Drift of Air”, a dançante trilha do menu principal.

A verdade, porém, é que os outros títulos da franquia também mandaram muito bem na trilha sonora. O primeiro trazia “Everything Must Go”, do Manic Street Preachers, remixada pelos Chemical Brothers, e casava muito bem com o clima do jogo. Isto porque estamos falando só das músicas de abertura.

As versões japonesas dos títulos mais antigos usavam mais músicas originais – os filmes de abertura, por exemplo, usam arranjos diferentes de “Moon Over the Castle”, composta por Masahiro Andoh.

E cai muito bem como introdução para “Panama”, do Van Halen, o tema de abertura da versão americana de Gran Turismo 4, lançado em 2004.

Quer mais uma curiosidade? Lá vai: “Moon Over the Castle” é baseada em uma música da banda T-Square, grupo de jazz fusion do qual Andoh fez parte, chamada “Knight’s Song”. A canção pode ser encontrada no álbum Blue in Red” de 1997.

 

Need for Speed Underground e Need for Speed Undeground 2

Sugerido por: Doge, Laranjeiro

Avançando alguns anos, chegamos a Need for Speed Underground, o game que, ao lado do primeiro filme da saga “Velozes e Furiosos” (The Fast and the Furious, 2001), foi o grande responsável por popularizar a cultura do tuning de Los Angeles entre as massa (mesmo os que nem gostavam de carros, aliás).

Títulos anteriores da franquia da Electronic Arts já haviam sido bem-sucedidos na escolha das músicas. Hot Pursuit 2 (2002), por exemplo, trazia “One Little Victory”, do Rush, que apareceu no álbum Vapor Trails, lançado naquele ano, no meio de músicas de outras bandas de rock americanas, canadenses e britânicas.

Mas foi com o primeiro Underground que a EA começou a usar as EA Trax, canções licenciadas em parcerias com grandes gravadoras. A trilha misturava hip hop, eletrônica e rock alternativo com maestria, indo de “Get Low”, de Lil Jon, a “Out of Control”, do Rancid, passando por Rob Zombie com “Two-Lane Blacktop” e The Crystal Method com “Born Too Slow”.

Underground 2, de 2004, trouxe o já célebre remix de Snoop Dogg para o clássico do The Doors, Riders on the Storm, e deu mais ênfase ao rock com Ministry, Helmet, Mudvayne e Queens of the Stone Age, sem deixar o rap e a eletrônica de lado.

 

F-Zero

Sugerido por: Eduardo W.

Um game de corrida de naves é um verdadeiro game de corrida? É claro! Ainda mais um clássico como F-Zero, que era basicamente um “Top Gear com naves em vez de carros” – ainda que tenha sido lançado antes, em 1990. Na verdade, F-Zero foi o primeiro jogo de corrida do Super Nintendo.

A premissa F-Zero é simples: naves disputando corridas a centenas de quilômetros por hora, com uma história envolvendo disputas interplanetárias como plano de fundo. No entanto, a sensação de velocidade proporcionada pelo jogo era impressionante para a época, o desenho dos circuitos era criativo e bem feito e a trilha sonora galgada em sintetizadores era uma das mais pegajosas da época. Especialmente a clássica “Mute City”, que traduzia muito bem a atmosfera retrofuturista do jogo.

 

Grand Theft Auto

Sugerido por: ZéhGabilão

Quando se fala nas músicas de GTA, logo pensamos em uma cidade cheia de crimes esperando para serem cometidos ao som da nossa estação de rádio favorita. Isto porque, começando em GTA III, a Rockstar Games começou a investir em músicas licenciadas que eram divididas em estações de rádio.

Sempre que entrava em um veículo, você podia escolher sua estação favorita. Em GTA III, a lista ainda era um tanto restrita, com artistas mais desconhecidos e playlists curtas. Mas ainda havia algumas pérolas – como a rádio Flashback 95.6 FM, que tocava apenas músicas da trilha sonora de Scarface (1983), composta por Giorgio Moroder.

GTA Vice City se passava em uma cidade inspirada na Miami da década de 1980. A trilha sonora, já com canções mais consagradas e playlistis mais longas, acompanhava. A V-Rock, por exemplo, era especializada em hard rock e heavy metal, com Twisted Sister, Mötley Crue, Ozzy Osbourne, Motörhead e Iron Maiden.

Já a Wave 103 atacava com a onda New Wave, e incluía A Flock of Seagulls, Blondie e Genesis.

GTA San Andreas, o título seguinte, avançava dez anos no tempo. Havia duas rádios de rock: a K-DST, que tocava clássicos de David Bowie, Billy Idol, Boston e Toto (e tinha Axl Rose como locutor!)…

… e a Radio X, que entrava de cabeça na nova década com Soundgarden, Jane’s Addiction, Alice in Chains e Stone Temple Pilots.

Já a Radio Los Santos era repleta do melhor do gangsta rap, com Doctor Dre e Snoop Dogg, NWA, Ice Cube, Cypress Hill e Eazy-E.

Matérias relacionadas

Carrera GT: o antecessor do Porsche 918 Spyder ainda é um carro fodástico – mesmo uma década depois

Dalmo Hernandes

Dodge Viper ACR: a sigla que conquistou o recorde de Nürburgring está de volta

Gustavo Henrique Ruffo

Quatro coisas que você não sabia sobre o Porsche 959

Marco Antônio Oliveira