A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture

Os melhores hot hatches do universo: Ford Focus ST e RS

O Focus, atual “anti-Golf” da Ford, está por aí desde 1998, quando foi lançado na Europa. Catorze anos e três gerações depois, o Focus já acumulou um número razoável de versões esportivas para lá de interessantes dos dois lados do Atlântico — EUA e Europa. É hoje o dia em que você as conhecerá melhor!

Lançado em 1998 na Europa e oferecido nos EUA a partir do ano seguinte, o Focus foi um dos primeiros Ford a adotarem a linguagem de design New Edge, com linhas retas e ângulos marcantes. Se o design da primeira geração dividiu opiniões, a excelente impressão que seu comportamento dinâmico deixava era unânime — graças, em boa parte, à suspensão traseira multilink, primazia no segmento (hoje é padrão). A Ford acertou na receita, e o Focus tem tudo para ser um dos nomes mais longevos da história da marca do oval azul.

Agora, será que esta longevidade seria a mesma sem boas versões esportivas? Somos inclinados a dizer que não — não só porque as versões eram esportivas, mas porque eram boas mesmo. Existem muitos fãs que jamais trocariam seus ST, SVT e RS por GTI algum. Mas por quê? Talvez, conhecendo cada uma delas mais detalhadamente, você consiga entender.

 

Focus SVT/ST170

northamerica

Embora a Europa seja o mercado mais tradicionalmente associado aos hatchbacks — incluindo suas versões apimentadas —, a primeira versão esportiva do Ford Focus foi lançada antes nos Estados Unidos, e não no Velho Mundo. Isto pode ser considerado um reflexo do sucesso do Focus entre os americanos, algo que surpreendeu até mesmo a Ford, que raramente conseguia emplacar um modelo europeu nos EUA.

 

focus-hot-hatches (2)

De qualquer forma, o que importa é que o Focus SVT, lançado em 2001, tinha este nome porque suas modificações eram realizadas pelo Special Vehicle Team, divisão da Ford que já desenvolveu versões especiais do Mustang, da Ford F-150 e foi fundamental no desenvolvimento do Ford GT. No Focus, as alterações incluíam novos para-choques, saias laterais, faróis auxiliares e rodas, que tinham 17 polegadas e eram calçadas com pneus 215/45. O visual ficava extremamente agradável (mesmo com os para-choques mais longos exigidos no mercado americano).

01chicago

Agora, o que realmente importava estava debaixo do capô: uma versão do motor Zetec 2.0 16v modificada pela Cosworth, que dava a ele um novo cabeçote de alumínio com maior fluxo, pistões ultra-resistentes e bielas forjadas, comando de válvulas de admissão variável, coletor de admissão de dois estágios e escapamento 4x2x1. Com um aumento na taxa de compressão, o resultado era um salto de 130 para 173 cv. A força era moderada por uma transmissão manual de seis marchas da Getrag, idêntica à do Mini Cooper S. O conjunto era capaz de acelerar até os 100 km/h em 7,9 segundos.

focus-hot-hatches (15)

Na Europa, seu equivalente apareceu um ano depois: Focus ST170. Seu nome vinha da potência do motor — o mesmo do Focus SVT, que também era acoplado à mesma transmissão Getrag de seis marchas, e trazia modificações estéticas semelhantes, porém na carroceria reestilizada, que tinha um visual mais agressivo. O carro era fabricado na Alemanha, mas o motor vinha do México.

Além do visual, outra coisa nos faz preferir o Focus ST170:

Ford Focus ST170.

Sim, sabemos que este é um especial sobre hot hatches, mas como não gostar de uma perua esportiva do Ford Focus?

 

Focus RS/RS 500

focus-hot-hatches (14)

O SVT/ST170 podia até ser um hatch mais apimentado, mas a coisa começava a ficar séria de verdade com o Focus RS. Para quem não sabe, a sigla RS, de Rallye Sport, tem um significado muito importante para os fãs da Ford na Europa — significado que se materializa no Escort RS Cosworth. Para retomar uma nomenclatura desse calibre, a Ford precisava fazer um carro matador.

focus-hot-hatches (10)

E fez: turbinando o Duratec de dois litros e modificando pistões, válvulas e escapamento, a Ford conseguiu extrair dele 215 cv e 31,6 mkgf de torque, que desta vez eram moderados por uma caixa de manual de cinco marchas. Agora, o Focus podia chegar aos 100 km/h em 6,4 segundos. Mas não era só isso: além do motor mais potente, o carro tinha uma dinâmica absurdamente boa graças à suspensão e ao diferencial Quaife, que distribuía o torque entre as rodas dianteiras automaticamente. Além disso, a bitola dianteira era 65mm mais larga, e a direção tinha relação mais rápida, como no ST170.

Os freios eram Brembo, com discos de 324 mm e pinças de quatro pistões na dianteira, e discos de 280 mm e pinças de um pistão na traseira. Eram calçados por rodas de 18 polegadas da OZ Racing — herança dos ralis. Completando o pacote, visual com para-lamas mais largos e para-choques exclusivos, e uma única cor: o azul metálico Imperial Blue. Por dentro, bancos Sparco e forração em couro preto e azul e Alcantara.

Ao todo, mais de 70% dos componentes eram novos em relação ao Focus comum. Há relatos de que a Ford perdia £ 4.000 (pouco mais de R$ 15.000) a cada Focus RS vendido tamanho o custo de produção das pouco mais de 4.500 unidades — cerca de 2.100 delas vendidas no EUA, enquanto o restante foi dividido entre vários países da Europa. Apesar disso, o Focus RS tinha sido, sem dúvida, um sucesso, e a Ford fez questão de preparar seu sucessor na segunda geração do modelo, lançada em 2004.

Nos EUA o Focus seguiu por um caminho diferente — a segunda geração estava mais para um facelift extenso da primeira, enquanto na Europa era uma segunda geração de fato, maior e visivelmente mais evoluída.

Em 2005, a segunda geração do Focus ST170, agora chamada simplesmente de ST, foi lançada no Velho Mundo. Seu maior atrativo era o motor Duratec 2.5 turbo de cinco cilindros, capaz de entregar 228 cv — desenvolvido em parceria com a Volvo, que fazia parte do grupo Ford na época. De fato, um esportivo de respeito até mesmo para os padrões de hoje. Na Austrália e Nova Zelândia, seu nome era Focus XR5 Turbo. Detalhe:

focus-hot-hatches (30)

Contudo, a versão RS continuou se mostrando a estrela da linha esportiva do Focus, ainda que tenha levado quatro anos para chegar. Lançado em 2009, o Focus RS de segunda geração levou o desempenho do Focus a um novo patamar e fez com que o mercado e o público entusiasta repensassem qual era o limite prático de potência e torque para carros de tração dianteira.

A Ford confirmou em 2007 que um novo Focus RS seria lançado dali a dois anos. Então, em 2008, apresentou o primeiro conceito funcional, que surpreendeu com os 305 cv do motor Duratec 2.5 turbo, graças a um turbo Börg-Warner K16 maior, operando a 1,3 bar. Deduziu-se, então, que o Focus ganharia tração integral — porém, surpresa de novo: ele saiu apenas com tração dianteira. Por sorte, graças ao diferencial de deslizamento limitado Quaife e a um bom trabalho na suspensão dianteira McPherson, a dinâmica não foi comprometida — pelo contrário: era uma das melhores, e a Ford garantia que era o mais próximo de um carro de rali do WRC que alguém poderia chegar com um Focus de rua.

focus-hot-hatches

O 0 a 100 km/h vinha em 5,9 segundos, com máxima de 263 km/h. Incrível, mas a Ford queria mais. Talvez para provar a excelência do conjunto, a Ford lançou em abril de 2010 a edição limitada Focus RS500, que permanece como o Focus de rua mais extremo lançado até agora.

focus-hot-hatches (23)

O motor Duratec 2.5 recebeu um intercooler maior, bomba de combustível mais eficiente e um novo sistema de escapamento, além de uma recalibragem no módulo de controle do motor. O resultado: 350 cv a 6.000 rpm e 46,9 mkgf de torque entre 2.500 e 4.500 rpm, força suficiente para atingir os 100 km/h em 5,4 segundos com máxima de 266 km/h.

O suficiente para que ele tenha desempenho comparável ao de um Subaru WRX STi

Mas o que conquista de verdade no RS500 é seu visual totalmente badass: todas as 500 unidades fabricadas foram pintadas de preto Panther Black e envelopadas com um filme especial para conseguir o efeito fosco, que também foi reproduzido nas rodas de 18 polegadas. Os faróis de máscara negra, as entradas de ar no capô e as janelas traseiras escurecidas selam a cara invocada do hot hatch, que só foi oferecida naquele ano.

 

E hoje em dia?

focus-hot-hatches (33)

A terceira e atual geração do Ford Focus passou recentemente por um facelift e ganhou faróis mais estreitos, uma grade menos avantajada e o resultado é um visual ainda mais agressivo. A versão ST foi a última a mudar de visual, mas o motor é o mesmo da época de quando foi trazida de volta, em 2012: o EcoBoost de dois litros turbinado capaz de entregar 250 cv  e 36,2 mkgf de torque — o suficiente para acelerar até os 100 km/h em 6,5 segundos, com máxima de 247 km/h. Fala-se muito sobre sua chegada ao Brasil entre 2014 e 2015, mas nada ainda foi confirmado.

_0008_Ford-Focus_ST_2015_800x600_wallpaper_09

Esperado para o ano que vem como modelo 2016, o Focus RS começou a ser flagrado em testes pela Europa, e até agora especula-se que seu motor será o mesmo Ecoboost turbo de 2,3 litros e 340 cv que deverá encontrar espaço debaixo do capô do Mustang. Quanto à tração, se será dianteira ou integral, isto ainda é um mistério. Mas nós não precisamos dizer que estamos ansiosos demais, não é?

 

Matérias relacionadas

As maneiras mais gearheads de se usar uma sala de estar

Dalmo Hernandes

As rivalidades mais marcantes da indústria automotiva brasileira – parte 1: anos 60 e 70

Dalmo Hernandes

Você nunca viu um Nissan Skyline GT-R “Kenmeri” tão inteiro quanto este

Dalmo Hernandes