A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Games Top Zero a 300

Os games de corrida mais bacanas da era 8 bits e 16 bits – parte 1

O retrô está na moda em tudo, e os games não são exceção: seu celular roda diversos remakes de clássicos do passado (além dos emuladores, sempre muito úteis), a própria Nintendo lançou uma edição clássica do NES lá fora, a TecToy fez o mesmo com o Master System no Brasil… e nós perguntamos aos leitores quais eram seus games de corrida favoritos das eras de 8 bits e 16 bits dos videogames. Agora, temos a primeira parte da lista com as respostas!

Nossas sugestões foram Super Mario KartSuper Monaco GP, dois clássicos do Super Nintendo e do Sega Mega Drive, respectivamente, e games com apelos bem diferentes. O primeiro colocou os personagens da franquia de jogos eletrônicos mais famosa do planeta para disputar corridas de kart, enquanto o outro era uma reprodução quase fiel da Fórmula 1, com equipes e pilotos de verdade (embora seus nomes fossem trocados por questão de copyright).

Hoje nos parece um dia perfeito para revisitar os outros clássicos do passado sugeridos pelos leitores. E desafiamos vocês a não ficar tentados a dar um jeito de jogar tudo novamente depois de ler este post!

Top Gear, 1992

Sugerido por: Julio Cezar Kronbauer

O tema-título inconfundível composto por Barry Leitch está gravado a ferro quente no cérebro de milhões de entusiastas no mundo todo – a geração que cresceu na década de 1990 passou muitas horas na frente da TV jogando Top Gear no Super Nintendo. O clássico de 1992, desenvolvido pela Gremlin Graphics e distribuído pela Kemco, primava por sua simplicidade e por sua estética retrofuturista.

Havia apenas quatro carros, mas todos eles diferiam em desempenho e levavam cada jogador a eleger seu favorito – era preciso escolher o carro que melhor se adaptasse a seu estilo de pilotagem e prestar atenção especialmente ao consumo de combustível. A jogabilidade estava longe de ser precisa, mas isto nem chegou perto de ser o objetivo dos desenvolvedores: o negócio era testar mesmo a habilidade e a paciência dos jogadores. Quantas vezes você não pensou em atirar o controle do Super Nintendo na parede depois da décima tentativa frustrada de vemder aquela corrida? E quantas foram as tardes com os amigos na frente da TV, no esquema “quem perdeu passa o controle”?

 

Rock n’ Roll Racing

Sugerido por: Gregório Lucas

Não dá para levar a sério um jogo de corrida com visão isométrica? Talvez não, se você achar que todo game de carros precisa ser minimamente realista e ter certo compromisso com a realidade. No caso de Rock n’ Roll Racing, estamos falando de um campeonato automobilístico intergaláctico em circuitos off-road, disputado pelos seres humanos contra outras espécies alienígenas – tudo com uma trilha sonora composta por clássicos do rock and roll terráqueo. Faz sentido? Não muito. Mas é divertido demais!

A jogabilidade era bastante simples, e os gráficos já aproveitavam bastante a capacidade do console de 16 bits, mas o grande barato eram mesmo as músicas. Versões sintetizadas muito fiéis de Highway Star, do Deep Purple; Paranoid, do Black Sabbath e Born to be Wild, do Steppenwolf e e Bad to the Bone, de George Thorogood and the Destroyers, davam o tom da jogatina no Super Nintendo, enquanto a versão de Mega Drive ainda tinha Radar Love, do Golden Earring. Rock n’ Roll Racing foi um dos primeiros games de corrida com músicas licenciadas

 

Excitebike, 1984

Sugerido por: Away

Os games de 8 bits são mais simples, vindos da década de 1980, e não têm um apelo tão grande quanto a geração seguinte, que até conseguem ser apreciados pelas gerações mais novas. Por isto, games como Excitebike, desenvolvido pela Hudson Software, são mais lembrados por quem os jogava na época.

O título lançado em 1985 é popularmente conhecido como o “joguinho da moto”, e te colocava no papel de um piloto off road que precisava saltar rampas e desviar de obstáculos ao lado de outras três motos. O desafio era chegar até o final em primeiro lugar sem bater nas outras motos. Como era típico dos games da época, a curva de aprendizado era bastante íngreme a partir de certo ponto – com recursos limitados, esta era a forma de manter o desafio. Além disso, sua moto tinha o motor bastante delicado: se acelerasse demais, você acabava com o desempenho prejudicado por superaquecimento.

 

Nigel Mansell’s World Championship Racing, 1993

Sugerido por: Samuel Rosset

A era 16 bits trouxe diversos títulos de corrida licenciados por pilotos famosos, e Nigel Mansell’s World Championship Racing era um deles. Desenvolvido pela Gremlin Graphics, a mesma de Top Gear, o jogo te colocava na pele de Nigel Mansell na briga pelo título da Fórmula 1 na temporada de 1992 – que o piloto britânico venceu pela Williams. Sua missão era superar 11 outros pilotos, porém Mansell era o único que tinha suas feições e cores de equipe fielmente representadas, incluindo o seu macacão azul, seu boné e seu bigode. Era possível, contudo, mudar a nacionalidade do personagem – para brasileira, inclusive.

Nigel Mansell’s World Championship Racing era um dos grandes rivais de Super Monaco GP, e tinha como diferencial o fato de todos os pilotos e equipes serem licenciados oficialmente, bem como todos os circuitos.

 

Out Run, 1991

Sugerido por: Julio Mayo

O clássico dos fliperamas, que te colocava ao lado de uma bela loira em uma Ferrari Testarossa conversível, também foi lançado para Master System (8 bits) e Mega Drive (16 bits), e reproduzia com muita fidelidade a experiência do arcade – ainda que os gráficos fossem decididamente inferiores, especialmente pela falta de cenários tridimensionais.

O criador de Out Run, o designer de games Yu Suzuki, diz que não se trata de um jogo de corrida, e sim de um jogo de direção. A trilha sonora, o carro escolhido e até mesmo o posicionamento da câmera, bastante próximo do chão, foram pensados para criar uma experiência de cruzar estradas em direção a diferentes destinos e não passar a experiência de pilotar em uma pista de corrida. E foi este apelo diferenciado de Out Run que abriu caminho para outros games do estilo, como a série Cruis’n, da Midway games.

 

Test Drive II: The Duel, 1989

Sugerido por: Fabio Pereira

Ferrari F40, Porsche 959 ou Lamborghini Diablo: a escolha é sua em Test Drive II: The Duel. O nome do jogo deixa clara que a premissa é parecida com Out Run. Você não está em uma corrida em um circuito, e sim em vias públicas, e pode disputar contra um oponente controlado pela máquina ou contra o relógio.

Na tela de seleção, você via uma reprodução detalhada em 2D bastante detalhada do veículo, acompanhada de sua ficha técnica – com dados bastante fiéis aos dos carros de verdade –, e podia escolher o nível de dificuldade e o trecho pelo qual iria dirigir. Detalhe: muito antes de Need for Speed, o jogo já trazia o desafio de fugir da polícia. Você tinha até cinco vidas, e perdia uma delas cada vez que era pego pelos homens da lei. Cinco vezes, e era game over, e era exibida uma animação na qual seu personagem ia preso. Se não fosse pego pela polícia nenhuma vez, ao final do percurso você recebia o sorriso de aprovação de uma policial feminina.

O fato de trazer três carros com características de desempenho diferentes, licenciados por seus devidos fabricantes, também colocava The Duel à frente de seu tempo. O Porsche 959 era um carro com melhor aceleração e menor velocidade final, enquanto a Ferrari F40 e o Lamborghini Diablo eram mais velozes, porém menos rápidos no 0-100 km/h.

Matérias relacionadas

Os circuitos de rua mais tenebrosos do planeta

Leonardo Contesini

Alguns dos Porsche mais bacanas anunciados no GT40

Dalmo Hernandes

Morre Keith Flint, do The Prodigy, ícone da música eletrônica – e dos games de corrida

Dalmo Hernandes