A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Vídeo

Piloto é intoxicado por monóxido de carbono em seu Toyota e desmaia em track day

Como você deve saber, não é prudente dividir um ambiente fechado com qualquer tipo de combustão — seja uma fogueira, ou um carro esquentando o motor em uma garagem fechada. Isso por que o resultado da combustão é o monóxido de carbono, que é o gás carbônico (CO2) sem uma das moléculas de oxigênio (que foi usada como comburente). Ele é um gás sem cor, sem gosto e nem cheiro, e por isso você pode respirá-lo acidentalmente e só perceber isso quando for tarde demais.

Quando você respira monóxido de carbono (CO), você substitui o oxigênio (O2) que seus pulmões utilizariam para te manter vivo por algo que não tem utilidade alguma para o corpo humano. É por isso que você perde a consciência e pode acabar morrendo. Dizem que o sistema de ar quente dos antigos Fuscas foi modificado por esse motivo: ele consistia em uma tubulação que envolvia parte do sistema de escape para aquecer o ar, que por sua vez era liberado para a cabine por meio de uma válvula. Acontece que qualquer vazamento do sistema de escape despejaria monóxido de carbono na cabine do Fusca.

Foi mais ou menos isso o que aconteceu durante um trackday na Finlândia há alguns anos. O Toyota MR2 do piloto amador Sami Mäkäräinen teve um vazamento de monóxido de carbono na cabine, e como as regras exigem os vidros fechados na pista, Sami acabou intoxicado pelo gás venenoso.

O vídeo onboard mostra aos poucos como o corpo reage aos efeitos da intoxicação invisível:

Ele não percebeu o vazamento pois é comum em carros de motor central-traseiro a presença de cheiro de gasolina e óleo no habitáculo, além do aumento da temperatura da cabine. Como o cheiro cessou, ele continuou correndo. À medida em que o oxigênio do seu sangue era substituído por monóxido de carbono, seu corpo começou a manifestar os sintomas: as trocas de marcha ficaram mais lentas, depois ele começou a errar o traçado, seus reflexos foram afetados até que ele teve um tipo de alucinação e decidiu parar o carro pois percebeu que havia algo errado.

Enquanto esperava a ação dos paramédicos, ele finalmente perdeu a consciência. Segundo o próprio Sami, o nível de oxigênio em seu sangue era de apenas 63%. Ele realmente teve muita sorte em ter escapado vivo ou sem lesões sérias — a falta de oxigenação no cérebro pode causar sequelas que vão desde a dificuldade de memorização até a perda de movimentos ou a paralisação completa, que resultaria em estado vegetativo.

É exatamente por esse motivo que a maioria dos sistemas de ar-condicionado desativa automaticamente a recirculação do ar depois de um certo período pré-programado pelo fabricante.

(Dica dos leitores André Stanev e João Guilherme)

Matérias relacionadas

Esta animação sobre a vitória de Ayrton Senna no GP de Interlagos de 1991 é simplesmente sensacional

Dalmo Hernandes

Adolescentes capotam Golf a 150 km/h ao fugir da polícia em Santa Catarina

Leonardo Contesini

Este idiota invadiu uma corrida com seu carro — e foi preso por isso

Dalmo Hernandes